Autor: Karen Curi

Viver é se despedir um pouco de nós mesmos

Viver é se despedir um pouco de nós mesmos

Essa vida é mesmo surpreendente. Em uma única existência somos capazes de viver e sobreviver a diversas fases, sob a sorte e a falta dela que nos unge os dias. De uma forma concisa eu poderia dizer que viver é uma sucessão de erros e acertos, de tropeços e saltos, afogamentos, resgates, onde só desfrutamos e valoramos as subidas depois que despencamos ladeira abaixo. E como toda história tem dois lados, na vida não poderia ser diferente. A gente só percebe a vitória e a derrota quando estamos no topo, ou no poço.

Não basta apenas sobreviver. Para viver é preciso sonhar

Não basta apenas sobreviver. Para viver é preciso sonhar

O que seria de nós, com todos os nossos medos, incertezas e angústias, sem o reconforto que a esperança nos dá? O viver não passaria de um purgatório sem saída ou uma prisão perpétua, a sensação indefinida de respirar por aparelhos. Uma tristeza profunda acomete os desiludidos e incrédulos, essa gente que vive dia após dia na passividade e aceitação do que a vida dá em doses homeopáticas. Seres desinteressados e desanimados, indiferentes com o amanhã, são miseráveis em sua escassez de paixão, de vontade… De viver. Só quem tem esperança é capaz de sonhar. E quem sonha, seguramente, é mais feliz!

Amores de fast food matam o coração

Amores de fast food matam o coração

Porque legal mesmo é sair traçando tudo o que se vê pela frente, deixando fluídos por aqui e acolá, espalhando sementes em terras úmidas sem a menor precaução e preocupação com o terreno alheio. Não se engane. A fome desvairada por provar todos os quitutes da festa passa, e o vazio que fica é um buraco tão fundo e tão escuro que vai desencadear meses de insônia e muito, mas muito arrependimento por ter sido tão permissivo.

Depois de você, nada, nunca mais, será como antes

Depois de você, nada, nunca mais, será como antes

Que curiosa é essa vida… Procuramos o amor feito cachorro farejando cheiro de comida, e muitas vezes ele está bem ali, na nossa cara, aonde sempre esteve. Não importa quantas trombadas se dá, quantos amores a gente inventa e finge que acredita. De nada serve a entrega com um pé atrás, nem a ilusão de colecionar corpos para substituir o amor verdadeiro. Uma vez colado, pregado, rejuntado e soldado na alma, nada nem ninguém é capaz de arrancar o grande amor de dentro da gente.

Uma dose de originalidade, por favor!

Uma dose de originalidade, por favor!

Não me leve a mal. Não é pessimismo meu, é só desânimo mesmo. Eu acredito que a culpa deve ser desse exército de pessoas que insistem em se parecer umas às outras, falando sempre as mesmas coisas de um jeito tão presumível quanto a programação de domingo na tv. Nada contra, mas… Por onde andam os imprevisíveis, os românticos incuráveis e declarados, os boêmios gaiatos, anedóticos de piadas impróprias, cidadãos do contra, almas às avessas?

Quem tem alma de pássaro não se aquieta em terra firme

Quem tem alma de pássaro não se aquieta em terra firme

Sou um ser livre. Nasci assim. Minha mãe sempre dizia que eu não gostava de usar sapatos, nem de prender os cabelos, e que era um sacrifício me vestir porque as roupas me apertavam. Gostava de tomar banho de chuva, de sentir o vento no rosto, e tinha a pertinente ideia de mudar de ideia amiúde. Moral da história: Continuo assim. Sou desprendida por natureza e gaiola nenhuma me segura por muito tempo.

Eu quero um amor que seja bom pra mim

Eu quero um amor que seja bom pra mim

Acho que no fim das contas, nas somas e subtrações do coração, todo mundo quer um amor assim. Acontece que, o que é bom pra um, pode não ser bom para o outro, e aí está a mais difícil das equações: A do tipo amorosa. Porque atração é coisa fácil de resolver. Expectativas se multiplicam com doses cavalares de encantamento, e quanto maior é o desejo, mais se inflama a paixão. E gente apaixonada é tudo igual! Quem não gosta das tais borboletas na barriga? Não somos bestas! Somos um tanto cegos, meio surdos, arrogantes, tontos, excessivamente confiantes, e um monte de coisas… Mas bestas, não!

Se não for verdadeiro, não dura

Se não for verdadeiro, não dura

Soube que você anda por aí perguntando por mim… Me disseram que te planto questões, e que meu jeito de falar de amor e clamar amor te parece um tanto exagerado. Não é exagero não. Minhas hipérboles sentimentaloides podem até parecer dramáticas, vá lá, mas são verdadeiras. E verdade é uma coisa que levo comigo por onde eu vou. Sempre tenho na mala.

Eu quero a sorte de um amor louco

Eu quero a sorte de um amor louco

Isso mesmo. Amor desatinado por amar sem limite, sem medida, sem preocupação com o saldo, nem nada mais. Quero um amor biruta e sem juízo, doido varrido, desses que toca a campainha no meio da madrugada, que faz juras de amor numa segunda-feira às seis da manhã. Que larga tudo, enfrenta o chefe e um trânsito insano só por algumas horas de grude.

Preciso de férias. Férias de gente

Preciso de férias. Férias de gente

Férias de gente mesquinha. Férias dos invejosos. Férias de estressados no trânsito. Férias dos falsos amigos. Férias dos sanguessugas. Férias dos vizinhos encrenqueiros. Férias dos mal educados e dos mal agradecidos. Férias dos moralistas. Férias dos preconceituosos. Férias dos egoístas, dos estraga prazeres, dos sem noção.