6 filmes que são dados como certos na briga pelo Oscar 2022, 4 na Netflix e 2 no Amazon Prime Video

6 filmes que são dados como certos na briga pelo Oscar 2022, 4 na Netflix e 2 no Amazon Prime Video

A vida imita a arte, como diz o gasto clichê, e a arte, por sua vez se vinga e eterniza momentos às vezes muito íntimos da vida de alguém. Sempre se registrou num filme passagens lendárias da trajetória particular de um indivíduo, célebre antes ou depois de exibida a trama — sim, porque, uma vez divulgado um filme, a vida daquela pessoa nunca mais voltará ao ponto de partida —, mas a arte, por ser tão misteriosa, tem o condão de se metamorfosear, fundir mil realidades numa única narrativa e apresentar um resultado cuja genialidade impressiona. Para tanto, em muitos casos, diversas manifestações artísticas se condensam e o que se vê nesse novo todo é algo que já não se pode definir apenas como aquilo que fora, mas que assume a forma com que passa a ser conhecido, para se preservar da ação implacável do tempo. Livros são adaptados para o cinema desde 1896, quando o curta “Trilby e o Pequeno Billee” recriou no cinematógrafo uma cena do livro homônimo, do francês Gerald du Maurier. Antes do cinema, no Brasil, “O Guarani” (1857), do indianista romântico José de Alencar (1829-1877), foi vertido à arte dramática sob a forma de ópera, escrita por Carlos Gomes (1836-1896) e levada aos palcos em 1870.

A partir de então, é cada vez mais comum a mistura de literatura com cinema, às vezes não sem prejuízo da experiência de que o leitor possa ter desfrutado com o texto impresso. Não é impossível que livros ruins se tornem filmes bons — ou, pelo menos, razoáveis —, desde que a nova história que se deseja contar disponha dos elementos certos a fim de fazer aquela trama se encaixar com o mínimo de adequação no novo formato. Diretores de gênio, com talento acima da média, bons atores, sensíveis o bastante para entender a grandeza do desafio de manter vivo o sonho, e enredos que sejam capazes de reproduzir em tela parte do efeito sentido no folhear das páginas, nessa ordem, são um começo auspicioso para um filme com essas características. Uma das melhores qualidades do Oscar é dar visibilidade à literatura, arte cada vez mais esquecida no frenesi das sociedades contemporâneas. Ao menos dois dos favoritos à premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood estão diretamente relacionados a livros — Ataque dos Cães, adaptação da diretora Jane Campion para a novela “The Power of the Dog” (1967), de Thomas Savage (1915-2003), nunca editada em português, e A Filha Perdida, releitura de Maggie Gyllenhaal para o romance homônimo da escritora Elena Ferrante —, mas os seis favoritos ao Oscar da nossa lista — quatro na Netflix e dois no Amazon Prime Video — têm, em maior ou menor proporção, ligação estreita com outras formas de representação do pensamento e das emoções do homem. Todos lançados em 2021, os títulos estão dispostos em ordem alfabética e deixam claro: este será um dos Oscars mais cabeçudos da história.

Imagens: Divulgação / Reprodução Netflix e Amazon Prime Video