Autor: Eberth Vêncio

Favor, não mergulhar no esgoto

Favor, não mergulhar no esgoto

Chegou a hora dos bilionários garantirem lugar no céu. Proponho que desapeguem, que retirem os escorpiões dos bolsos e façam doações vultosas ao governo. Se não o fizerem por livre e espontânea vontade, que o fisco, com a permissão do Congresso Nacional, lhes arranque o couro taxando fortemente as fortunas.

Não temos tempo de temer a morte, mas, por ora, vamos respeitá-la

Não temos tempo de temer a morte, mas, por ora, vamos respeitá-la

Exercitem os neurônios. Tirem os sapatos. Sentem no assoalho. Pratiquem jardinagem. Falem com as plantas. Desliguem um pouco a droga do telefone celular. Vejam sob uma nova ótica. Encantem-se com os filhos brincando pela casa, se tiverem filhos, se tiverem casas. Eles estão crescendo rápido demais e, vai chegar o dia em que vão dar o fora. Normal. Nada de novo no front. A vida é assim mesmo.

Enfrentando as pragas com dignidade

Enfrentando as pragas com dignidade

Vivemos a era da comunicação instantânea, da liberdade de expressão, da apologia à estupidez e do culto às opiniões de mau gosto vociferadas com orgulho inconteste por indivíduos que se julgam a última Coca-Cola gelada do deserto. De certo, há sede de notoriedade no terreno fértil da ignorância.

Mulher sofre

Mulher sofre

Fé, menina. Deus é um poeta. Fez a mulher a partir da costela do homem. O melhor que Ele fazia, em sentido figurado, era deixar transfigurado o tórax masculino. Fica sempre faltando um pedaço. Adultos e meninos devem a sua existência ao domicílio uterino, a despeito da impensável claustrofobia de boiar durante meses dentro de um bolsão líquido nas entranhas maternas.

Secreções, excreções e desatinos de um herói sem nenhum caráter

Secreções, excreções e desatinos de um herói sem nenhum caráter

Era agosto, mês de cachorro doido. A estrangeira Lucia McCartney lia Poemas Escolhidos, de Ferreira Gullar. Era uma mulher apaixonada pela literatura. Formava uma amálgama perfeita com os seus livros. Sentia-se mais feliz na varanda, lendo histórias curtas, histórias de amor, contos de terror e de morte, do que na cozinha, esquentando o ventre no fogão e esfriando-o no tanque.

Os 10 melhores filmes de guerra da história do cinema

Os 10 melhores filmes de guerra da história do cinema

Após votação que envolveu centenas de leitores da Revista Bula, foram elencados os dez melhores filmes de guerra da história do cinema. Eles estão listados em ordem aleatória. Como sempre acontece com qualquer lista, a polêmica estará garantida. Nada, contudo, que nos fará guerrear em defesa das preferências individuais. Viva a paz entre os homens.

Um mundo triste como sempre, só que mais simples

Um mundo triste como sempre, só que mais simples

Os joelhos ralados eram curados com um tipo de Mertiolate que arde até hoje. Piolhos eram implacavelmente exterminados, à moda antiga, um a um, à unha e vinagre. Disseminava-se um alerta geral contra tarados e ciganos que roubavam crianças. Ninguém morava em prédios. Brincava-se na rua, na chuva e nunca se teve notícia de alguém que morresse de tosse ou de raio. Toda casa tinha um pomar. Todo pomar tinha crianças.

Os fascistas morrem pela boca

Os fascistas morrem pela boca

Nunca as causas ideológicas foram tão mal interpretadas e mal defendidas quanto nas redes sociais da internet. Deselegância. Agressividade. Impaciência. Falta de empatia. Propagação de notícias falsas. Pode ser que coisas assim expliquem, em certo grau, os meus ímpetos desgraçados, antissociais, de preferir o isolamento, de evitar agrupamentos de pessoas, em especial, aquelas que desenvolveram talento para serem desagradáveis.

Os 10 maiores letristas da MPB em todos os tempos

Tenho a péssima sensação de que vivemos uma entressafra criativa, um estio longevo que resulta em mediocridade. Não sei aonde a MPB vai dar. É óbvio que existem exceções. Nem tudo está fodido. Dá para contar nos dedos de uma mão uma meia dúzia de gatos pingados compondo com muito esmero e qualidade.