Não importa se acabou. Amar é recomeçar

Não importa se acabou. Amar é recomeçar

Uma vez meu pai trouxe pra casa uma bacia cheia de cajus amarelos e vermelhos que foram colhidos na chácara de um amigo. O aroma doce daquelas frutas e o brilho de seus pedúnculos carnudos de cores vivas me fizeram imaginar, nos meus oito anos de idade, como seria a árvore que dava algo tão bonito daquele jeito. Aquela curiosidade infantil fez meu pai nos levar ao jardim em frente da nossa casa e, juntos, nós cavamos com nossas mãos grandes e pequenas um buraco onde colocamos uma semente de caju amarelo e outra de caju vermelho.

Atenção: vendo coração por preço de banana

Atenção: vendo coração por preço de banana

O que mais se vê por aí são amores sem amor, como aqueles de posse, donos um do outro tipo sequestrador e vítima, amordaçada e obediente. Um manda, o outro acata. São “felizes” assim nessa relação de sequestro, mesmo com a certeza de que esse contentamento tem prazo de validade. Existe também o amor de expectativa, onde uma vez superada, voa como mariposa pairando de flor em flor. Em outra categoria estão os amores pífios e baratos. Dão feito chuchu na serra, e de tão ordinários, não chagam a valer nem 1,99. Sobrevivem por interesse, sem paixão, alguns se mantêm vivos apenas por gratidão.

Ato de apoio a uma ampla, geral e irrestrita intervenção amorosa

Ato de apoio a uma ampla, geral e irrestrita intervenção amorosa

Alto lá! Mas que fechar o congresso, o quê? Que história é essa de uso da força? De onde vem essa maldosa fantasia de acender o fogo das tropas e clamar poder aos batalhões? Parem com isso! Nossa necessidade é outra. Nós precisamos é de uma urgente, total e irrestrita intervenção amorosa! Cessem o fogo das farpas! É tempo de descansar os pés dessa marcha violenta rumo a nada! Afinal, o que estamos fazendo senão lutando contra nós mesmos?

Vem, vamos voar daqui. Lá do alto dá pra ver como somos pequenos

Vem, vamos voar daqui. Lá do alto dá pra ver como somos pequenos

Ah… pessoa amiga, essa vida tem de tudo. Tem risos e choros, brigas e tréguas, achados e perdidos, secos e molhados. Tem quem ganha e tem quem perde, quem encontra e desencontra. Tem tanto medo provocando nossas coragens! Tanta dúvida, tanto “só Deus sabe”, tanto Amém para pouca reza. E entre tudo isso estamos nós, caminhando nossos altos e baixos, na vida que tem mesmo de tudo um pouco. Mas é certo que, de quando em vez, esse pouco vira muito ou, no mínimo, mais do que a gente aguenta.

“Onde não puderes amar não te demores”

“Onde não puderes amar não te demores”

Sai, corre logo. Afasta-te das ventanias cruéis que ameaçam revirar-te a vida e os sonhos pelo avesso. Aqueles pedaços de histórias rotas e cerzidas, atiradas no cesto de roupas de sorrir — e que já usaste tantas vezes em festas enxovalhadas. Foge das tempestades. Das estradas sem rumo. Das folhas ressequidas, espalhadas em terrenos áridos e desconexos. Rejeita os lábios que não beijam mais e dos quais escorre apenas amargura, fel e impropérios. Sim. Tranca a porta, os ouvidos, a sensatez e vira as costas sem remorsos para tudo o que te causa mal e tristezas. Teus dias pinta-os com aquarelas leves e doces, mescladas a tons pastel.

Só leia isso se não tiver mais nada pra fazer

Só leia isso se não tiver mais nada pra fazer

Não me queiram mal, não me desentendam, não vão pensar que eu pirei. É que, realmente, hoje estou feliz. E com felicidade se brinca. Sinto-me tão alegre que poderia até lhes escrever um texto fofo e otimista, desses que falam do amor vencendo no final. Afinal, o que seria do mundo se não houvesse o contrapeso de uma rima à altura da dor?