Miley Cyrus, a Carla Perez americana

Miley Cyrus, a Carla Perez americana

Ainda resta para Miley Cyrus o lugar de “rainha da dança do bumbum” no Brasil, título sem dona desde que Carla Perez aposentou-se do mundo das subcelebridades sem talento e acorreu aos “braços de Deus”, buscando a expiação da sua extensa lista de pecados (aí incluídos o assassinato permanente da língua portuguesa nas raras vezes em que abriu a boca para falar, além de ter sido cúmplice na tortura dos ouvidos humanos realizada pelo É o Tchan). Mas não sei sinceramente se o “twerk” é páreo para a “dança do bumbum” brasileira.

Da beleza imunda, fedorenta e luxuosa que nasce à noite no meio do lixo

Da beleza imunda, fedorenta e luxuosa que nasce à noite no meio do lixo

A esta hora da noite, o trânsito na cidade definha. Um a um, os carros seguem para longe dali, tragados por seus destinos em ruas, vielas, garagens. O mundo adormece na intimidade de cada casa, a cidade aquieta, esgotada, apagando suas luzes por dentro. Aqui fora, o caminhão branco, sujo e forte avança lento, furioso pela rua repleta dos entulhos do dia, seguido de perto por dois homens que correm de uma calçada a outra, recolhendo os enormes sacos de plástico negro para lançá-los ao estômago imenso do rinoceronte de aço e rodas que avança esganado e barulhento.

21 novelas que você não precisa se envergonhar de ter acompanhado

21 novelas que você não precisa se envergonhar de ter acompanhado

Você assiste a novelas? Não, não vou escrever que não precisa ter vergonha. Muitas vezes precisa sim. Mas nem sempre. Algumas novelas são verdadeiras pérolas de originalidade, graça e talento. Algumas são tão divertidas que mesmo não sendo nenhum primor dramatúrgico vale o funil de vida que representam. E, se você não tiver nada melhor para fazer, podem ser revistas em DVD, no YouTube e no “Vale a pena ver de novo”. Abaixo, uma lista de 21 novelas que você não precisa dizer que viu porque estava passando pelo quarto da empregada.

Pequena bula de como viver na pressa, com paz e muita ginga

Pequena bula de como viver na pressa, com paz e muita ginga

Hei essa proposição aí de cima é meio que absurda, né. Porque hoje — sem climas de sadomasoquismo, explicando logo de saída — a gente passa os dias inteiros chicoteados pelo tempo. A maldição dos segundos. Que jamais param nem pra respirar. Ou mesmo tomar uma água. Droga. Tempo, tempo, tempo, tempo, até a música clama. O fato é: não conseguimos, até o momento desarmar essas engrenagens confusas dos relógios da nossa existência, que bebem energéticos gasosos continuamente. E rodam em círculos, martelando as nossas atividades e tarefas, como filme de terror, na pressão. E na moral. Ninguém discute os domínios do tempo.

Breve diário do desencanto 2

Breve diário do desencanto 2

O que faço não é importante. E não, isso não é um falso ataque de modéstia também falsa. É um fato. E bem difícil de admitir, então preste atenção: o que faço não é importante. Não tem nenhuma importância, nenhuma relevância. É comum e sou mais ou menos no que faço. Sobrevivo e isso é tudo. De qualquer forma, não vou ficar falando um tempão do que faço. Pelo menos não agora. Não, não agora. Você só precisa saber que trabalho em casa. Tenho prazos a cumprir, luto com a impressora, falo sozinha com o teclado que subitamente morre e me desespero quando a luz acaba e tenho trabalho a entregar. Você já viu esse filme mil vezes, morremos todos no final.

Era Uma Vez em Tóquio: a velhice é a pior das doenças

Era Uma Vez em Tóquio: a velhice é a pior das doenças

“Era Uma Vez em Tóquio” não é apenas uma obra-prima do cinema. Trata-se de um legítimo tratado cinematográfico sobre as consequências cruéis do envelhecimento. Sobre como a presença física dos seres humanos podem desvelar um abandono sentimental que se esconde, fingido e hipócrita, sob a capa da tradição familiar. Para Ozu, importante não é o suspense do que está por vir, mas sim o que está acontecendo. Ou melhor: o que já aconteceu. Suas personagens são ineptas em compreender o presente, que só adquire significância quando convertido em um passado resignante, do qual a ninguém é dado escapar.

Do risco de ser gentil em tempos grosseiros

Do risco de ser gentil em tempos grosseiros

“Sobe”, grita o homem correndo para o elevador lotado, prestes a iniciar sua viagem rumo ao topo do prédio comercial de 20 andares. A essa hora da manhã, perder o elevador significa chegar atrasado ao trabalho, então ele corre mais rápido. Nenhuma das tantas pessoas já embarcadas faz qualquer esforço para ajudá-lo em sua empreitada. Ninguém segura a porta de aço, ninguém aperta o botão que retarda a partida da nave, ninguém sequer lhe dirige um olhar de solidariedade e torcida, “corre, pobre diabo, você vai conseguir, eu acredito em você”. Nada. Ninguém.