Autor: Jacques Fux

Feliz Dia dos Ex-namorados

Feliz Dia dos Ex-namorados

Hoje, Dia dos Namorados, resolvi revirar meu passado. Guardo, numa velha pasta escondida, as lembranças de um tempo vivido. Remexer é recriar. Reviver. Ressignificar dores e amores adormecidos. Encontrei várias fotos. Lembranças de momentos. Não, não os havia esquecido, apesar de não estarem presentes no meu cotidiano.

Woody Allen através de um espelho sombrio

Woody Allen através de um espelho sombrio

Em 1991, ela encontra fotos sensuais, levemente pornográficas e insinuantes, da sua filha adotiva. O mundo desaba. Ela perde o chão. Imagina estar numa cena de cinema, em que tudo é falso e real simultaneamente. Sim, deve haver alguma câmera escondida filmando. Precisa existir algum diretor conduzindo essa trama de horror. Só pode ser uma figuração, Photoshop ou uma brincadeira de mau gosto de alguém. Uma montagem. Uma falácia. Uma fraude. Mas, infelizmente, não é.

Bob Dylan: um gênio e um louco judeu

Bob Dylan: um gênio e um louco judeu

Um gênio excêntrico. Um judeu que vive sérios conflitos consigo mesmo. Teve uma infância muito parecida com Philip Roth — que tem seu mote e seus monstros todos judeus, e que foi acusado de ser mais um ‘auto-odioso’ judeu. Também sempre quis pertencer a alguma doutrina ou a alguma fé, assim como a nossa incrível escritora Clarice Lispector, mas só a encontraram nas letras — cancionadas ou poetizadas. Foi um rebelde com muitas causas, louvou Jesus, e se tornou quase uma divindade como Bob Fischer, o ídolo americano e grande campeão de xadrez, que encontrou a salvação nos atos extremos e nas crenças odiosas de Osama Bin Laden.

Como sobreviver a um pé na bunda

Como sobreviver a um pé na bunda

J. apareceu assim, como imagens em sonhos, um pouco fora de foco. Desconfiei dos meus olhos. Desconfiei do vazio do meu coração. J. estava lá. Em minha frente seu sorriso me perturbava. Provocava-me a sua beleza ainda não descoberta. Inflamavam-me sentimentos de dúvidas, incertezas e encantos a serem descobertos. Logo depois da primeira mirada, procurei-a no meio da multidão. Não era capaz de reconhecer novamente seus olhos, a memória traía meus sentimentos. E a memória nunca me traíra antes. Seria ela especial? Fascinante? Fascinada? E algumas horas se passaram até reencontrá-la. Primeiro encanto. Mas ainda continuaria em dúvida.

Ménage à trois

Ménage à trois

Estou diante do Sublime e da Beleza, e não consigo suportar essas sensações. Choro. Sou um mendigo. Não consigo mais ver o espetáculo que ela, e minhas invenções, me apresentam. Levanto ereto, mirando os céus. Sinto a existência do Brahma. Olhar e desejar assim, tão de perto, ainda que ela seja inacessível, corrompe.

A sublime arte de dormir de conchinha!

A sublime arte de dormir de conchinha!

Eu nunca conseguia realmente dormir com alguém. Nunca. Conchinha, então, nem pensar! Já nos dois primeiros minutos meu braço se anestesiava e eu achava que teria que amputá-lo em questão de segundos, perdia a respiração, já que meu nariz avantajado ficava inteiramente inserido naquela vasta cabeleira e, por fim, em um ataque de pânico, sentia meu pé gangrenar e uma dor incrível de barriga. Assim sendo, era necessário desfazer logo aquela posição e fugir desesperadamente dali.

Silêncios… e outros foras

Silêncios… e outros foras

Éramos só sorrisos. Nossos olhos brilhavam. Nossos corpos se esbarravam propositalmente. O mundo ao redor tinha deixado de existir. E eu também não via sentido algum em continuar existindo se não fosse ao lado dela, embalado e fascinado pelo seu canto… pelo seu perfume. Sim, havíamos acabado de nos conhecer, mas eu já estava completamente entregue. Ansioso para viver o nosso amor até o finzinho do século… A festa chegara ao seu final, e tivemos que nos despedir. Mas, trocamos promessas e o contatos.