Crônicas

O livro que salvou minha vida

O livro que salvou minha vida

Ao voltar os olhos ao passado, vejo que, apesar de ter nascido num ambiente ágrafo e de pais analfabetos, desde muito cedo algum texto escrito, ou salvou minha vida, ou me deu esperança e entusiasmo, permitindo-me vislumbrar algum caminho. Vislumbrar caminhos, não de encruzilhada, mas de escuridão, pela falta de opções.

A cidade não está vazia, existe, sim, amor em São Paulo

A cidade não está vazia, existe, sim, amor em São Paulo

Somos feitos de antagonismo. Somos uma parte que cede, outra que resiste, uma parte egocêntrica, outra solidária. Uma que esnoba as diferenças sociais, outra que se compadece das injustiças. Somos feitos de um material antagônico que diz e se contradiz. Somos tecidos por forças conflitantes, mas que impulsionam a vida porque fazem movimento.

A personalidade das palavras

A personalidade das palavras

Palavras têm personalidade, são voluntariosas, não se engane. Emprestam-nos seus corpos, mas os tomam quando querem. É preciso respeitá-las, e amá-las, e conhecê-las. São donzelas e senhoras que nos concedem danças honrosas e melífluas, mas, se irritadas, nos ferem o âmago com retumbantes faniquitos.

As pestes têm predileção pelos energúmenos

As pestes têm predileção pelos energúmenos

São tempos impensáveis até mesmo para um Gabriel García Márquez. Embora seja uma peste inédita, parece claro à comunidade científica que a taxa de letalidade da doença, que consiste no poder de fogo do micróbio para dizimar vidas, é insignificante. Logo, não cessa de crescer o contingente de convalescentes insanos e salvos.

Entre togas e regatas: melhor que apontar o dedo é encontrar o próprio equilíbrio

Entre togas e regatas: melhor que apontar o dedo é encontrar o próprio equilíbrio

Essa coisa difícil de definir — a liturgia — é algo a que nos afeiçoamos desde cedo: papai e mamãe são chamados assim para manter a ordem da hierarquia familiar; do contrário seriam João e Maria. Levantar, arrumar a cama, lavar o rosto, escovar os dentes e trocar de roupa: só depois o café da manhã. Há todo um ritual a ser seguido mesmo nas pequenas coisas.

Adolf Hitler e a pandemia

Adolf Hitler e a pandemia

Adolf Hitler fora cabo e mensageiro do 16º regimento de infantaria da Baviera. Seu histórico físico não o deixava sucumbir a qualquer pequena moléstia; em sua visão, seria apenas uma diminuta doença com grupo de risco específico e restrito — um resfriado que apenas eliminaria os fracos.

Sexo na quarentena: a vizinha do 69

Sexo na quarentena: a vizinha do 69

Passava o tempo lendo Bukowski, embriagando-me com Cuspe Sour. A inspiração para escrever tinha minguado. O ócio me amassava. Estava torrando as últimas economias de forma perdulária, contratando os préstimos de uma dona estonteante que cobrava cinco pilas por minuto para fazer sexo virtual com os clientes. Escutei barulho de chave rodando dentro da fechadura.

Das trincheiras da dor, brotou uma flor

Das trincheiras da dor, brotou uma flor

São tempos difíceis. Medo e morte estão impregnados no ar e, como se não bastasse, são contagiosos. O mundo padece de sua busca desenfreada pela própria aniquilação, já que as promessas ilusórias de sobrevivência rapidamente se traduziram em desigualdades, opressões, violência, destruição.

Sexo na quarentena

Sexo na quarentena

As crianças nunca dormem, têm uma energia irritante. “Eu chego a achar Herodes natural.” Nunca pensei que fosse ler poesia novamente, ainda mais, Vinicius de Moraes. Olho para baixo e enxergo toquinho, o meu velho e surrado camarada. Se o isolamento domiciliar obrigatório não terminar logo, é bem provável que precisarei de uma lupa e de uma pinça de sobrancelhas para urinar.