Livros

Vassili Grossman, o escritor que derrotou o comunismo

Vassili Grossman, o escritor que derrotou o comunismo

“Vida e Destino” (Alfaguara, 915 páginas, tradução de Irineu Franco Perpetuo), do escritor ucraniano Vassili Grossman (1905-1964), é o “Guerra e Paz” do século 20. A diferença é que Liev Tolstói (1828-1910) viu a edição de seu livro e ganhou o aplauso dos leitores de seu tempo. Desesperançado, Grossman morreu, aos 58 anos, sem saber se, algum dia, seu romance seria publicado. SA pesquisadora russa Alexandra Popoff decidiu escrever não um romance, mas uma alentada biografia do escritor e jornalista russo — “Vasili Grossman y el Siglo Soviético” (Crítica, 512 páginas, tradução de Gonzalo García).

Os 15 melhores começos de livros da literatura universal

Os 15 melhores começos de livros da literatura universal

Pedimos aos leitores e colaboradores que apontassem os melhores começos de livros da literatura universal. Cento e cinquenta e seis livros foram citados por 2,4 mil participantes, destes, selecionamos os 15 livros que obtiveram mais citações. A seleção percorre quase quatro séculos de literatura, de “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes; publicado em 1605, a “O Jardim do Diabo”, de Luis Fernando Veríssimo; publicado em 1988.

A obra completa de Machado de Assis para download gratuito

A obra completa de Machado de Assis para download gratuito

Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, é considerado, ao lado de Guimarães Rosa, o mais importante escritor brasileiro. Poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista e crítico literário, testemunhou a Abolição da Escravatura e a mudança política no país quando a República substituiu o Império. Morreu em 29 de setembro de 1908, aos 69 anos.

10 livros de ficção que todo professor deveria ler

10 livros de ficção que todo professor deveria ler

Lendo se aprende a ler e escrever. E digo isso, porque saber ler é uma qualidade baseada na formação. Subestimada, a leitura é a grande heroína de todos os tempos. É um clichê, mas ler faz viajar! Literalmente, esse ditado faz sentido e pode ser extrapolado em outra direção. É possível conhecer o mundo por meio dos livros e, também, há uma possibilidade de contar sobre o mundo escrevendo um livro

A história do médico brasileiro que combateu a febre amarela, a peste bubônica, a varíola e a ignorância

A história do médico brasileiro que combateu a febre amarela, a peste bubônica, a varíola e a ignorância

Moacyr Scliar (1937-2011) abordou o cientista e médico Oswaldo Cruz de duas formas — como biógrafo, no livro “Oswaldo Cruz — Entre Micróbios e Barricadas” (Relume Dumará, 101 páginas), e como escritor, no romance “Sonhos Tropicais” (Companhia das Letras, 212 páginas). O estudo da vida do cientista paulista, especializado no Instituto Pasteur, na França, não é alentado. Mesmo assim, apresenta muito bem um personagem relevante para o Brasil — “original e extraordinário” — que viveu entre dois séculos, o 19 e o 20, entre 1872 e 1917. Viveu apenas 44 anos.