Nós e nossa grandiosa capacidade de supervalorizar ninharias

Nós e nossa grandiosa capacidade de supervalorizar ninharias

O universo que o perdoe, mas agora ele quer vingança. Desforra. Castigo. Retaliação. Isso não vai ficar assim. Mas não vai mesmo. Você não sabe com quem mexeu. Agora ele vai até o fim. Enquanto não varrer a sua raça do universo, ele não terá um só instante de descanso. Machucado no fundo da alma, ele sofre por não ter nascido de sangue frio e colhões em chamas. Tivesse o mínimo de coragem e um pouco mais de força, avançaria sozinho contra você, como um rinoceronte furioso, de sangue nos olhos e veneno nos chifres. E esfregaria no asfalto a sua cara lavada e sem vergonha.

Crises existenciais de origem duvidosa

Crises existenciais de origem duvidosa

Literatura, facebook, salão de beleza e mesa de bar não são divãs, eu sei, todo mundo já disse. Mas — ditas, escritas, pronunciadas com puro sentimento — as palavras jamais serão em vão, mesmo que elas, eventualmente, de tão ruins, se prestem a todo esquecimento. Ultimamente — peso da idade? — tenho enxergado a vida como se estivesse dentro de um tudo de ensaio (ela, a vida, no interior do observatório).

As cartas inéditas de Freud

As cartas inéditas de Freud

“De verdade, minha doce menina: cada linha de sua carta renova em mim o orgulho de ter conquistado você, de poder servir por você. E se existe algo que é capaz de romper este orgulho, isso é a consciência que existe em mim há tanto tempo — você sabe desde quando — de que eu nunca conseguiria perder você, e que é reforçada pela sua carta. Já fui tão rico que é difícil que venha a me tornar ainda mais rico, mas há coisas que eu nunca vou me cansar de ouvir de você.”

Heterossexuais e gays: livro revela quem pegava quem em Hollywood

Heterossexuais e gays: livro revela quem pegava quem em Hollywood

O livro “Servicio Completo — La Secreta Vida Sexual de las Estrellas de Hollywood” (Anagrama, 328 páginas, tradução de Jaime Zulaika), de Scotty Bowers e Lionel Friedberg, mereceu resenha (“Scotty Bowers, el Alcahuete de Hollywood”), assinada por Sergi Doria, e quatro estrelas do jornal espanhol “ABC”. Bowers, além de traçar homens e mulheres, com sua bissexualidade avassaladora, arranjava parceiros e parceiras para atores e diretores famosos de Hollywood. Em Hollywood, onde era frentista de um posto de gasolina, Bowers começou a encantar homens e mulheres.

Diz-me por onde olhas e te direi quem és

Diz-me por onde olhas e te direi quem és

Haverá olhos bonitos de olhar? A pergunta assoma neste instante. Donos de brilho repentino, luz clara, safra guardada na adega das recordações-de-todo-o-sempre. Normalmente nossa curiosidade visual fareja dissimulados esconderijos da rotina. Segredos trancafiados em gavetas do vizinho, que pretendemos expor a qualquer custo. Olhos esfaimados, dentados, vorazes e sanguinolentos, visando encontrar no ziguezague de filas intermináveis diante do filme de estreia, uma vaga esperta para se enfiar sem ser notado.

Dez culpas esfarrapadas

Dez culpas esfarrapadas

Ante a imensa ignorância vicejante na humanidade, esta se trata de uma das desculpas esfarrapadas mais utilizadas quando algo vai mal ou dá errado. É desculpa boa de se dizer quando resta quase nada a se dizer. Aceitar decessos e falências como situações plausíveis já seria o suficiente, mas… Não. Há sempre que se imputar a culpa a algo ou alguém: o mordomo, o gato preto, a casca de banana, a falta de palmadas nos filhos, a internet, as redes sociais, a preguiça do baiano, o médico cubano, a alergia à lactose.

As 10 fotografias mais felizes da história

As 10 fotografias mais felizes da história

As dez fotografias selecionadas, que contemplam períodos distintos, cobrindo um itinerário que vai de 1926 a 1999, se não são unanimidades no meio fotográfico (e possivelmente não serão entre os leitores), são referências explícitas de alguns dos momentos mais inspiradores da história — seja pelo lirismo nostálgico de uma guerra de travesseiros em um quarto de hotel, seja pela inocência latente de um garoto correndo pelas ruas de Paris. Seja pelo reencontro emocionado com o pai que voltava da guerra, seja pelo beijo apaixonado de um desconhecido.

Quando a máquina trava, a vida liberta

Quando a máquina trava, a vida liberta

Três e meia da manhã. Dezenove horas depois do início da lida diária, a pobre diaba mofando no trabalho insano, em alguma sala acesa de um prédio comercial obscuro, assiste estarrecida a uma tragédia: o maldito computador decidiu travar. Em sua insônia compulsória, a mulher sozinha e esgotada inveja a tela negra desabada em sono profundo. Queria dormir. Dormir até esquecer o próprio nome.

Felipe Neto responde ao Questionário Proust

Felipe Neto responde ao Questionário Proust

Na Inglaterra vitoriana o escritor Marcel Proust gostava de jogar uma brincadeira de salão chamada “Confissões”, na qual os participantes respondiam perguntas pessoais. Em sua homenagem, hoje o jogo ficou conhecido como “Questionário Proust”. Sempre em busca do tempo perdido, a Bula fez uma sabatina proustiana com o vlogueiro Felipe Neto. Quem é Felipe Neto? Para alguns é Felipe, o Belo, seguindo a tradição do rei francês que processou os templários (nosso Felipe é especialista em escapar de processos). Para outros, esse Neto é um filho da mãe. Para Bula é um intelectual influente, que merece respeito.

Ser a outra não é para qualquer uma

Ser a outra não é para qualquer uma

A outra costuma andar deslizando. Coleante e tortuosa como uma cobra. E chega com um breve silvo, se insinuando à meia luz na vida de um homem qualquer. Muitas vezes se veste de vermelho. Embora tenha veias hirtas, corre nelas um sangue quase espumoso, de um vermelho sacrílego, que trafega nos interstícios desse corpo. Ela até nos faz recordar daquele ditado sobre a inveja. Um prato que se come frio e que está sempre ali disposto à serventia.