Companhia das Letras suspende distribuição de biografia de João de Deus

Companhia das Letras suspende distribuição de biografia de João de Deus

No livro, a professora da USP Maria Helena Machado, doutora em História, revela que o médium de Abadiânia “tratou” um ministro do Supremo, um professor de Stanford e a atriz Shirley MacLaine

Por determinação dos editores Luiz Schwarcz e Lilia Moritz Schwarcz, a Editora Companhia das Letras decidiu suspender a distribuição do livro “João de Deus — Um Médium no Coração do Brasil” (selo Fontanar). A obra é um dos best sellers da casa editorial. As acusações de assédio foram decisivas. A Companhia das Letras pertence à editora alemã Random House (70%) e a Luiz Schwarcz (30%).

O livro foi escrito por uma eminente historiadora da USP, Maria Helena Pereira Toledo Machado. Desde a morte do marido, um professor da Unicamp, Maria Helena aproximou-se do médium João de Deus. O livro revela que o espírita de Abadiânia “tratou” um ministro do Supremo, um professor de Stanford e a atriz Shirley MacLaine. A historiadora disse ao jornal “O Globo”: “Conversei com centenas de pessoas, entrevistei muitas e nada disso veio à tona. Em nenhum depoimento qualquer entrevistado mencionou ter sofrido qualquer constrangimento ou assédio. Estou consternada”.

João de Deus — Um Médium no Coração do Brasil, de Maria Helena Machado

Entre os admiradores de João de Deus citados no livro estão Roberto Kalil, cardiologista do Hospital Sírio-Libanês; Jeffrey Rediger, professor de psiquiatria da Universidade Harvard; Henri Tjiong, pesquisador e professor de política energética da Universidade Stanford; Oprah Winfrey, apresentadora de televisão nos Estados Unidos; Shirley MacLaine, atriz e escritora; Naomi Campbel, modelo; Xuxa, apresentadora de televisão; Nizan Guanaes, publicitário; Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal; Lula da Silva, ex-presidente da República; Anna Muylaert, diretora de cinema, e Marina Abramovic, artista performática.