Crônicas

A noite em que todos souberam que vovô foi um pedófilo

A noite em que todos souberam que vovô foi um pedófilo

Tinha tudo para não ter nada de novo. Mas, tinha. Ou não. Era uma festa familiar como outra qualquer no pequeno e remoto condado de Melancolia. Contudo, o cristianismo e o álcool operam verdadeiros milagres. Alguém sempre acaba exagerando na fé e na bebida para ir tocando em frente, tocando na ferida, tocando no coração das pessoas da pior maneira possível.

A coisa mais importante do mundo não é o amor. É a água

A coisa mais importante do mundo não é o amor. É a água

Fizemos um ótimo trabalho destruindo o planeta. Hoje, a água pura é vendida no mercado negro a cinco chibatadas-na-cara por galão. Um escândalo. Reclamar com quem? Com o bispo? O bispo e seus asseclas foram presos pelas forças federais provisórias por terem forçado os paroquianos a doar o próprio sangue em prol das causas da igreja, uma vez que os estoques de água-benta também já se encontravam na guimba.

Amar é um mal necessário

Amar é um mal necessário

Eu sou um bicho. Eu sou apenas mais um, bicho. Um daqueles marmanjos que, lamentavelmente, incorre em erros infantis. Sou um animal em conflito com o excesso de racionalidade. Quisera gozar a vida em qualquer lugar para o qual o nariz apontasse. O que me mata é a expectativa. Odeio expectativas. Por isso, elas me perseguem.

Deus abençoe a treta

Deus abençoe a treta

Deus abençoe o Poder Executivo, o Poder Legislativo, o Poder Judiciário, o poder do quadril claudicante da amante perdulária que joga balangandãs de um lado para o outro. Deus abençoe a outra para que ela se mantenha para sempre limpa, cheirosa, discreta e fiel às infidelidades mais primárias, como pagar boquetes com verbas suplementares de gabinete.

Era uma vez o amor

Era uma vez o amor

Era uma vez o amor, de norte a sul, de leste a oeste. Fosse num reino distante, fosse na tabacaria do outro lado da rua, de que falou Fernando Pessoa, um sentimento indomável danou a juntar pessoas em casais, duplas, triângulos amorosos e outros arranjos geométricos difíceis de se explicar e, muitas vezes, confidenciais.

A vida toda é saudade. Um filme sem direito a replay

A vida toda é saudade. Um filme sem direito a replay

Eu tentei estacionar minutos por tantas vezes. E segui batendo com a cara no muro. A vida insistia em tirar onda com minha pretensão infantil de querer romper com a rota natural das coisas. Sempre que tentava burlar o inevitável fluxo que nos obriga a olhar para frente, a realidade se apresentava como uma avalanche impiedosa, mas necessária. De um lado eu batalhava para eternizar felicidade em porta-retratos estáticos, de outro o mundo era filme sem direito a replay.