Procura-se alma séria para relacionamento divertido

Procura-se alma séria para relacionamento divertido

“Em um relacionamento sério.” Nada contra. Fico alegre por quem assim esteja. Faço votos de felicidade ao casal e, confesso, tenho até uma certa inveja de quem se encontra e se ajeita a ponto de querer contar ao mundo que vive um caso amoroso e que ele é sério. Não é despeito, não. Juro. Eu admiro e respeito a seriedade do amor de cada um. Mas acho que quem se ajeita “em um relacionamento sério” anda menos para o calor dos romances que para a frieza dos tratos comerciais, a obrigação dos contratos de compra e venda, a burocracia das operações bancárias e a apatia dos casais ranzinzas, circunspectos, fechados para as brincadeiras de um amor sadio em sua graça e sua leveza.

Saiu pra fazer um aborto e nunca mais voltou

Saiu pra fazer um aborto e nunca mais voltou

Era viciado em tabaco. Saiu pra comprar cigarros, mas voltou em tempo de acompanhar o batizado da neta. Achava o fim da picada aquilo tudo, do Congresso Nacional ter proibido as pessoas de fumarem em recintos públicos como aquela igreja, e de judiarem da pobre bebezinha ao imergirem-na numa bacia cheia de vinho, que o padreco com gel nos cabelos insistia era o sangue do cordeiro. O caldo vermelho e rutilante escorrendo na pele alva da menina deu nele uma vontade danada de sorver uma bela taça de Cabernet Sauvignon resfriado.

Se não for verdadeiro, não dura

Se não for verdadeiro, não dura

Soube que você anda por aí perguntando por mim… Me disseram que te planto questões, e que meu jeito de falar de amor e clamar amor te parece um tanto exagerado. Não é exagero não. Minhas hipérboles sentimentaloides podem até parecer dramáticas, vá lá, mas são verdadeiras. E verdade é uma coisa que levo comigo por onde eu vou. Sempre tenho na mala.

Todos somos vítimas do massacre no Charlie Hebdo

Todos somos vítimas do massacre no Charlie Hebdo

Estamos todos juntos. Profundamente ligados. A despeito daquilo em que nestas horas acreditam os assassinos e os canalhas, os indiferentes e os superficiais, os cegos voluntários e os simplesmente estúpidos, somos todos uma coisa só. E esta coisa tem sofrido faz tempo, padecido como agora, no choque de uma covardia impensável, na violência medonha de um novo ataque burro e cruel.

Gente vazia só enche o saco

Gente vazia só enche o saco

Tem palavra que é como cachorro de rua: vem com pulgas. Hoje apareceu uma por aqui abanando o rabo, a língua de fora, o olhar pedinte, e eu deixei entrar. Na verdade é uma expressão japonesa, dessas com significado grandioso, definitivo. “Ikigai”. Alguma coisa como ‘a razão de ser’ de cada um, motivo pelo qual você e eu nos levantamos todos os dias. Boa frase. Esses japoneses têm cada uma!

A mulher que queria conquistar o mundo

A mulher que queria conquistar o mundo

A primeira vez que a viu foi num show do Paulinho Pedra Azul. Violão, voz e carpete azul. E quem perdeu a fala foi ele, ao se deparar com um par de pernas leitosas a lhe apontarem e que — de tão alvas — deixavam a lua absolutamente constrangida. Aquele inusitado arsenal de armas brancas o coagia: “Respira fundo e pula comigo!”. A música, a pele, o mistério, aquele incontestável cheiro de futilidade contaminada com fertilidade, tudo era mais que um convite para que saltasse no seu decote. Então, ele mergulhou fundo nela, mas o romance não deu pé. Tanto assim que quase morreu afogado de tanto blues e Bloody Mary.