Autor: Nelson Moraes

O Iluminado: a comédia que você não viu

O Iluminado: a comédia que você não viu

“Here’s Johnnnnny!”, ou, alguns segundos antes, a fábula do Lobo Mau e os Três Porquinhos, sussurrada a uma apavorada Wendy que teima em não abrir a porta: se você achava que estas cenas eram um alívio cômico em meio a tanto horror e sanguinolência em “O Iluminado”, redimensione suas perspectivas. Na verdade elas dão o tom do filme inteiro.

O sapo e o escorpião

O sapo e o escorpião

Não, você não conhece a história do sapo e do escorpião em que o segundo pede carona ao primeiro pra atravessar o lago e tal. Calma: é que chegando à outra margem o escorpião agradece, desce das costas do sapo e vai indo embora, quando o sapo diz…

Ler faz bem. Mas rir é o melhor remédio

Ler faz bem. Mas rir é o melhor remédio

A obra dá uma ressuscitada em um estilo que parecia dormente nos últimos tempos: o esculacho literário, em que já brilharam Ambrose Bierce, H. L. Mencken, Robert Benchley, Woody Allen (sério que você só conhece o Woody Allen cineasta e nunca leu um livro dele? Ah, vá) e, aqui no Brasil, Campos de Carvalho e ele, o primeiro e único — Millôr, claro.