Diários do Aran

Saiu minha licença poética!

Saiu minha licença poética!

Sim, eu sei que o verso é indigente, mas a licença poética permite que eu seja inconsequente e até mesmo demente. Além disso, respeito é bom e conserva o dente. Com minha licença devidamente carimbada, posso me dedicar ao pedantismo, parnasianismo e até mesmo ao concretismo.

Histórias desconhecidas da mitologia: Odisseu e Polishop

Histórias desconhecidas da mitologia: Odisseu e Polishop

A guerra de Troia acabou numa sexta-feira. Segunda-feira era feriado na Antiguidade e os gregos foram todos pro boteco, encher a cara de hidromel. Menos Odisseu, coitado. Casado com Penélope, a mulher mais pentelha do Peloponeso, Odisseu resolveu ir direto pra casa na ilha de Ítaca para não ouvir reclamação. Mas na pressa de zarpar, ele esqueceu de fazer uma oferenda para Poseidon, o Deus dos Mares, pedindo águas calmas e ventos fortes.

Woody Allen contra o novo macarthismo

Woody Allen contra o novo macarthismo

Multidões de linchadores nunca estão com a razão. Jamais. Em hipótese alguma. Isso é básico numa sociedade civilizada. Mas a mídia, que deveria interditar a barbárie, é a primeira a fazer festinha pra ela. E depois ninguém sabe porque revistas e jornais agonizam.

Os filmes mais obscuros de todos os tempos: Drácula de Andy Warhol

Os filmes mais obscuros de todos os tempos: Drácula de Andy Warhol

O ator alemão Udo Kier saiu, recentemente, caçando nordestinos em “Bacurau” para provar que todo gringo é uma criatura abominável e cruel. Mas muito antes disso, em 1974, para ser preciso, ele já era um aristocrata maligno em “Drácula de Andy Warhol”. O filme é tão obscuro que, até pouco tempo atrás, meus amigos cinéfilos ardiam de inveja e indignação quando eu dava aquela esnobada e contava que tinha visto o filme lá em Cássia, minha cidade natal.

Como Joe Biden virou um reptiliano zoófilo

Como Joe Biden virou um reptiliano zoófilo

O mundo é cheio de ideias esquisitas. Todas essas ideias são criadas pelo homo sapiens, um peculiar mamífero antropoide capaz de formular conceitos abstratos. É a sua glória e a sua tragédia. Nenhuma outra espécie animal se orienta por ficções ingênuas tipo “pátria”, “religião” e “ideologia”.

Pra quê escrever se ninguém lê?

Pra quê escrever se ninguém lê?

Sucesso literário é difícil em qualquer lugar do mundo e isso não tem a ver com a habilidade do autor. Há escritores muito bons que vendem pouco e escritores muito ruins que ganham uma bufunfa quando são adaptados por Hollywood. No Brasil, país pobre e desprovido de Hollywood, a coisa é mais difícil. O escritor tem de disputar o osso com militantes, marqueteiros e a MPB.

Como cancelar o Twitter

Como cancelar o Twitter

A Internet libertária e anárquica dos anos 90 não existe mais. A rede está tornando o mundo pior, mais burro, mais intolerante e mais injusto. As corporações multimilionárias e transnacionais que dominam a web dividem usuários em nichos não apenas por razões comerciais, mas também políticas.

Stálin, o estranho caso do facínora com fã-clube

Stálin, o estranho caso do facínora com fã-clube

O planeta Terra tem mais de 8 milhões de espécies diferentes, mas apenas uma delas mata por divergência de opinião. Tubarões devoram, serpentes picam e elefantes pisoteiam, mas só o homo sapiens extermina quem pensa diferente dele. Devido à sua natureza selvagem, a história humana tem uma grande coleção de sociopatas, mas poucos são iguais a Josef Stálin, o sucessor de Vladimir Lênin no comando da União Soviética.

Como desconstruir um super-herói

Como desconstruir um super-herói

A mistura de desconstrutivismo com super-heroísmo produziu três séries excelentes e que valem a maratona: “Doom Patrol” (HBO), “Umbrella Academy” (Netflix) e “The Boys” (Amazon). As três estão na segunda temporada, o que demonstra que a desconstrução, além de fazer sucesso na facul, também é um ramo bastante lucrativo.