Perfil biográfico

Curt Meyer-Clason: a história do tradutor de Guimarães Rosa, que ficou cinco anos preso no Brasil

Curt Meyer-Clason: a história do tradutor de Guimarães Rosa, que ficou cinco anos preso no Brasil

Curt Meyer-Clason, o grande divulgador da literatura brasileira, latino-americana e portuguesa na Europa no pós-Segunda Guerra Mundial, morreu em Munique, sul da Alemanha, em 2012, aos 101 anos. Tradutor, escritor, editor, ensaísta e crítico, deixou uma obra incomparável — cujo volume e conteúdo só aos poucos é conhecida em sua profundidade. Seu nome não constava nas manchetes de primeira página — só nos círculos editoriais, entre autores e leitores.

100 anos da morte de Hugo de Carvalho Ramos, autor que influenciou Guimarães Rosa

100 anos da morte de Hugo de Carvalho Ramos, autor que influenciou Guimarães Rosa

23 de julho de 1920. Cidade de Uberaba, Minas Gerais. Final de uma manhã fria. Céu de azul radiante. O rapaz de olhar triste, aparência franzina, cerca de 1,70 m de estatura, pele muito clara, trajado de calça preta, camisa cinza e paletó escuro, desembarca na estação ferroviária… Uma ficção-reportagem-documentário sobre os últimos meses do maior escritor goiano, que escreveu um clássico absoluto do regionalismo, “Tropas e Boiadas”, e se suicidou no dia 12 de maio de 1921.

Euclides da Cunha tenta matar e morre. Anos depois, o filho tenta vingar a morte do pai e, também, é morto

Euclides da Cunha tenta matar e morre. Anos depois, o filho tenta vingar a morte do pai e, também, é morto

É indeclinável registrar que as circunstâncias envolventes da morte de Euclides da Cunha não tiveram os honestos registros que a verdade histórica impunha a seus biógrafos. Imposição não apenas para projeção dos fatos em toda a sua nudez e significado — encontram-se todos nos autos do processo penal — que em nada diminuem o valor da obra literária euclideana, nem a honestidade e o idealismo que o caracterizaram, mas também para o reconhecimento da dolorosa injustiça que foi a execração pública sofrida por Dilermando de Assis desde os seus 17 anos de idade até a sua morte ocorrida aos 62 anos.

Carolina de Jesus: a história da escritora favelada que foi traduzida em 13 países

Carolina de Jesus: a história da escritora favelada que foi traduzida em 13 países

O livro “Tempo de Reportagem — Histórias Que Marcaram Época no Jornalismo Brasileiro” (Leya, 287 páginas), de Audálio Dantas, que morreu em 2018, contém verdadeiras aulas de jornalismo. Além de reportagens clássicas, típicas do jornalismo literário, mas sem a pretensão típica de Truman Capote e Tom Wolfe, há textos introdutórios sobre como foram feitas. Recomendo vivamente “A nova guerra de Canudos”, “Povo caranguejo” e “O drama da favela escrito por uma favelada”.

Pio Vargas: há 30 anos o Brasil perdeu seu Rimbaud

Pio Vargas: há 30 anos o Brasil perdeu seu Rimbaud

Sua biografia é vaga. São poucas as informações disponíveis. Apenas alguns dados civis e uma coleção de histórias dispersas, contadas em diferentes ocasiões por seus amigos, sempre enfocando seu senso de humor demolidor, raciocínio rápido e língua ferina. O anedotário varguiano é vasto, mas precisa de um biógrafo para organizá-lo, dar-lhe forma orgânica e cronológica. Preencher as lacunas.