Os 10 livros mais vendidos da história

Para se chegar ao resultado consultei reportagens, entidades editoriais, empresas de pesquisas de mercado e publicações especializadas em livros. O objetivo era identificar, baseado nessas informações, quais são os 10 livros literários mais vendidos no mundo em todos os tempos. Participaram do levantamento as publicações: “Global Times”, “Telegraph”, “New York Times”, “HowStuffWorks”, “Financial Times”; as entidades editoriais International Publishers Association (IPA), International Booksellers Federation (IBF) e International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA); e as empresas de auditagem e pesquisas de mercado Nielsen e a GfK.

Embora não exista concordância sobre os números exatos do mercado de livros ao longo dos séculos, os levantamentos das publicações, instituições e empresas mencionadas, parecem ser o que mais se aproximam do consenso editorial.

1 — Dom Quixote
(Miguel de Cervantes)

Publicado em Madrid em 1605, “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes, é composto de 126 capítulos, divididos em duas partes. O livro narra a história de Dom Quixote de La Mancha, um cavaleiro errante que perdeu a razão e, junto com seu fiel escudeiro Sancho Pança, vive lutas imaginárias. Estima-se que tenha vendido entre 500 e 600 milhões de cópias.

2 — O Conde de Monte Cristo
(Alexandre Dumas)

Publicado em 1844, “O Conde de Monte Cristo é, juntamente com “Os Três Mosqueteiros”, a obra mais conhecida de Alexandre Dumas e uma das mais celebradas da literatura universal. O livro narra a história de um marinheiro que foi preso injustamente. Quando escapa da prisão, e toma posse de uma misteriosa fortuna e arma uma plano para vingar-se daqueles que o prenderam. Estima-se que tenha vendido entre 200 e 250 milhões de cópias.

3 — Um Conto de Duas Cidades
(Charles Dickens)

Publicado em 1859, “Um Conto de Duas Cidades”, de Charles Dickens, é um romance histórico que trata de temas como culpa, vergonha e retribuição. O livro cobre o período entre 1775 e 1793, da independência americana até a Revolução Francesa. Dickens evita o posicionamento político, centrando a narrativa nas observações de cunho social. Estima-se que tenha vendido entre 180 e 250 milhões de cópias.

4 — O Pequeno Príncipe
(Antoine de Saint-Exupéry)

Publicado em 1943, “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, é uma das obras mais traduzidas da história. Por meio de uma narrativa poética, o livro busca apresentar uma visão diferente de mundo, levando o leitor a mergulhar no próprio inconsciente. Estima-se que tenha vendido entre 150 e 180 milhões de cópias.

5 — O Senhor dos Anéis
(J.R.R. Tolkien)

Publicado em três volumes entre 1954 e 1955, “O Senhor dos Anéis”, de J.R.R. Tolkien, é um romance de fantasia que ocorre em um tempo e espaço imaginários. A história narra o conflito entre raças para evitar que um anel poderoso volte às mãos de seu criador, o senhor do escuro. Estima-se que tenha vendido entre 150 e 170 milhões de cópias.

6 — Harry Potter e a Pedra Filosofal
(J.K. Rowling)

Publicado em 1997, “Harry Potter e a Pedra Filosofal” é o primeiro volume da série Harry Potter, da britânica J. K. Rowling. O livro narra a história de um garoto órfão que vive infeliz com seus tios. Até que, repentinamente, ele recebe uma carta contendo um convite para ingressar em uma famosa escola especializada em formar jovens bruxos. Estima-se que tenha vendido entre 110 e 130 milhões de cópias.

7 — O Caso dos Dez Negrinhos
(Agatha Christie)

Publicado em 1939, “O Caso dos Dez Negrinhos”, de Agatha Christie, é o maior clássico moderno das histórias de mistério. Dez pessoas diferentes recebem um mesmo convite para passar um fim de semana numa ilha. Na primeira noite, após o jantar, elas ouvem uma voz acusando cada uma de um crime oculto cometido no passado. Mortes inexplicáveis se sucedem. Estima-se que tenha vendido entre 90 e 120 milhões de cópias.

8 — O Sonho da Câmara Vermelha
(Cao Xueqin)

Publicado em meados do século 18, “O Sonho da Câmara Vermelha”, de Cao Xueqin, é uma das obras-primas da literatura chinesa. O livro faz um relato detalhado da aristocracia chinesa da época. Acredita-se que o conteúdo da história seja autobiográfico descrevendo o destino da própria família do escritor. Estima-se que tenha vendido entre 80 e 100 milhões de cópias.

9 — O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa
(C.S. Lewis)

Publicado em 1950, “O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa” é um romance infantil do escritor britânico C.S. Lewis. O livro narra a história de quatro irmãos que vivem na Inglaterra durante a 2ª Guerra Mundial. Em uma de suas brincadeiras descobrem um guarda-roupa que leva quem o atravessa ao mundo mágico habitado por seres estranhos, como centauros e gigantes. Estima-se que tenha vendido entre 75 e 90 milhões de cópias.

10 — Ela, a Feiticeira
(Henry Rider Haggard)

Publicado em 1887, “Ela, a Feiticeira” é um livro de aventura e fantasia do escritor britânico Henry Rider Haggard. O livro narra as aventuras de dois amigos numa região inexplorada da África, onde encontram uma civilização perdida, na qual reina uma misteriosa feiticeira chamada Ela. Estima-se que tenha vendido entre 70 e 80 milhões de cópias.

  • Isaías

    Nota do moderador: É provável que você tenha lido só o título. Releia, por favor.

    —————-
    Existe um erro gravíssimo nesta pesquisa. O livro mais vendido do mundo é a Bíblia!!!

    • Hugo Knupp

      A bíblia contém 66 livros. Só aí já temos os 66 livros mais vendidos no mundo…rs

      • Cassio Bartolomei da Silveira

        Acho que vocês confundiram Livro Literário com Texto Religioso. ;)

        • hudson

          é lógico que a bíblia é literatura.. usada por alguns como um livro sagrado, mas não deixa de ser um livro de histórias e literatura, assim como todos os da lista

    • Cassio Bartolomei da Silveira
    • Rayane Muifrillver

      A bíblia não é considerada um livro literário. E ele estava citando, livros de literatura. Como é falado no texto em cima dos títulos.

      • Uilians Santos

        Antes de ser um livro religioso, a Bíblia é também literatura. Lá você encontra vários gêneros literários poesia, reflexão, relato histórico, psicologia, conto, crônicas e se levar ao pé da letra até jornalismo. As pessoas deveriam perder o preconceito em relação a Bíblia e passarem a ler, compreender e respeitar o livro mais lido de todos os tempos. A Bíblia é literatura, sim!

        • Yan Ferreira

          Meu amigo. Sua opinião é muito relevante, mas não se exceda ao afirmar que a Bíblia possui a literatura apontada pelo autor da pesquisa. São coisas muito distintas, assim como tudo que é explicito na bíblia tem caráter teológico ou teocêntrico, o que diverge-se completamente da proposta abordada. Uma dica: Religiosidade demais não faz bem. Aliás, nada em excesso faz bem.

    • Samanta

      Acho que a Bíblia não pode ser considerado um “Livro”. Quer dizer, é como se “Bíblia” e “Livro” fossem coisas diferentes, pois, apesar do texto narrativo, não tem tanto em comum quanto os gêneros em si…

      • Vanessa

        E na vdd nem é um livro e sim uma coleção!

    • Candice

      Isaías, querido. Erro gravíssimo é você e seu comentário inadequado à coluna. Quizesse levantar uma questão que, além de obsoleta, não faz sentido ao objetivo do texto.

  • Lucas Freitas

    Gente que não sabe ler.

  • José de Arimatéa

    Penso que a bíblia cristão, o alcorão e o mahabarata, se considerados como “livros” certamente foram lidos por mais de cem milhões de pessoas; o mesmo digo com relação ao Manifesto, de Max e Engels e o Livro Vermelho de Mao.

  • lsc

    Bíblias são ilusões, escrita por povos primatas e não por gênios aos quais estão nesta lista…

    • Uilians

      você é um estupido. Não sabe nada de literatura. É tão primitiva e primata que até hoje influencia gerações de escritores, pessoas normais. Fico pensando como hoje pessoas supostamente instruídas podem dizer uma barbaridade como essa

    • Victor

      A Bíblia é um conjunto de ilusões que não foi escrita por gênios, né? Então me aponte UM único livro que tenha sido escrito por cerca de 40 AUTORES diferentes ao longo de mais de 1600 ANOS e que não se contradiga em momento algum!!! Se você se acha tão conhecedor dos gênios da literatura, deveria saber que a Bíblia é muito bem vista como obra literária! Está cheia de poesias muito bem escritas! Então vá se informar, por favor, não diga besteiras.

      • js

        Victo ,então você é mais um que não leu a bíblia ..e se leu não entende nada ..A bíblia tem mais de 1000 contradições .

    • Flávio Silva Larrubia Berbet

      isc… rs q tolinho vc xD dois dos q estão nessa lista acreditavam e seguiam esse livro de primatas q vc falou =) eram amigos e cristãos, e tem muito influencia bíblica em suas obras =)
      J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis

  • leandro nobre

    devia estar

    • Tania Sperling Braga

      Prefiro o Paulo Coelho á Bíblia.Um livro reescrito tantas vezes, tantas eram a vontade dos reis da época, completamente sem nexo muito de seus capítulos.Tudo que o homem escreveu para falar em Deus, Jesus, seja o que for, tem a má intenção explícita, a de enganar, iludir e dominar…Jesus nunca escreveu nada, e Deus, nada que se prove a respeito desta grande Onda de emanação que tudo criou, falar, escrever sobre Deus, é visão romantizada diante da vida.

  • js

    Moura , não foi escrita por primatas ,mas por espertinhos para dominar os trogloditas .

  • Biblia

    O homem faz parte do gênero primata,sabia?

  • Tania Sperling Braga

    Ignorância é acreditar na Bíblia, e viver neste oculto ” achismo” .

  • Raniere Sofia

    Creio que ser ateu seja uma escolha individual da pessoa, que deveria ser respeitada tanto quanto a religião de outrem. Respeito este que não vejo vindo dos religiosos. O que o seu Deus acha dessa intolerância? Será que ele aprova? Meu Deus não aprova.
    Respeitem para serem respeitados. :)

  • Marcelo Rossa

    O manifesto comunista de Karl Marx é distribuído ao rolos e ninguém fala nada e é uma religião como os livros de Dawkins. Comprei quatro Bíblias, uma para cada situação. Estudos, oração, viagens e para o grupo de jovens. A moda do ateísmo distorce e faz com que percam o respeito, além de segregarem sem necessidade.

  • Marcelo Rossa

    Sobrenomes como o seu envergonham a origem italiana, junto com a religião católica e o pensamento greco, os construtores da civilização moderna.