Ideias

Eu me recuso a aceitar a extinção do shake-hands

Eu me recuso a aceitar a extinção do shake-hands

Sobre o famigerado “lugar de fala”, imaginemos que Cervantes, por não ser louco, nem baixinho, não pudesse escrever sobre seu fidalgo Dom Quixote, tampouco sobre seu escudeiro Sancho Pança. Que Dante, por não ser pároco, não pudesse ter colocado tantos padres e bispos no inferno da sua comédia. Que Castro Alves, por não ser negro, não pudesse lastimar as desumanidades de seu Navio Negreiro. Ou que o Eça, por não ser mulher, não pudesse contar a canalhice que o Padre Amaro fez com Amélia.

Sete motivos para amar Romero Britto

Sete motivos para amar Romero Britto

Num país cada vez mais dividido e cheio de incertezas, existe uma unanimidade: todo mundo adora odiar o Romero Britto. O artista plástico pernambucano é culpado por tudo de ruim que acontece no Brasil: dengue, chicungunha, febre amarela, coronavírus, golpe, ignorância política e truculência nas redes sociais. Será que Romero Britto merece mesmo todo esse discurso de ódio pra cima dele? Eu tenho certeza que não.

Chaves: a era da imbecilidade, dos cancelamentos retroativos e os sacerdotes do politicamente correto

Chaves: a era da imbecilidade, dos cancelamentos retroativos e os sacerdotes do politicamente correto

O índice de proibições e “cancelamentos” retroativos é progressivo e tende a abarcar tudo aquilo que não segue as diretrizes determinadas pelos sacerdotes do politicamente correto. Notadamente, o humor em Chaves é recheado de bofetadas, pequenos conflitos com constantes trocas de insultos indiscriminados, um professor que fumava charutos em sala de aula, violência deliberada entre crianças e adultos, enfim, de tudo aquilo que mais se abomina nos tempos atuais de controle de tudo a que se assiste.

100 mil mortos: um Maracanã lotado de lágrimas

100 mil mortos: um Maracanã lotado de lágrimas

Tragédias, infelizmente, acontecem. Ao longo da trajetória humana, fomos obrigados a nos acostumar com inúmeras delas, envoltas nas mais diversas circunstâncias. Algumas são realmente inevitáveis; sobre elas, o único poder que temos é o de refletir — e lamentar. Outras, no entanto, podem ser contidas e até antecipadas, principalmente quando há possibilidades reais de controle sobre seus desdobramentos.

Cinco evidências históricas de que a humanidade não vai melhorar após o fim da pandemia

Cinco evidências históricas de que a humanidade não vai melhorar após o fim da pandemia

Elaborar uma lista de evidências sobre alguma consequência não é fácil. E há uma série de motivos para essa dificuldade. Primeiro vem a arte do futurismo. Como, de fato, é apenas uma arte, isso já afasta, por si só, qualquer caráter científico, daí a denominação do título deste texto. Fique o leitor à vontade para acreditar, descrer, concordar ou discordar.