Os 21 piores filmes brasileiros de todos os tempos

Os 21 piores filmes brasileiros de todos os tempos

A cinematografia brasileira é um oceano de filmes ruins. Para cada pérola como “Cidade de Deus” ou “Tropa de Elite” existem dezenas ou mesmo centenas de filmes absolutamente lamentáveis. Verdadeiras bombas produzidas com dinheiro público pela Embrafilme e via Lei Rouanet, ou ainda na Boca do Lixo, as pornochanchadas, na Vera Cruz, ou o atual amadorismo do formato digital.

Traficantes de letras usam drone para lançarem livros dentro de escola, mas alunos não entendem nada

Traficantes de letras usam drone para lançarem livros dentro de escola, mas alunos não entendem nada

À primeira vista, ninguém entendeu nada quando aquele pequeno veículo aéreo não tripulado desceu dos céus carregando um pacote suspeito. Quem avisou que tinha um helicopterozinho engraçado plainando sobre o pátio da escola foi o zelador que, ao contrário daquela legião de quinhentos imaturos em busca de sucesso na vida, não possuía ainda um smartphone com o qual pudesse se manter minimamente conectado ao virtual mundo moderno.

Desligue o celular e olhe o céu

Desligue o celular e olhe o céu

Os dias transcorrem, a alegria pisca à nossa volta, a paz acena lá de longe com um lenço branco. A felicidade passa por nós e sussurra algumas palavras em nossos ouvidos, ocupados demais com fones sofisticados e outras traquitanas tecnológicas para ouvi-las. Neste movimento de autorrecolhimento ou auto expulsão simultânea dos clamores do mundo exterior, nos enredamos em um útero ou uma bolha de propriedade exclusivamente nossa. Espaços volitivamente autistas. Impenetráveis.

98% da população mundial acredita em Deus, mas duvida das estatísticas

98% da população mundial acredita em Deus, mas duvida das estatísticas

98% da população mundial acredita que Deus existe. 100% de mim acredita que aquela vizinha do lado simplesmente não existe. 15% da humanidade é gay. 85% dos deputados federais homofóbicos mordem a fronha. 1,2% das crianças com menos de 3 anos acreditam na cegonha. 99,7% dos cidadãos desrespeitam a lei. 6,7% das mulheres casam-se virgens. 100% das cadelas acasalam-se virgens. 99,99% dos espermatozóides nadam, nadam, nadam, e morrem na praia.

Trio da vergonha alheia: música oficial da copa com Cláudia Leitte, Pitbull e Jennifer Lopez Jennifer Lopez se apresenta com o rapper Pitbull. A alta credibilidade artística da dupla credenciou-os a integrar, junto à brasileira Cláudia Leitte, o trio de cantores da música oficial da Copa do Mundo

Trio da vergonha alheia: música oficial da copa com Cláudia Leitte, Pitbull e Jennifer Lopez

Como tudo o que está ruim ainda pode piorar, fizeram o favor de unir Cláudia Leitte a dois dos maiores embustes da indústria fonográfica da “terra do Tio Sam”. Refiro-me ao rapper Pitbull, o “rei da desafinação eletrônica”, e à rebolativa Jennifer Lopez, um desses projetos de “divas pop” de quinta categoria que são exportadas a rodo dos Estados Unidos e cujo único “talento artístico” é sua bunda. Infelizmente, existem jornalistas que acreditam que basta colocar passistas de escola de samba e o pessoal do Olodum que a música ganha “brasilidade”.

Todo dia barulhento espera uma noite silenciosa

Todo dia barulhento espera uma noite silenciosa

Ah, minha mãe. Esse barulho todo me traz você aqui. Penso no seu silêncio no tumulto da nossa casa. Lembro do som da rua quieta enquanto esperava você no portão. Naquele tempo em que esperar por você era minha única angústia da vida. Aqui, no alvoroço desse negócio de viver tudo e dormir nada, de andar apertando os olhos para ouvir alguém entre tanto ruído, me falta você, minha mãe, chegando com a noite e a lua. Silenciosa em sua meia dúzia de palavras. Segura em suas interjeições.

Contradições acima de qualquer suspeita

Contradições acima de qualquer suspeita

Quem nunca afirmou detestar mulheres louras e, de repente, começa a desfilar com uma pantera platine blonde- tintura irretocável, nos volumosos cabelos? Te amo, te odeio. Não suporto peixes, adoro linguado assado. Não tolero homens falantes. Ah, me apaixonei por um deputado honestíssimo. Precisa ver como ele discursa. Pintar a boca de vermelho, jamais! Quero esse batom molhado cor de sangue, máxima duração. Lindo. Não imagino ter filhos e nem terei.

Réquiem para a tristeza que nos consome por dentro

Réquiem para a tristeza que nos consome por dentro

Busquemos nas livrarias o livro que sempre desejamos ler, ouçamos a música que embalou nosso mais caro amor, bebamos as bebidas da moda e aquelas que ninguém mais bebe, degustemos pratos exóticos em tardes preguiçosas. Comer, rezar, amar, mas também beber, receber, doar, cantar, ler, ouvir, sentir, tatear, pegar, agarrar. Façamos de nossas vidas um dicionário prático de todos os verbos listados em frios Aurélios e Houaiss.

Elogio da solidão que nos une e nos separa

Elogio da solidão que nos une e nos separa

Eu sou dessa gente que anda só. Não me pergunte por quê. Eu não sei responder e você vai achar que é indelicadeza minha, mas é nada senão a mais sincera incapacidade. Não consigo, não dá. Minha bicicleta não tem garupa, é veículo de um sozinho, descendo uma estradinha esburacada com um equilíbrio tão delicado que é preciso manter as duas mãos no guidão o tempo todo, sabe? Descobri que posso lhe dar uma delas agora e logo tenho de soltar. Não por nada.

O que foi dito bêbado foi pensado sóbrio

O que foi dito bêbado foi pensado sóbrio

Ah, quantos de nós temos coragem de traduzir em palavras as explosões de afeto, fúria ou ódio, claramente estampadas em nossos olhos. Quantos de nós se escondem atrás dos véus da conveniência, ardilosas maquiagens, máscaras de bem-se-relacionar no cotidiano, guardando tudo o que nos ameaça ou fragiliza no quarto escuro de emoções cansadas, amassadas e contraditórias. Francamente. Quase não há espaço para o amor e a ternura se acomodarem junto ao medo, a insegurança e a frieza, pois o quarto é diminuto — do tamanho de uma solitária prisional.