Música

Toda mulher brasileira é meio Rita Lee

Toda mulher brasileira é meio Rita Lee

Se foi dito por Caetano Veloso, pode assinar embaixo: ela era a mais completa tradução de São Paulo. Pele muito branca, cabelos ruivos, um sotaque paulistano fortíssimo, ela poderia ser uma beatle ou uma rolling stone. No ambiente de homens, a jovem Rita Lee ainda sem completar 20 anos chamava a atenção por ser a única mulher no rock brasileiro.

Voz ativa: a música popular brasileira em quatro tempos

Voz ativa: a música popular brasileira em quatro tempos

Quem assiste à série “Coisa Mais Linda” (2019), da Netflix, tem uma ideia de como se formou o sistema da música popular brasileira. Com uma história de amor em primeiro plano, as duas temporadas recriam o ambiente em que surgiu a Bossa Nova no Rio de Janeiro, no final dos anos 1950. Na série, a personagem Malu comanda a boate onde se apresentam os músicos para um público de classe média carioca e sofisticado. Chico Carvalho representa o compositor e cantor que faz a ponte com os sambistas negros do morro. E Roberto é o dono da gravadora que move os negócios do novo som.

O som e a fúria de Kurt Cobain

O som e a fúria de Kurt Cobain

O mundo do rock teve seu último terremoto em 1991. Trinta anos atrás, três rapazes da friorenta cidade de Seattle, nos EUA, lançaram o disco “Nevermind”, o segundo trabalho do grupo Nirvana. De imediato, a MTV e as rádios foram invadidas por um som de guitarras distorcidas (punk, metal) e uma voz que alternava o canto de melodias e gritos intensos.

Rosetta Tharpe: a mulher que inventou o rock

Rosetta Tharpe: a mulher que inventou o rock

Se o diabo é o pai do rock, a maternidade pode ser reivindicada por muita gente. No Brasil, Rita Lee — que não se restringiu ao gênero (no que isso tem de positivo e negativo) e chegou a gravar até marchinha de Carnaval —; na Europa, a sueca Marie Fredriksson, eterna vocalista do Roxette, continua a reinar absoluta, mesmo depois de sua morte precoce aos 61 anos, em 2019. Nos Estados Unidos, bem, aí a conversa vai longe. Uma das artistas que poderia tomar o pirralho no colo e embalá-lo ao som de sua garganta majestosa é Sister Rosetta Tharpe.

As últimas canções ouvidas por Louis Armstrong antes de sua morte

As últimas canções ouvidas por Louis Armstrong antes de sua morte

O talento de Louis Armstrong resta inegável passados mais de cinquenta anos de sua morte, em 6 de julho de 1971. Armstrong — chamado de Satchmo ou, mais habitualmente Pops, pela mulher, Lucille, e seus muitos amigos —, era um profundo conhecedor de sua arte, revelando um bom gosto musical que não se vê com a frequência desejável, mesmo entre profissionais. Pops foi um amante da música até o fim e agora o público também pode ter acesso às últimas canções ouvidas por ele, reunidas numa lista no Spotify. É dar o play e deixar a emoção tomar conta.