Eberth Vêncio

Os 10 vilões do cinema que seriam fichinhas  perto dos criminosos da vida real

Os 10 vilões do cinema que seriam fichinhas perto dos criminosos da vida real

Enquanto aguardo a luz verde do semáforo, um motoqueiro avança com uma das pernas esticada, chuta o espelho retrovisor do meu carro, e foge. Aproveitei a pausa forçosa para listar nas costas de um bilhete de multa de trânsito o ranking dos 10 mais ardilosos vilões do cinema em todos os tempos, criaturas fictícias odiosas, assustadoras, abjetas, as quais seriam fichinhas, principiantes, amadoras, se comparadas à leva de celerados que infectam por aqui.

Eu não mereço ser encoxado

Eu não mereço ser encoxado

Quando me dei conta, tinha um sujeito bufando atrás de mim, e não era um zagueiro de futebol fazendo uma marcação homem a homem, embora, admitamos, a vida é um jogo escroto. Aconteceu que eu viajava em pé dentro de um metrô lotado quando, sem que eu percebesse — juro por Deus, prezados ateus! — um camarada esfregou-se pra valer na minha mochila de couro de ornitorrinco (suponho que, na confusão do aperto, o folgado supusesse que a tal mochila não era uma mochila, se é que me entendem) ao ponto dele ouvir os sininhos dobrarem e quase acender um cigarro dentro daquele compartimento infernal hermeticamente fechado, o qual os gestores públicos chamam, cinicamente, “meios de transporte em massa”.

As cinco maiores balelas que são ditas ao pé da cova

As cinco maiores balelas que são ditas ao pé da cova

Eis o Top Five das balelas que são ditas ao pé da cova, enquanto os canalhas descem ao forno da mansão dos mortos, para ocuparem canaletas justas obviamente preparadas para que de lá jamais escapem, ainda que alguém por eles clame, discurse e chore. Nesses casos — creiam — as lágrimas e as palavras não valem o defunto.

O amor quando acontece, a gente esquece logo que sofreu um dia

O amor quando acontece, a gente esquece logo que sofreu um dia

Tirou a bala da coxa dela e sentiu que aquele estremecimento interior devia, sim, ser o tal amor à primeira vista. Pensem numa mulher bonita. Imaginem agora que ela flutue, que possua um par de pernas tão gigantescas e acolhedoras que façam com que qualquer sujeito se sinta na obrigação de derrubá-las, como se fosse um avião penetrando nas Torres Gêmeas. Ah… Certa vez, namorei uma trinca de gêmeas siamesas que miavam no quintal dos meus delírios como gatas embriagadas de amor. Uma gozava em falsete, outra fazia a segunda voz, e a terceira não dava um só piu, um ui que fosse: odiava-me.

10 canções fundamentais do rock brasileiro nos últimos 50 anos

10 canções fundamentais do rock brasileiro nos últimos 50 anos

Uma lista com as dez melhores canções de rock brasileiro em todos os tempos, só os clássicos, uma espécie de repertório fundamental “Para gostar de rock”, indispensável aos neófitos em música, uma trilha sonora redentora para ser ensinada às crianças, em escolas de Ensino Básico e Fundamental, ao invés simplesmente enfileirá-las numa esteira até caírem num gigantesco moedor de carnes, conforme denunciado pelo Pink Floyd no filme “The Wall”.

Happy-hour para estupradores, cucarachas e afins

Happy-hour para estupradores, cucarachas e afins

O estupro foi tenso, mas, divertido. A primeira coisa que fizeram ao chegar àquele boteco copo-sujo foi esparramar sobre a mesa ensebada a féria do dia e pedir que o proprietário da espelunca — um conhecido, reconhecido e admirado traficante da comunidade do Caixote Quebrado — descesse rapidinho uma cerva estupidamente gelada, a fim de comemorarem o sucesso do ataque. Era meio que uma confraternização pela meta atingida, ferramenta de gestão muito utilizada pelos gestores de pequenas e médias empresas, vocês sabem, apesar da informalidade daquela corja.

Cada escritor tem os leitores que merece

Cada escritor tem os leitores que merece

Envelhecer é uma merda, sim, eu sei, é verdade. Mas, com o passar dos anos e algum grau de esforço observatório (tá bom: pensar cansa muito, é difícil, vá lá…), é possível chegar a algumas conclusões quanto à vida, às pessoas, especialmente à conjuntura amalucada do habitat em que se (sobre)vive. Com a velheira em andamento, eu descobri por exemplo que a maioria das gentes gosta dos feriados; de acordar tarde; do bife bem passado; do ovo com a gema mole; de apalpar nádegas durinhas; do coito sem camisinha; de chupar balinha; de reclamar do governo; de reclamar da sogra.