Livros

15 livros fundamentais da literatura argentina

Você já conferiu aqui na Bula os filmes argentinos que todo cinéfilo precisa conhecer. No entanto, nem só de boas produções cinematográficas vive o país vizinho. A literatura argentina também possui obras de grande importância não apenas para o país, mas também para o cenário literário mundial. Por isso, os editores da Bula decidiram realizar uma extensa pesquisa e reuniram em uma lista as obras fundamentais da literatura Argentina.

Desafio Correio Braziliense: você leu apenas sete desses 70 clássicos da literatura brasileira

Desafio Correio Braziliense: você leu apenas sete desses 70 clássicos da literatura brasileira

Inspirada em uma seleção realizada pelo jornal “Correio Braziliense”, a Bula decidiu lançar um desafio para testar os leitores. De acordo com uma pesquisa realizada previamente pela nossa equipe de colaboradores, dificilmente alguém terá lido mais do que sete obras da lista. Para participar, basta contabilizar os livros que você já leu. Caso o número exceda sete títulos, você certamente é um leitor muito acima da média.

Desafio da BBC: você leu no máximo seis desses 100 livros

Desafio da BBC: você leu no máximo seis desses 100 livros

Um desafio literário se espalhou pela internet e deixou leitores ao redor do mundo com a pulga atrás da orelha. De acordo com a brincadeira, ninguém leu mais do que seis livros de uma lista que reúne 100 obras, composta em sua maioria por grandes clássicos da literatura, como “Orgulho e Preconceito” (1813), de Jane Austen; “O Sol é Para Todos” (1960), de Harper Lee, “Hamlet” (1609), de William Shakespeare; e até a Bíblia Sagrada.

Os 30 melhores romances de todos os tempos

Os 30 melhores romances de todos os tempos

O jornal britânico “The Telegraph” pediu a críticos de literatura que selecionassem os melhores romances de todos os tempos, e reuniu os mais votados em uma lista. Foram lembradas principalmente as obras clássicas da literatura inglesa e americana. O primeiro colocado foi “A Vida Era Assim em Middlemarch” (1871-72), de George Eliot; seguido de “Moby Dick” (1851), de Herman Melville; e “Anna Kariênina” (1878), de Lev Tolstói.