Autor: Euler de França Belém

Livro revela que Vladimir Putin não hesita em matar Foto / Asatur Yesayants

Livro revela que Vladimir Putin não hesita em matar

Filho político de Joseph Stálin, o presidente russo Vladmir Putin comanda um regime corrupto e assassino. Fala-se em privataria no Brasil, mas privataria mesmo ocorreu na Rússia. Os oligarcas que assumiram o controle das estatais eram homens do sistema que, de pobres ou de classe média — a nova classe, a nomenklatura, de que falava o iugoslavo Milovan Djilas —, se tornaram bilionários. Um deles era o dono do Chelsea, um dos melhores times de futebol da Inglaterra.

O melhores livros lidos em 2023 (Euler de França Belém)

O melhores livros lidos em 2023 (Euler de França Belém)

Há anos prosas. Há anos poesias. Há anos proesias. E, claro, há outros — históricos, filosóficos etc. 2023 talvez tenha sido meu ano-poesia. Poesia, para mim, é religião, ainda que, por vezes, laica. Na Argentina é possível encontrar livros editados em Barcelona e Madri. Muitos livros. No Brasil, irmão caçula de Portugal, praticamente não encontramos livros editados na terra de Lídia Jorge e Sophia de Mello Breyner Andresen (de quem li o magnífico “Coral e Outros Poemas”, publicado pela Companhia das Letras).

Milan Kundera: o esquecimento é uma forma de morte

Milan Kundera: o esquecimento é uma forma de morte

Milan Kundera (1929-2023) é um escritor poderoso, mas a fama, que não cultivava, parece tê-lo prejudicado de alguma maneira. Se tivesse se tornado um escritor cult, de nichos culturais, talvez a Academia Sueca tivesse lhe concedido o Prêmio Nobel de Literatura. “A Insustentável Leveza do Ser”, um romance magnífico, o pôs na crista da onda. Ganhou dinheiro, o livro foi adaptado para o cinema, com sucesso. Mas talvez não lhe tenha dado respeitabilidade.

Geoffrey Hinton afirma que a inteligência artificial é um risco para a humanidade

Geoffrey Hinton afirma que a inteligência artificial é um risco para a humanidade

A inteligência artificial é incontornável e, possivelmente, incontrolável. Nem uma “polícia” e uma “Justiça” tecnologicamente refinadas teriam instrumentos técnicos adequados para monitorar integralmente as ações das big techs. Por isso, é fundamental que as melhores universidades globais se mantenham atentas ao que está acontecendo. Porque delas virão, certamente, as melhores sugestões para proteger os cidadãos, inclusive os que avaliam que não precisam de proteção alguma, mas, um dia, vão precisar.