Autor: Eberth Vêncio

Queimando por dentro como a Catedral de Notre-Dame

Queimando por dentro como a Catedral de Notre-Dame

Desde que a família sumiu do mapa de uma forma tão estúpida e impensável, Sue Mae decidiu lidar com a dor e o sofrimento alheios para driblar a própria miséria. A filantropia fazia bem à sua pele. Morreu por volta dos setenta. Era uma de minhas leitoras mais assíduas e cuidadosas, uma pessoa que verdadeiramente se interessou pelo que eu tinha a dizer nos meus textos, a ponto de ter a delicadeza de opinar a respeito do conteúdo, quase sempre discordando de tudo.

O evangelho segundo a primeira garota que está sentada ali na fila

O evangelho segundo a primeira garota que está sentada ali na fila

A semana é santa, ninguém é santo e quem anda à flor da pele é o danado-do-capeta. Recos do exército brasileiro fuzilaram com 80 tiros um brasileiro-de-cor que trafegava com a família pela Rua da Amargura, no Rio, um trajeto que ele conhecia de cor e salteado. O capô ficou todo perfurado. Abilolados, os caras da polícia técnico-científica xingavam a todo instante sempre que perdiam a conta dos buracos na lataria.

Não saque a arma, benzinho. Eu te amo

Não saque a arma, benzinho. Eu te amo

Espera um pouco aí. Eu te amo. Esqueça tudo o que eu te disse. Você tem razão. Aonde é que eu estou com a cabeça? Eu te amo muito, muito, muito. Sempre te amei. Você é o grande amor da minha vida. Por favor, não atire. — Tarde demais pra chorar, gracinha. — Não faça isso comigo. Eu peço perdão. Para. — Feche os olhos, faça um pedido e conte até três.

Como vencer na vida com um braço só e os pés nas costas

Como vencer na vida com um braço só e os pés nas costas

Na mosca. Foi numa tarde lenta e chuvosa que ele morreu devagarinho, segurando pela mão a sua Rosinha, apagando, desligando, desacelerando, esfriando sem desespero e panaceia o corpo judiado pelas agruras do tempo, como se fosse ele próprio uma fumegante porção de doce de leite mineiro saído diretamente da panela de ferro.

O primeiro tiro a gente nunca esquece

O primeiro tiro a gente nunca esquece

Assim vivemos. Sobrevivemos nos dias bicudos de um mundo carniça. Gente sofrendo perrengues em longas filas de espera. A grana curta. Um maldito oficial de justiça que está apenas cumprindo o seu papel e nos bate à porta. Homens que batem em mulheres. A saudade de pais que já não podem ser abraçados.

A dor é uma visita que não vai embora

A dor é uma visita que não vai embora

Pimba na gorduchinha. Está valendo. Começa mais uma peleja entre Deus e o diabo. Que se percam os piores. Assim é a vida. O jogo é de portas fechadas ao público. Ninguém quer saber dos podres uns dos outros. Torcida desorganizada. Apenas os rostos amarelados pelo tempo sorriem da estante.