Entrevistas

Roberto Machado partiu, mas suas ideias ficaram

Roberto Machado partiu, mas suas ideias ficaram

O filósofo Roberto Machado morreu na quarta-feira, 19 de maio, aos 79 anos. Ele foi um dos mais importantes intelectuais brasileiros, autor de ampla, profunda e variada obra, que inclui reflexões sobre os mais diversos temas — literatura, teatro, pintura, cinema, Nietzsche, Hegel, Kant, Deleuze, Foucault etc. Escreveu livros como “O Nascimento do Trágico — De Schiller a Nietzsche e Deleuze — a Arte e a Filosofia”. Organizou volumes como “Microfísica do Poder”, no qual reuniu textos e entrevistas de Michel Foucault, praticamente criando uma obra apócrifa.

Jiro Takahashi, criador da Coleção Vaga-Lume e lenda do mercado editorial, fala sobre sua carreira e trajetória

Jiro Takahashi, criador da Coleção Vaga-Lume e lenda do mercado editorial, fala sobre sua carreira e trajetória

A famosa frase de Monteiro Lobato, “um país se faz com homens e livros”, para ser justo, no caso brasileiro, deveria ser acrescida um detalhe que faz toda a diferença: “um país se faz com homens, livros e Jiro Takahashi”. Ele mesmo, o lendário editor da “Coleção Vaga-Lume”, da série “Para Gostar de Ler”, organizador de obras completas definitivas na Nova Aguilar, fundador da importantíssima editora Estação Oriente.

A última entrevista de Castro Alves

A última entrevista de Castro Alves

Antônio Frederico de Castro Alves foi um dos maiores poetas brasileiros. Nasceu em 14 de março de 1847 na fazenda Cabaceiras, próxima à vila de Curralinho, hoje cidade de Castro Alves, Bahia, e morreu 6 de julho de 1871, em Salvador, vitimado pela tuberculose, aos 24 anos. Ficou conhecido como o poeta dos escravos e da liberdade, por suas feições abolicionistas e republicanas. Sua poesia, uma transição entre o Romantismo e o Parnasianismo, foi fortemente influenciada pela literatura social do poeta francês Victor Hugo.

A última entrevista de Nelson Rodrigues

A última entrevista de Nelson Rodrigues

Aos 66 anos de idade, morando em um apartamento em Copacabana, de frente à avenida Atlântica, o velho Nelson apresenta-se com o mesmo tom debochado e exagerado de sempre. Impondo a sua presença e aquele seu jeito peculiar e característico de se expressar e de se fazer entender: olhar insondável e apático; voz grossa e embolada; gestos vagarosos e ornamentais como os de um peixe colorido num aquário.

A última entrevista de Graciliano Ramos

A última entrevista de Graciliano Ramos

Enquanto os rapazes de 22 promoviam seu movimentozinho, achava-me em Palmeira dos Índios, em pleno sertão alagoano, vendendo chita no balcão. Os modernistas brasileiros, confundindo o ambiente literário do país com a Academia, traçaram linhas divisórias rígidas (mas arbitrárias) entre o bom e o mau. E querendo destruir tudo que ficara para trás, condenaram, por ignorância ou safadeza, muita coisa que merecia ser salva.