Arrancando o véu ao politicamente correto e moralmente safado

Arrancando o véu ao politicamente correto e moralmente safado

Os olhos da alma que se debruçam sobre o horror como que se emudecem — molhados e tristonhos, quando cedem à tentação de espiar o cortejo dos crimes como espetáculo, divulgados na web. Decrescemos em humanidade quando soçobramos, cedendo à tentação midiática, e damos uma espiadela nos porões do espetáculo de horror em que se tornou nossa política internacional, de guerra a guerra, passando do hediondo à catástrofe em dois quadros rápidos do noticiário na TV.

Saudade é a sensação de que o mundo acabou e você continua vivo

Saudade é a sensação de que o mundo acabou e você continua vivo

E depois, o que fica? Depois das férias que te livrou da rotina extenuante, da insônia companheira, do cansaço incessante. Depois das madrugadas em festa e das gargalhadas que viram o dia amanhecer no chão da varanda. Depois da coragem ébria e seus planos mirabolantes e audaciosos. Depois do romantismo, do cavalheirismo, das cenas cinematográficas de beijos na chuva e brigas que terminaram em juras de amor eterno. Depois de décadas de amizade e cumplicidade que se perderam no tempo. Resta apenas a saudade.

Por que estamos colorindo livros?

Por que estamos colorindo livros?

Basta procurar “Jardim Secreto” no Instagram para compreender o fenômeno: mais de 50 mil publicações de fotos de livros para colorir em andamento ou concluídos. Para um desavisado pode parecer que o Instagram foi tomado por crianças ou que, por um milagre, instaurou-se um grande movimento artístico. A segunda afirmação parece ser a mais apropriada.

O amor não é prisão. Liberte-se!

O amor não é prisão. Liberte-se!

“O que você faria se tivesse poucos meses de vida?” Um livro me surpreendeu com esta pergunta e me deixou inquieta. Na rotina diária de acordar, trabalhar e cumprir nosso papel social, mal paramos para pensar nessa questão. A não ser que descubramos uma doença fatal, não pensamos no dia em que morreremos. Afinal, estamos vivos. Mas aí vem alguém e lhe joga esta pergunta, assim, do nada… O que você faria se soubesse que em breve morreria?

O único lugar onde se concorda com tudo é o lugar-comum. Discorde!

O único lugar onde se concorda com tudo é o lugar-comum. Discorde!

Não, você não precisa concordar com tudo o tempo todo só para não se indispor com seja lá quem for. Também não precisa gostar do que todo mundo gosta só para não estar só. Nada disso. Entre outras coisas, liberdade serve para isso mesmo. Para discordarmos de quem quisermos, quando desejarmos. Discordemos, pois! Tem gente por aí tentando provar o contrário, mas você e eu ainda somos livres para ter opinião.

A tristeza dói. Ser feliz dói mais ainda

A tristeza dói. Ser feliz dói mais ainda

Viver dói. E não estamos pensando somente nas dores de dente e nem nas cólicas renais que nos desafiam a sorrir. Muito menos na artrose que nos retardam a caminhada. É que sabemos o que está escondido atrás das fotos sorridentes nas redes sociais, das dificuldades de lidar com sonhos frustrados e do silêncio pesado de uma noite mal dormida. Sim, é isso que dói.