Ideias

Porta dos Fundos: para os incomodados, há a válida e democrática opção de não assistir

Porta dos Fundos: para os incomodados, há a válida e democrática opção de não assistir

Mais um fim de ano chega e, com ele, também o já tradicional especial de Natal do Porta dos Fundos. Desde 2013, o aclamado canal de vídeos produz seu debochado episódio temático, que sempre acaba se tornando ponto de partida de debates sobre os limites do humor. Em 2019, porém, a sátira parece ter causado um alarido incomum, provocando a ira de religiosos e movimentando uma corrente que propõe até mesmo a sua censura.

“Eu tenho um amigo negro” e o racismo nosso de cada dia

“Eu tenho um amigo negro” e o racismo nosso de cada dia

É necessário ter em mente que o fato de se ter um parente ou um amigo negro não é desculpa capaz de apagar injúrias raciais deliberadamente praticadas. Em último caso, é de se pensar que seres humanos não são bichos de estimação e que, ao projetar seu ato falho em outra vida negra, mais uma vez na história o agressor estará colocando um corpo preto como escudo para a proteção da pele branca.

A era do gado sem cabeça

A era do gado sem cabeça

Estamos, definitivamente, numa era de desapego à razão. Evidências e certezas científicas são deixadas de lado em prol de movimentos iconoclastas radicais, que valorizam mais o potencial de viralização na internet que a segurança e a certeza de seus conteúdos. A despeito de todo avanço tecnológico, a maioria da população tende a acreditar nas barbaridades e desinformações cultivadas por desonestos célebres.

Daqui a 100 anos, quem será lembrado: Chico Buarque ou Bolsonaro?

Daqui a 100 anos, quem será lembrado: Chico Buarque ou Bolsonaro?

Independentemente de sua ideologia política, que tende a esmaecer com o tempo — prevalecendo a qualidade da arte, pois a estética vai superando o discurso político-ideológico, dada a passagem do tempo histórico em que foi criada (a resposta artística acaba pode se tornar mais lembrável do que o tempo que lhe deu origem) —, a obra musical, até mais do que sua literatura, de Chico Buarque vai sobreviver, assim como a música de Bach, Beethoven, Brahms e Chopin, a poesia de Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto e a prosa de Machado de Assis, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Clarice Lispector e Lygia Fagundes Teles.

Coach: aquele que fracassou em quase tudo, mas tem sempre uma solução para a vida dos outros

Coach: aquele que fracassou em quase tudo, mas tem sempre uma solução para a vida dos outros

De repente, como num passe de mágica, aquele seu amigo de anos repagina completamente o perfil na rede social. Com fotos artísticas e legendas motivacionais, surpreendentemente orienta pessoas e age como guru. Sim, aquele mesmo que fracassou na maioria das coisas que já tentou, mas que, após um insight, fez um curso de finais de semana, ganhou um “certificado internacional” e agora está transformando vidas. Ele agora é coach.

Chaves é melhor do que Friends

Chaves é melhor do que Friends

Os memes são o Id da humanidade. Não existem filtros morais para o meme. Não existe Superego para o meme. Se algo se torna meme é porque representa uma verdade quintessencial, mesmo que não seja uma verdade de Diário Oficial. Geralmente, são fatos incômodos, do tipo que muitos preferem ignorar, ridicularizar, condenar ou mesmo combater.