A última entrevista de Nelson Rodrigues

A última entrevista de Nelson Rodrigues

Entrevista concedida em 26 de novembro de 1980. Nelson Rodrigues morreria alguns meses depois

Em entrevista ao repórter J. J. Ribeiro, do jornal “O Opiniático” (órgão de destacada relevância na imprensa marrom e sensacionalista de Minas Gerais), o jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues fala de seus amores e suas paixões — incluindo aí o seu time do coração, o Fluminense. Além de abordar temas referentes à política, ao Brasil e aos brasileiros, ao ser humano em geral, à sua vida e sua trajetória como escritor, entre outros assuntos não menos contundentes. Aos 66 anos de idade, morando em um apartamento em Copacabana, de frente à avenida Atlântica, o velho Nelson apresenta-se com o mesmo tom debochado e exagerado de sempre. Impondo a sua presença e aquele seu jeito peculiar e característico de se expressar e de se fazer entender: olhar insondável e apático; voz grossa e embolada; gestos vagarosos e ornamentais como os de um peixe colorido num aquário. Sem deixar, portanto, de esboçar certo entusiasmo e de exibir uma imagem de opulência física de causar inveja a qualquer um. Apesar de estar com a saúde um tanto quanto abalada, uma vez que ainda se recupera de uma colite ulcerática, doença essa que por pouco não o matou. As palavras tiradas da boca do entrevistado são as mesmas utilizadas em suas crônicas, contos, romances, peças teatrais, e difundidas por outros meios de comunicação (televisão, rádio e periódicos).

J. J. R. — Como foram os primeiros anos de sua vida?

J. J. R. — Como surgiu seu desejo de escrever?

J. J. R. — Qual importância da escrita em sua vida?

J. J. R. — E a leitura, representa algo de fundamental em sua atividade de escritor?

J. J. R. — E o que o senhor diria para os leitores?

J. J. R. — Como foi o seu primeiro contato com o jornalismo? E o que é ser jornalista?

J. J. R. — Como o senhor traduz o jornalismo?

J. J. R. — O senhor faz uso de diversos pseudônimos… Quem é Susana Flag?

J. J. R. — E como foi a sua opção pelo teatro?

J. J. R. — O que há de peculiar em seu trabalho como dramaturgo?

J. J. R. — O que é o teatro, na sua opinião?

J. J. R. — Como foi a estreia da peça “Perdoa-me por me Traíres”, e como ela foi recebida pelo grande público? Dizem que ela foi bastante polêmica, para não dizer turbulenta?

J. J. R. — Se o senhor tivesse de definir o aplauso, ou até mesmo a vaia, diria o quê?

J. J. R. — O que o senhor tem a dizer sobre o ser humano?

J. J. R. — O senhor não aposta, não acredita no ser humano?

J. J. R. — E na bondade?

J. J. R. — O que mais incomoda o ser humano?

J. J. R. — Na verdade, o que é o homem?

J. J. R. — Para o senhor, que importância tem o dinheiro?

J. J. R. — E a respeito do amor?

J. J. R. — Na sua opinião, o que é a beleza?

J. J. R. — E o que dizer acerca das mulheres?

J. J. R. — E sobre as mulheres, na atualidade?

J. J. R. – É verdade que toda mulher gosta de apanhar?

J. J. R. — Qual a importância de se ter filhos?

J. J. R. — Como definir o casamento?

J. J. R. — Numa relação, o que de fato importa?

J. J. R. — Algum recado para as mulheres?

J. J. R. — E para os homens?

J. J. R. — E para os casais, alguma dica?

J. J. R. — E no que diz respeito à sexualidade humana?

J. J. R. — Nós todos, somos indecentes, vulgares e imorais?

J. J. R. — Sobre o adultério?

J. J. R. — Sobre a adúltera?

J. J. R. — E a Família?

J. J. R. — Falemos agora da virtude e daqueles que o praticam?

J. J. R. — E o que é ser canalha?

J. J. R. — Como o senhor vê o brasileiro?

J. J. R. — Como o senhor define o Brasil?

J. J. R. — E a Europa? E o europeu?

J. J. R. — E nós os mineiros — em alusão ao meu conterrâneo e nosso colega de profissão, bem como ao seu mais fiel e dedicado amigo Otto Lara Resende —, o que de fato somos?

J. J. R. — E em relação ao bairro de Copacabana, local onde o senhor atualmente reside?

J. J. R. — Para o senhor, o que representa o boteco?

J. J. R. — Vamos falar agora de sua grande paixão, o futebol?

J. J. R. — Nos fale então sobre o “Sobrenatural de Almeida”?

J. J. R. — E sobre o Flamengo?

J. J. R. — E sobre o seu time do coração, o Fluminense?

J. J. R. — E o que dizer sobre os dois times, Flamengo e Fluminense? E o Fla-Flu?

J. J. R. — E por falar em paixão, como o senhor a definiria?

J. J. R. — A paixão pode ser de alguma maneira prejudicial?

J. J. R. — Fale um pouco sobre os políticos?

J. J. R. — Para o senhor, o que representa a figura de um líder?

J. J. R. — Como é que o senhor se posiciona politicamente? Na direita, esquerda ou centro?

J. J. R. — Como é que o senhor se coloca diante do comunismo?

J. J. R. — E sobre aqueles que se dizem libertários?

J. J. R. — E com relação às feministas?

J. J. R. – Como o senhor explicaria a psicanálise?

J. J. R. — Censura — é hoje mais implacável?

J. J. R. — Nos conte mais acerca da situação do seu filho?

J. J. R. — Que conselho dar aos jovens?

J. J. R. — Qual foi, no seu entendimento, o grande acontecimento do século 20?

J. J. R. — Como é que o senhor define sua personalidade, sua maneira de ser? E como é o homem Nelson Rodrigues?

J. J. R. — E o que é a morte?

J. J. R. — E qual seria então o seu epitáfio, já escolheu?

7363