Livros

A história da agente literária que ‘fabricou’ o sucesso de García Márquez e Vargas Llosa

A história da agente literária que ‘fabricou’ o sucesso de García Márquez e Vargas Llosa

O boom da literatura latino-americana deve muito a uma mulher, a superagente literária espanhola Carmen Balcells y Segalà (1930-2015). Com seu decisivo apoio, o colombiano Gabriel García Márquez (“Cem Anos de Solidão”) e o peruano Mario Vargas Llosa (“A Cidade e os Cachorros”), entre outros, conquistaram a Europa e, em seguida, o mundo — tanto que receberam o Prêmio Nobel de Literatura. Era tão diplomática que conseguia ser amiga dos dois inimigos figadais.

Livro reúne cartas inéditas de Graciliano Ramos

Livro reúne cartas inéditas de Graciliano Ramos

Há um pequeno diamante para o cérebro e para os sentidos circulando em livrarias: “Cartas Inéditas de Graciliano Ramos a Seus Tradutores Argentinos Benjamín de Garay e Raúl Navarro”, de Pedro Moacir Maia (1929-2008). Além das cartas, há ensaios de Pedro Moacir Maia e textos de Alberto da Costa e Silva, Carlos Drummond de Andrade, José Mindlin, Márcio Moreira Alves, Salvador Monteiro, Urania Maria Tourinho Peres, Waldir Freiras Oliveira sobre o organizador da coletânea.

A relação ‘mercenária’ de William Faulkner com o cinema

A relação ‘mercenária’ de William Faulkner com o cinema

A literatura de James Joyce, William Faulkner, Guimarães Rosa e Carlo Emilio Gadda é refratária ao cinema — dada a dificuldade em transpor para a as telas (imagem), e num tempo curto, cerca de 120 minutos, a linguagem complexa de suas escritas. Os diretores de cinema brasileiros certamente saíram-se melhor do que os adaptadores americanos. Faulkner no cinema geralmente deixa de ser Faulkner. Mas o próprio escritor encantou-se, por dinheiro (mais) ou vaidade, pelo meio cinema durante algum tempo.

Conversa no Catedral é um dos romances mais experimentais de Mario Vargas Llosa

Conversa no Catedral é um dos romances mais experimentais de Mario Vargas Llosa

A Alfaguara repôs no mercado a obra-prima do escritor peruano Mario Vargas Llosa: “Conversa no Catedral” (581 páginas), de 1969. No prólogo de uma edição publicada em 1998, o Nobel de Literatura conta que reescreveu o romance várias vezes. “Nenhum outro romance me deu tanto trabalho; por isso, se tivesse que salvar do fogo só um dentre os que escrevi, salvaria este”, afirma.

A literatura de Minas Gerais de roseiras, morros e angústias

A literatura de Minas Gerais de roseiras, morros e angústias

Se por acaso existe um enigma brasileiro, ele é a região onde se situa Minas Gerais. Um espaço para além das enormes serras, como a Mantiqueira, que no passado criaram uma barreira natural para quem vinha de São Paulo e do Rio de Janeiro. O isolamento permitiu que surgisse uma cultura própria, barroca numa certa época, modernista em tempos mais recentes. Para Silviano Santiago, um dos seus maiores conhecedores, Minas é na verdade um “enclave arcaico” que assusta o restante do Brasil.