Quem foi que disse que o silêncio não mata

Quem foi que disse que o silêncio não mata

Já parou pra ouvir? Volta e meia, o silêncio tenta nos dizer tantas coisas, sussurrar segredos lá dentro dos nossos ouvidos, mas estamos ocupados demais para prestar atenção. Ou então tagarelando, jogando conversa fora, linguarudos toda a vida. Só um zíper pra fechar nossa boca maldita. Que, aliás, nem sempre funciona. Há silêncios de todos os jeitos, tonalidades, inflexões, cores e propósitos. Silêncios poéticos. Teatrais. Os discretos discursos da alma.

É proibido ser feliz sozinho

É proibido ser feliz sozinho

Aviso: é proibido fazer trocadilhos nesta área. Mais que impossível, é proibido ser feliz sozinho. É proibido sentir ódio de frente ao mar. Já melancolia, paixão e saudade: pode. A regra é clara: é proibido aos goleiros ateus operarem milagres. É proibida a criação de novas duplas sertanejas em cativeiro. É proibido abortar um poema em germinação. Já chega de tanta prosa e literatura de autoajuda. É proibido calar-se frente a tanta iniquidade.

Seis filmes do lendário cineasta Georges Méliès para download ou visualização on-line

Seis filmes do lendário cineasta Georges Méliès para download ou visualização on-line

Internet Archive, organização sem fins comerciais dedicada a manter um arquivo de recursos multimídia na internet, disponibilizou seis filmes do lendário Georges Méliès para download ou visualização on-line. Georges Méliès, que construiu o primeiro estúdio cinematográfico da Europa e realizou mais de 550 filmes entre 1896 e 1913, é um dos precursores do cinema e considerado o pai dos efeitos especiais. Foi o primeiro cineasta a usar desenhos de produção e storyboards para projetar suas cenas.

Três vezes Woody

Três vezes Woody

Nos últimos dias fui perseguido por fantasmas dos filmes de Woody por três vezes. Na primeira delas, eu praticava meu atual esporte predileto — criticar a imprensa — num restaurante em Brasília. Éramos dois médicos e uma psicóloga “contra” um jornalista, professor da PUC Campinas. O placar estava folgado a nosso favor, quando ele, acuado, sacou da cartola, Marshall MacLuhan. Na hora me lembrei da maravilhosa cena do excepcional Annie Hall, em que um cidadão emite suas opiniões sobre Fellini em voz alta na fila do cinema. Alvy Singer (Woody) se irrita e reclama, daí o sujeito saca Marshall MacLuhan.

A fofoca é tão gostosa quanto o espirro

A fofoca é tão gostosa quanto o espirro

Vai dizer que não. Fofoca é mania de gente miúda, comezinha, medíocre. Cabeças vazias de pensamentos e ideias. Comportamentos lobotomizados. Fala automática, robotizada. Olhar fosco de tamanha ausência de vida e assuntos. Quer mais definições? A fofoca tem olhos compridos, dentes nos olhos, ainda por cima. Olhares oblíquos e dissimulados. E os sorrisos decorrentes dela? Transversos, tortos, maledicentes. Gotas de azinhavre escorrendo da comissura labial direita. O disse-me-disse deriva da inveja.