Crônicas

Cuidado. Pode ser amor

Cuidado. Pode ser amor

Quem já beijou a lona nunca esquece o gosto amargo dos lábios da queda. Quem já patinou na lama sempre se assombra ao lembrar como era tolo ser criança aos olhos de um adulto. Pois digo e reafirmo que vivi os meus melhores momentos na chuva. Foram tempos em que eu brincava de viver sem me importar com o barro, com os resfriados ou com a minha mãe gesticulando, esbravejando conchavos irresistíveis da janela verde de casa, como se fosse possível que eu saísse já daquela chuva e deixasse de ser menino para sempre.

A velhice não é uma batalha, a velhice é um massacre

A velhice não é uma batalha, a velhice é um massacre

A velhice costuma trazer com ela combinações terríveis como, fraqueza nas pernas e vista curta para ver os declives, fraqueza nos ossos e predisposição para quedas e quebraduras, necessidade de remédios caros e pouco dinheiro, muita experiência e pouca diligência, muitos fatos acumulados e overdose de esquecimento.

Senta aqui. Vamos conversar sobre o suicídio

Senta aqui. Vamos conversar sobre o suicídio

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa comete o suicídio no mundo. No Brasil, a cada dia, 32 pessoas se suicidam. É uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Por isso, falar sobre o suicídio não pode ser mais considerado um tabu.

As razões certas para se esfaquear um ser humano

As razões certas para se esfaquear um ser humano

Sinto decepcioná-los, mas, confesso que sou adepto à picanha malpassada e ao sexo sem fins reprodutivos. A carne fraca não gera em mim nenhum sentimento de culpa. Aliás, não conheço um único vegetariano que não sofra de vacilações, palidez e anemia. Isso é o que eu chamo de dar o sangue por uma causa. Espero não ser esfaqueado por pensar assim. Pior que a intolerância ao glúten é a intransigência das ideias.

Redes sociais: uma versão fictícia de nós mesmos

Redes sociais: uma versão fictícia de nós mesmos

Dialogar não é falar para quem pensa igual. Muito menos acusar, acuar e açoitar. A natureza da ação é argumentativa. Não julgadora. E o diverso enriquece a discussão. Ainda segundo o sociólogo, nas redes sociais fica mais fácil evitar a controvérsia favorecendo que o indivíduo permaneça em uma zona de conforto. Apenas berrar os próprios conceitos, verdadeiros ou inventados, impede de ouvir novas vozes e o único que se vê é o reflexo de sua face.