Autor: Giancarlo Galdino

Premiado e comovente, novo filme da Netflix mostra como o amor de uma mãe mudou a história de um homem

Premiado e comovente, novo filme da Netflix mostra como o amor de uma mãe mudou a história de um homem

Inspirado na vida extraordinária de So Wa-wai, velocista com paralisia cerebral que competiu em cinco Jogos Paralímpicos, entre 1996 e 2012, “Retrato de um Campeão” tem uma parcela de drama familiar de fôlego e um lado de crítica social. O filme, estreia do diretor sino-britânico Chi Man-wan, se destaca por renunciar aos diversos lugares-comuns do gênero e está disponível no acervo da Netflix para quem se investe da grande filosofia por trás de um homem que tinha tudo para se entregar, mas foi longe.

Duna, de David Lynch, está na Netflix e tem qualidades que a versão de Denis Villeneuve não tem

Duna, de David Lynch, está na Netflix e tem qualidades que a versão de Denis Villeneuve não tem

Há críticos que se especializam em apontar os possíveis defeitos de uma obra de arte — os mais competentes chegam a fazer fortuna valendo-se desse expediente —, inclusive as realizadas há décadas, sem, contudo, atentar para um detalhe fulcral: o mundo nunca é o mesmo. Em “Duna” (1984), o cineasta David Lynch trata de expor as mazelas do homem numa distopia que aborda a necessidade do uso de entorpecentes para muitos, a eterna luta entre o bem e o mal, a ânsia por se afirmar. O filme de Lynch, a ser conferido na Netflix, não perde importância com a versão de Denis Villeneuve para a história de Frank Herbert, pelo contrário.

Novo filme da Netflix é para aqueles dias em que tudo o que você precisa é esquecer os problemas e relaxar

Novo filme da Netflix é para aqueles dias em que tudo o que você precisa é esquecer os problemas e relaxar

Encontrar a alma gêmea, o par perfeito, a tampa da panela, a metade da laranja exige empenho, sacrifício muitas vezes, perspicácia e muita coragem para sair do lugar-comum. Falando de um amor improvável, indesejado, difícil, “Um Match Surpresa” (2021), mesmo valendo-se de uns tantos clichês das comédias românticas — sobretudo quando as festas de fim de ano se aproximam — é uma história encantadora.

Apesar de Rodrigo Santoro, novo filme brasileiro da Netflix é considerado a melhor produção desde Cidade de Deus

Apesar de Rodrigo Santoro, novo filme brasileiro da Netflix é considerado a melhor produção desde Cidade de Deus

O cinema nacional vive de muitos erros e alguns acertos esporádicos, às vezes no mesmo filme. “7 Prisioneiros” (2021), de Alexandre Moratto, centro das atenções no Festival de Veneza desse ano, é o exemplo cabal de uma produção que consegue reunir em pouco mais de uma hora e meia o melhor e o pior do Brasil, graças a Christian Malheiros e Rodrigo Santoro, respectivamente.

O filme comovente da Netflix que, em pouco mais de meia hora, vai fazer você refletir sobre o sentido da vida

O filme comovente da Netflix que, em pouco mais de meia hora, vai fazer você refletir sobre o sentido da vida

A história de “O Menino que Lia Cartas” (2019), de Sibusiso Khuzwayo, chega a despertar uma certa incredulidade, dado o cenário pouco auspicioso sob o qual se apresenta. Imaginar que um menino de doze anos tenha de servir de mediador entre o mundo das palavras, completamente vetado a todo um povoado no coração da África do Sul, e uma gente ávida por saber o que quer lhe dizer a vida, pela pena daqueles que amam e estão longe, é uma constatação estarrecedora, mas, lamentavelmente, real.