Ideias

Receituário de sonhos literários

Receituário de sonhos literários

Em sua obra intitulada “A Interpretação dos Sonhos”, o psicanalista Sigmund Freud explicita que esforçar-se-ia por elucidar os processos a que se devem a sua estranheza e a obscuridade, ainda que pouco ou nada que aborde a sua natureza essencial possibilite uma solução final para qualquer dos enigmas dos sonhos. Deste modo, aviso aos navegantes: este ensaio não se predispõe a elucidá-lo, absolutamente; entretanto, se inclina a utilizá-lo como metodologia de leitura, que prognostica a prevenção como modo eficaz de combate às aflições psíquicas do Homem pós-moderno.

As travessuras de Mario Vargas Llosa Foto / Dreamstime

As travessuras de Mario Vargas Llosa

O último sobrevivente da tradição política/letras é o peruano Mario Vargas Llosa. Trata-se do sujeito que conquistou tudo que um escritor poderia sonhar. Seus livros são muito estudados nas maiores universidades pelo mundo afora, as vendas já o transformaram em protagonista da “República Mundial das Letras”, e os artigos políticos são extremamente influentes nos países de língua espanhola. E o coroamento de tudo foi, sem dúvida, o recebimento do Prêmio Nobel de Literatura, no ano de 2010.

O fascínio da Literatura

O fascínio da Literatura

O fascínio da Literatura há se originar como uma espécie de pecado original que, ao desnudar-se diante da imagem e semelhança d’um esboço da condição humana, se desintegra no Jardim do Éden da consciência, a partir da Criação de cunho ficcional, que construímos em nós, à proporção que nos reinventamos como eu-líricos, narradores ou personagens de si mesmos.

2022: Democracia derrota projeto autoritário, no Brasil

2022: Democracia derrota projeto autoritário, no Brasil

2022 será lembrado pelos livros de história como ano da consolidação da democracia brasileira. É uma aposta. Certamente essa consolidação, inteiramente obra da sociedade civil, vem ocorrendo por etapas. Assim, em 1988 tivemos a Constituição “cidadã”, seguida do restabelecimento das eleições diretas para presidente da República, ocorridas a partir em 1989.

Haverá explosões no laboratório

Haverá explosões no laboratório

Há mais, sempre há mais: ela é daquele tipo que veio feliz de fábrica; já eu vim ao mundo com excesso de algumas arruelas que deveriam ser mais ajustadas para uma sintonia mais afinada da minha melancolia. Vivo com a tarefa do aprendizado diário de como morrer, como escreveu Rilke. Não me entendam mal, não sou infeliz; antes, a certeza da finitude terrena e a minha fé católica me deram certo senso de “carpe diem”, “matamos o tempo e o tempo nos mata”, “ninguém se molha duas vezes no mesmo rio”.