Revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski

Revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski

Maiakóvski matou-se, aos 36 anos, em 1930, quando Stálin, senhor do poder, havia expurgado adversários de peso como Liev Trotski e enquadrava aqueles que pensavam diferentemente da ortodoxia do partido. Por que Maiakóvski se matou, com um tiro no peito, se havia condenado o suicídio do poeta Sierguéi Iessiênin, em 1925? Mikhailov escreve, com pertinência: “A pessoa que deixa voluntariamente a vida leva consigo o mistério de sua decisão. Nenhuma explicação (inclusive as de Maiakóvski) penetra na essência real da atitude tomada. Elas somente entreabrem a cortina sobre o segredo, mas o próprio segredo permanece escondido atrás do final triste da vida. (…) Encontramos os motivos, mas o segredo permanece em segredo”.

709
A idade vai chegando e os sonhos se despedem como quem vai comprar cigarro e não volta mais

A idade vai chegando e os sonhos se despedem como quem vai comprar cigarro e não volta mais

Ainda falta muito para o inverno e eu aqui, cansada de mim mesma, frouxa, espaçosa, avulsa, solta verão adentro. De repente a cama ficou enorme, tão extensa quanto as noites ao redor da minha única e silenciosa companhia, lendo romances e poemas sobre um amor que desconheço. Deve ser a época, a velha história de fim de ciclo, de recomeço. Ano passado foi a mesma coisa.

Biografia analisa vida de Rubem Alves, que não era o Paulo Coelho dos intelectuais

Biografia analisa vida de Rubem Alves, que não era o Paulo Coelho dos intelectuais

Seus textos leves, mas com alguma profundidade, encantaram leitores durante anos. Com a internet, tornaram-se textos-citações. Cente­nas, talvez milhares, de pessoas passaram a mencioná-los como se contivessem lições fundamentais sobre a vida. Visto às vezes como um Paulo Coelho intelectualizado, Rubem Alves era bem mais do que isto — era um filósofo que escrevia com clareza e buscava, como os gregos, interferir na vida cotidiana de seus pares, menos com o objetivo de ser uma espécie de guia espiritual e mais como um veículo de iluminação e indicativo de que caminhos diferentes (humanistas e cordiais) são possíveis.