Ideias

Guia do eleitor desiludido: pagando a conta da festa alheia

Guia do eleitor desiludido: pagando a conta da festa alheia

Abril, imposto de renda, leão atrás de você… Todo início do ano tem essa agonia. Começa com o malfadado IPTU e depois vem o Imposto de Renda. O programa da Receita é claro: tem imposto a pagar e não é pouco. Não bastou o tamanho do desconto mensal no contracheque. Ainda tem imposto a pagar. O síndico do prédio chamado Brasil sempre quer fazer uma chamada extra no condomínio

99 doses de Nietzsche

99 doses de Nietzsche

Publicado no Brasil pela editora Sextante, “Nietzsche para Estressados” é um pequeno manual que reúne 99 máximas do gênio alemão e sua aplicação a várias situações do dia a dia. No livro, cada capítulo é iniciado por um aforismo de Nietzsche, seguido de uma interpretação atual, feita por Allan Percy, autor da compilação. Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em 1844, na cidade alemã de Röcken. Escreveu centenas textos críticos sobre religião, moral, cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia e aforismo. Seu legado filosófico até hoje não perdeu o poder de inspirar.

Woody Allen contra o novo macarthismo

Woody Allen contra o novo macarthismo

Multidões de linchadores nunca estão com a razão. Jamais. Em hipótese alguma. Isso é básico numa sociedade civilizada. Mas a mídia, que deveria interditar a barbárie, é a primeira a fazer festinha pra ela. E depois ninguém sabe porque revistas e jornais agonizam.

Sete motivos para amar Romero Britto

Sete motivos para amar Romero Britto

Num país cada vez mais dividido e cheio de incertezas, existe uma unanimidade: todo mundo adora odiar o Romero Britto. O artista plástico pernambucano é culpado por tudo de ruim que acontece no Brasil: dengue, chicungunha, febre amarela, golpe, impeachment, 7 a 1, ignorância política e truculência nas redes sociais. Será que Romero Britto merece mesmo todo esse discurso de ódio pra cima dele? Eu tenho certeza que não.

Com “Vai Malandra”, Anitta empodera tudo, menos o bom gosto

Com “Vai Malandra”, Anitta empodera tudo, menos o bom gosto

E eis que veio a lume “Vai Malandra”, mais uma mui engenhosa canção de Anitta. Repare o leitor, antes de tudo, que a ausência de vírgula entre o verbo “ir” e o vocativo “Malandra”, foi mantida por este que vos escreve com o fito de preservar a distintiva licença poética da autora. Pois bem, a canção veio acompanhada de um clipe que, sem nenhuma dúvida, é um monumento à pudicícia.

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

Umberto Eco (1932-2016) disse que as redes sociais possibilitaram o surgimento — e quiçá uma hegemonia — de uma “legião de imbecis”. Antes, concentrados em bares, tomando vinho ou cerveja, “falavam sem prejudicar a coletividade. Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.