Crônicas

Temos vagas para perdedores

Temos vagas para perdedores

Temos vagas para perdedores. Não é preciso experiência. Temos vagas para os que vagueiam de queixo erguido, a se fingirem de empedernidos feito as pedras do caminho. Temos vagas para os homens feitos que se aninham fragilizados nos braços magros do esquecimento. Para os que se aquecem com a saliva de um romance. Para os que se perdem em constelações distantes, para além das estrelas fugidias. Para as vadias que, seja noite, seja dia, tremulam as carnes quentes sobre cadeiras frias, em candentes sintomas de abstinência de mais querer o amar.

Loucura nossa de cada dia

Loucura nossa de cada dia

Imaginemos a vida como um ser único e universal e que faz uso de todas as unidades biológicas para manter-se a si mesma. A vida que me anima, que move uma ameba, que sustenta um vegetal seria a mesma. Cada ser, cada unidade metabólica é apenas o receptáculo da energia da vida. Assim, todos os movimentos dos seres vivos seriam no sentido de manter viva a chama da vida.

Demolindo alguns mitos sobre eleições e democracia

Demolindo alguns mitos sobre eleições e democracia

A eleição de 2022 tá em clima de arquibancada de Fla-Flu: dividida e cheia de gente irritada. Em um clima assim as pessoas acreditam em boatos e mitos. Que tal esclarecer algumas coisinhas? Todo mundo adora falar em eleição e democracia, mas não sabe muito bem como funcionam. Não se preocupe, não vou escrever um manual. Ninguém lê manual. Não existe manual para eleição e democracia.

Vadias melhores virão

Vadias melhores virão

Levantei os olhos, esperançoso como um meteoro viajando a caminho da Terra, e fui pego de surpresa quando uma mulher preta, esguia, monumental, com curvas generosas, carregada com um enorme píton amarelo sobre os ombros, subiu numa das mesas derrubando garrafas, cinzeiros e pílulas azuis, a dez palmos de distância da minha fuça.

Escritor gosta é de apanhar

Escritor gosta é de apanhar

Quem ficou surpreso ao saber do barraco entre Gabriel García Márquez e Mario Vargas Llosa, acontecido em 76 (donde deduzimos que a Literatura Moderna não consiste apenas num soco no estômago do leitor: às vezes vale murro em olho de autor), é porque nunca soube de outros casos, tão mais apetitosos quanto abafados, também envolvendo literatos — e que chegam agora até você, com exclusividade.