Autor: Eberth Vêncio

A pobreza de espírito mata mais do que a pobreza material

A pobreza de espírito mata mais do que a pobreza material

Quando a porcaria da TV começou a chuviscar a imagem, a vizinhança finalmente se tocou que havia alguma coisa muito errada na Travessa dos Incautos, ali na altura da Baixa da Égua. Urubus atazanavam, pousavam robustos sobre as antenas nos telhados. A fedentina passou a ser percebida também pelo olfato humano. Muita gente pensava que o fedor provinha do ribeirão de cocô que cortava o bairro.

O meu tipo de mulher lava, passa e sonha em dar o fora

O meu tipo de mulher lava, passa e sonha em dar o fora

O meu tipo de mulher faz supermercado, passeata, aborto clandestino e morre de septicemia. Para piorar as coisas, na opinião dos especialistas em excomungados, vai parar direto no inferno. Tenho uma linha direta com Deus, acredite. Ele me disse que a vida é que é um inferno; os homens, uma legião de demônios.

Teu corpo será o meu altar

Teu corpo será o meu altar

Adorar-te-ei até o fim dos meus dias. É sob segredo que te venero. És jovial e bela como uma festa primaveril. És suave como uma gota de orvalho sobre a tez da pétala branca. Em boa hora, espocam os fogos na baía. O povo bebe e se diverte. Aqui, na silente alcova de uma funerária, amo-te com fervor indescritível. Meu corpo em brasa, literalmente, derrete-se sobre o teu.

Deus te ama, mas não é burro

Deus te ama, mas não é burro

Não confies em tudo o que lês. Cega as asneiras, pois, elas são várias. Amar varia; odiar, idem. Resta atento, pois, os ineptos bradam com uma confiança acima da média. Não confies em pessoas que nunca dançam. Elas podem te fazer dançar, no pior sentido. Sufoca os gemidos. Dança. Rebola. Chacoalha o quadril como se ele fosse de mola.

A morte pede carona. O amor vai a pé

A morte pede carona. O amor vai a pé

Não sou de me queixar às pessoas. O que não tem remédio remediado está. Nem sei se quero justiça. Justo seria que minha memória se apagasse. Lei nenhuma fará com que tu entres novamente por aquela porta sorrindo com o corpo inteiro, esbanjando jovialidade, rivalizando os seus 22 anos com a luz milenar do sol. A escuridão me abarca.

Coisas incríveis que dá pra fazer se você tiver uma arma de fogo

Coisas incríveis que dá pra fazer se você tiver uma arma de fogo

Uma arma para cada cidadão de bem. Nada mal. A morte é laica. É justo que as pessoas se municiem para a legítima defesa da honra, da família e dos patrimônios materiais. Meter bala em qualquer coisa que respire, pese mais de 15 quilos e salte o muro de casa. Ensinar as crianças a odiarem um ser humano em 10 lições. Armar confusão com o vizinho. Fazer uma guerra. Defender o território.

A incrível entrevista de Bono, da banda U2, à Revista Bula

A incrível entrevista de Bono, da banda U2, à Revista Bula

Eu caminhava ansioso pela pista do Estádio Morumbi, tomando sereno na calva e aquelas gotinhas homeopáticas para expandir os pulmões, enquanto Noel Gallagher, ex-integrante do Oasis, juntamente com seus High Flying Birds, surravam o pau, ou melhor, os instrumentos, aquecendo a plateia que já lotava o estádio. Sei que vocês não vão acreditar, mas, mesmo assim, vou lhes contar como cruzei com o líder e vocalista do U2.