Autor: Ademir Luiz

15 livros para ler com uma mão só

15 livros para ler com uma mão só

Os leitores Nutella desse mundo tomado por obras insossos como “50 Tons de Cinza”, “Codinome Lady V”, “Deep” ou “O Executivo Tatuado” são pudicos que pensam ser libertinos. Como diria o grande mestre Cumpadi Washington: “sabem de nada, inocentes”. Na verdade, a literatura erótica possui uma tradição secular, até milenar. Inclui verdadeiras obras-primas estéticas, algumas caminham no limite tênue entre o grotesco e o sublime.

Se Olavo de Carvalho está certo, Mano Brown também está

Se Olavo de Carvalho está certo, Mano Brown também está

Olavo de Carvalho deu um nó tático em seus adversários. Mesmo vivendo fora do país, soube ler o Brasil enquanto todos estavam ocupados em defender seus políticos de estimação. Foi tratado como piada pela elite intelectual brasileira durante décadas. Os mesmos que agora estão desesperados diante do crescimento de sua influência.

Paulo Coelho, um professor na escola de Harry Potter

Paulo Coelho, um professor na escola de Harry Potter

Se antes ser pego lendo Paulo Coelho pegava mal, agora é cult. Curiosamente, os novos admiradores de Paulo Coelho adotaram o mesmo discurso de defesa que o próprio Mago apresenta desde a década de 1980: quem não gosta de seus livros é pedante e tem inveja de seu sucesso internacional, despeito por ele ser lido e festejado por intelectuais como Madonna e Bill Clinton. Simples assim. Não concebem que um crítico possa desaprovar os livros por motivos meramente técnicos e estéticos.

A história por trás do melhor filme de todos os tempos

A história por trás do melhor filme de todos os tempos

“O Nascimento de Uma Nação” já foi o melhor filme de todos os tempos. “O Encouraçado Potemkin” e “As Vinhas da Ira” também tiveram a honra. Desde 1971, com a eleição internacional realizada pela revista inglesa “Sight And Sound”, a coroa pertence a “Cidadão Kane”. Quase não há vozes dissonantes. Em todo caso, concordar ou não com esse diagnóstico não é relevante, diante da constatação inequívoca da grandeza do filme.

Manual de sobrevivência do Poderoso Chefão para a política brasileira

Manual de sobrevivência do Poderoso Chefão para a política brasileira

A trilogia “O Poderoso Chefão” é uma espécie de cabala pop pós-moderna, com Marlon Brando e Al Pacino no lugar da Madonna. Basta saber perguntar e, mais importante, saber absorver as respostas nas linhas e entrelinhas dos diálogos trocados entre os membros da família Corleone, seus agregados, aliados, amigos e inimigos. Tal fonte de sabedoria universal pode ajudar a compreender o conturbado atual cenário político brasileiro.

Chico Buarque, todo mundo era seu fã. O crepúsculo do Zeus Brasileiro

Chico Buarque, todo mundo era seu fã. O crepúsculo do Zeus Brasileiro

Toda nudez será castigada, assim como toda burrice, e o rei está nu. Ultimamente Chico Buarque tem sido alvo de uma verdadeira legião de zumbis raivosos acusando-o de toda sorte de coisas. Praticamente acabou a idolatria sem reservas do Zeus brasileiro. O calcanhar de Aquiles tornou-se evidente; tem nome, sobrenome e apelido agregado ao nome: Luiz Inácio Lula da Silva.

A era dos intelectuais Nutella

A era dos intelectuais Nutella

Os mais críticos podem afirmar que eles confirmam a “Teoria do Medalhão” daquele famoso conto do Machado de Assis, que representam o fascínio brasileiro pelo bacharelismo denunciado por Sérgio Buarque de Holanda ou que são meros autores de autoajuda. Injustiça! Talvez os epítetos mais corretos fossem “divulgadores científicos” ou “vulgarizadores do conhecimento erudito”. Não são Paulos Coelhos com diploma, embora suas obras mais populares não ajudem a dissipar tal impressão.