Livro da semana

Memórias de uma Gueixa, de Arthur Golden

Memórias de uma Gueixa, de Arthur Golden

O livro traz uma narrativa inteligente, assemelha-se a um jogo de xadrez; crucial prever o passo inimigo. O objetivo é vender bem o mizuage (virgindade) e conseguir um danna (cliente exclusivo) generoso no Japão dos anos 1930, pós-depressão. Nesta jornada, temos o duelo das poderosas gueixas Mameha, curadora da protagonista, e Hatsumomo, a última antagonista.

Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem, de Maryse Condé

Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem, de Maryse Condé

A narrativa reconta um dos episódios mais presentes no imaginário popular, os julgamentos das Bruxas de Salem. A genialidade do enredo está no fato de que a escritora caribenha, Maryse Condé, recriou todo esse universo sob a perspectiva de uma das mulheres condenadas, a negra escravizada Tituba. Importante dizer que essa personagem existiu de fato, porém, sua figura foi praticamente ignorada pelos registros da época.

A Filha Perdida, de Elena Ferrante

A Filha Perdida, de Elena Ferrante

A Filha Perdida é um soco no estômago, mas também é um alento. Embalados em ondas de lembranças que intercalam a observação de eventos que se desenrolam numa praia do Mediterrâneo, Elena Ferrante nos guia no processo de transpor camadas de fantasia escapista para encaramos de forma brutalmente sincera a ambivalência da maternidade.

O Gigante Enterrado, de Kazuo Ishiguro

O Gigante Enterrado, de Kazuo Ishiguro

Desde que a vida foi acontecendo pra mim (a maternidade, despedidas e dificuldades) fui me tornando mais sensível para alguns conteúdos. Filmes de suspense e terror que antes eram divertidos, agora me tiram o sono por completo. Notícias que aparentemente estão distantes da minha realidade me fazem sentir medo e angústia como se a protagonista fosse eu. Encarar, seja onde for, meus medos reais está cada vez mais difícil.

Fun Home, de Alison Bechdel

Fun Home, de Alison Bechdel

O livro, que foi sucesso nos Estados Unidos, aborda a infância e juventude da autora com enfoque na sua relação com o pai e também outros membros de sua família. O que mais me chamou a atenção é a forma como a autora insere no texto referências sofisticadas da literatura, artes e cinema de maneira natural, sem parecer pedante. A autora utiliza alusões literárias para contar a sua história e de sua família.

Enclausurado, de Ian McEwan

Enclausurado, de Ian McEwan

A proposta de “Enclausurado” é seu ponto forte: uma história de conflitos amorosos, crime e investigação narrada por um feto filosófico e sarcástico. Obviamente o feto gestado por Ian McEwan não é um ser comum. No ventre de sua mãe ele captura informações com a maturidade de um humano apto a viver imediatamente.

A Uruguaia, de Pedro Mairal

A Uruguaia, de Pedro Mairal

A Uruguaia veio sem muita indicação, veio chegando de mansinho. Não conheço ninguém que leu, ele não está nas listas de mais lidos, mais comprados ou mais importantes (por enquanto). Mas o livro veio chegando. Aparecendo aqui e ali e logo achei que estava se insinuando pra mim.