Ideias

Guia do eleitor desiludido: um campo de joio com algum trigo

Guia do eleitor desiludido: um campo de joio com algum trigo

Nós brasileiros estamos, sim, com complexo de vira-lata. Claro que há luz no fim do túnel e recentemente a esperança aumentou, mas daí a acreditar que vamos mudar profundamente a política já é um passo largo demais… Mais do que nunca o eleitor desiludido se sente desarmado para usar seu voto para transformar os rumos do nosso país.

Guia do eleitor desiludido: pagando a conta da festa alheia

Guia do eleitor desiludido: pagando a conta da festa alheia

Abril, imposto de renda, leão atrás de você… Todo início do ano tem essa agonia. Começa com o malfadado IPTU e depois vem o Imposto de Renda. O programa da Receita é claro: tem imposto a pagar e não é pouco. Não bastou o tamanho do desconto mensal no contracheque. Ainda tem imposto a pagar. O síndico do prédio chamado Brasil sempre quer fazer uma chamada extra no condomínio

99 doses de Nietzsche

99 doses de Nietzsche

Publicado no Brasil pela editora Sextante, “Nietzsche para Estressados” é um pequeno manual que reúne 99 máximas do gênio alemão e sua aplicação a várias situações do dia a dia. No livro, cada capítulo é iniciado por um aforismo de Nietzsche, seguido de uma interpretação atual, feita por Allan Percy, autor da compilação. Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em 1844, na cidade alemã de Röcken. Escreveu centenas textos críticos sobre religião, moral, cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia e aforismo. Seu legado filosófico até hoje não perdeu o poder de inspirar.

Woody Allen contra o novo macarthismo

Woody Allen contra o novo macarthismo

Multidões de linchadores nunca estão com a razão. Jamais. Em hipótese alguma. Isso é básico numa sociedade civilizada. Mas a mídia, que deveria interditar a barbárie, é a primeira a fazer festinha pra ela. E depois ninguém sabe porque revistas e jornais agonizam.

Com “Vai Malandra”, Anitta empodera tudo, menos o bom gosto

Com “Vai Malandra”, Anitta empodera tudo, menos o bom gosto

E eis que veio a lume “Vai Malandra”, mais uma mui engenhosa canção de Anitta. Repare o leitor, antes de tudo, que a ausência de vírgula entre o verbo “ir” e o vocativo “Malandra”, foi mantida por este que vos escreve com o fito de preservar a distintiva licença poética da autora. Pois bem, a canção veio acompanhada de um clipe que, sem nenhuma dúvida, é um monumento à pudicícia.

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

Umberto Eco (1932-2016) disse que as redes sociais possibilitaram o surgimento — e quiçá uma hegemonia — de uma “legião de imbecis”. Antes, concentrados em bares, tomando vinho ou cerveja, “falavam sem prejudicar a coletividade. Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

O cinismo tem sede de bala

O cinismo tem sede de bala

Um saco de cimento pode ferir e matar. O operário revoltado com o colega pode jogá-lo do andaime quando a vítima passar lá embaixo. Mas cimento foi feito para a construção. Uma pistola pode livrar um enforcado. O mocinho do filme de faroeste pode mirar na corda do condenado e salvá-lo da morte. Mas pistola foi feita para ferir e matar.

Philip Roth X Ian McEwan

Philip Roth X Ian McEwan

Não poucos estudiosos acreditam que a língua de Shakespeare produziu a maior das literaturas. Não vem ao caso discutir a procedência deste julgamento. Mas é certo que, indiscutivelmente, dois dos maiores escritores da atualidade, no mundo, são o inglês Ian McEwan e o norte-americano Philip Roth. Não terem ganhado o prêmio Nobel é apenas um detalhe que deporia contra o prestígio da academia. São dois magistrais romancistas, gênero por excelência de sua arte.

Espécie de Policarpo Quaresma da filosofia, o menino do Acre talvez seja uma das maiores empulhações da história do Brasil

Espécie de Policarpo Quaresma da filosofia, o menino do Acre talvez seja uma das maiores empulhações da história do Brasil

O “Menino do Acre” talvez fique na história como uma das grandes empulhações brasileiras e a mídia, certamente para obter audiência e acesso, se não está endossando diretamente, está sendo conivente com as trapalhadas e enganações do estudante de Psicologia Bruno Borges, de 25 anos. A Argentina tem Jorge Luis Borges. O Brasil contenta-se com Bruno Borges, o pós-adolescente fujão, que ficou desaparecido durante algum tempo, alegando que estava em busca do conhecimento.

Calles de papel e tinta: um passeio pelas livrarias de Buenos Aires

Calles de papel e tinta: um passeio pelas livrarias de Buenos Aires

As livrarias de Buenos Aires não precisam de alguém para contar suas histórias: elas precisam ser descobertas e, uma vez descobertas, falam por si mesmas. Uma das poucas cidades do mundo onde as livrarias são parte do apelo turístico, Buenos Aires chega à era digital sem sofrer, sequer remotamente, a ameaça de ter seus livros trocados por e-books. Pelo contrário: é crescente na cidade das livrarias um movimento de novos livreiros que se somam aos já tradicionais para que o império do papel prossiga ainda por muito tempo.