15 pinturas que são diamantes para os olhos

15 pinturas que são diamantes para os olhos

Provavelmente: “faltou o quadro tal”. Ouvi coisa semelhante há quinze dias, quando a Revista Bula publicou a relação das dez obras de arte mais importantes da história. Agora abre espaço para as vinte pinturas mais “bonitas”, verdadeiros “diamantes para os olhos”. A diferença é de critério, porque a presente escolha é puramente emocional e não intelectual. Trata-se de gosto. Mas relacionei apenas pinturas consagradas, excluindo pintores brasileiros e evitando ao máximo as obviedades (ninguém mais aguenta ouvir falar de Mona Lisa, por exemplo). Além disso, tive a intenção de abranger diferentes estilos para que o leitor tenha uma noção evolutiva da arte.

Algumas pessoas nunca sentem tesão. Ahhh! Que vida medíocre elas devem levar

Algumas pessoas nunca sentem tesão. Ahhh! Que vida medíocre elas devem levar

Sem tesão, não dá! Se é pra fazer, façamos intensos, inteiros, ou é melhor deixar pra lá. Sentir tesão é arrepio, que não vem do frio, nem do medo, mas da capacidade de desconfiar que vida pode ser algo delicioso. Mas não. A gente às vezes prefere sentar confortável no sofá da rotina, esticando a mão a pegar na prateleira o controle do óbvio, a certeza, o planejamento da mesmice. Viver sem tesão é mesmicídio!

O amor romântico à luz da filosofia de Jean-Paul Sartre

O amor romântico à luz da filosofia de Jean-Paul Sartre

Segundo a abordagem de Jean-Paul Sartre, na relação amorosa o amante é pura fuga de si-mesmo em direção ao outro, no qual a liberdade daquele constitui-se como objeto para este. É, na verdade, uma recusa da pessoa que ama em reconhecer-se sujeito, alienando-se do seu papel enquanto indivíduo detentor de uma subjetividade. Em outras palavras, o ser-que-ama coloca-se para o outro como aquele que se compromete inteiramente e se experimenta como uma simples coisa a ser “possuída”, “apropriada” por uma transcendência absoluta que lhe fundamenta e lhe confere sentido.

Nunca estamos preparados para perder nossos pais

Nunca estamos preparados para perder nossos pais

Quem se torna pai ou mãe passa a admirar ainda mais os seus pais, pois descobre o amor incondicional que resiste como uma rocha aos tormentos da vida. Quando alguém sofre a dor de seu filho, entende o quanto os próprios pais foram corajosos e firmes para mantê-lo forte e confiante.

Apaixonar-se: a arte de entender tudo errado

Apaixonar-se: a arte de entender tudo errado

Começa assim: abrimos a porta de casa vagarosamente e avisamos que aqui dentro mora um coração que mais parece um cachorro ressabiado. Falamos das nossas vontades com todas as letras, explicamos o beabá do que queremos e do que não permitimos porta adentro, para que depois não haja mal entendido, para que na batalha do amor ninguém saia machucado. Mas não adianta. Todo confronto tem feridos, às vezes mortos.