Autor: Rebeca Bedone

Das nossas escolhas ficam as saudades e o dia seguinte

Das nossas escolhas ficam as saudades e o dia seguinte

Certa vez, uma moça tirou férias de suas dúvidas e atracou seu barco num lugar distante para assistir ao pôr do sol. O astro dourado cada vez mais se recolhia. À moça, restava contemplar a sua despedida. Quase sempre há alguém partindo de nossas vidas. Ou somos nós que estamos deixando algo para trás. Ela via aquele sol, já quase se pondo, como braços que já a aqueceram nos seus dias de inverno. Ou seus próprios olhos que outrora iluminaram outros caminhos. Vê-lo ir embora lhe dava certa nostalgia, mas ela entendia que chegara a sua hora.

No fundo, nós estamos com medo

No fundo, nós estamos com medo

O policial acorda cedinho e beija seu filho como se fosse a última vez antes de ir pro trabalho. Hoje ele sabe, será mais um dia de enfrentamento da Tropa de Choque. E seus olhos se enchem de culpa quando o seu filhinho lhe faz prometer que sim, o papai irá voltar para casa. A professora do Ensino Fundamental público respira fundo antes de entrar na sala do oitavo ano, e reza baixinho uma prece que sua mãe lhe ensinou para as causas perdidas. Ela coloca a mão sobre o rosto para lembrar-se do hematoma, que já nem existe mais, no seu olho esquerdo. É que a dor de levar um soco do aluno que não aceitou ser repreendido dói para sempre.

“O único meio de falar a verdade é falar sempre com amor”

“O único meio de falar a verdade é falar sempre com amor”

Desde que descobri o mundo da escrita, tenho pensado muito na minha avó materna Ida Catarina. Ela era uma mulher forte, vibrante e batalhadora e, por meio das cartas que escrevia, deixou para nossa família mensagens de amor e fé em forma de poesia. Minha avó não tinha o ensino primário completo e mesmo assim foi poeta. Algumas vezes, fica tão difícil encontrar as palavras trancadas aqui dentro que preciso pedir a sua ajuda. Então, eu mentalmente envio uma carta para ela.

Um feliz Dia das Crianças àqueles que já cresceram

Um feliz Dia das Crianças àqueles que já cresceram

Abri o maleiro do meu guarda-roupa e da minha memória para reviver as recordações de uma tenra idade. Minha infância ocorreu nos anos oitenta. Revisitar o passado, abrindo caixas de papelão e sonhos guardados, levou-me a uma incrível viagem através do tempo, onde puder voar novamente num Balão Mágico para um mundo bem mais divertido e super fantástico.

Viver é resgatar os sonhos esquecidos no fundo do armário

Viver é resgatar os sonhos esquecidos no fundo do armário

Vencer dificuldades, ultrapassar preconceitos e seguir em busca de sonhos e ideais nem sempre é uma jornada fácil nessa vida tão competitiva e cheia de inveja e intolerância. E, muitas vezes, temos que primeiramente enfrentar uma luta interior antes de estarmos prontos para a guerra que acontece lá fora. Mas, quando existe paixão de verdade e uma autêntica aspiração de quem sonha, não há limites que possam ser enfrentados. Quando eu escrevo, tento superar os meus limites. Inicio uma busca incessante das minhas lembranças, de mim mesma, dos meus sonhos guardados e até daqueles que foram esquecidos em caixas bem lá no fundo do armário.

Vamos nos abraçar de dentro para fora

Vamos nos abraçar de dentro para fora

Às vezes, eu paro e penso por que comecei a escrever. Sim, por quê? Não tem nada a ver com a minha profissão, ocupa parte do meu tempo e me deixa constantemente nesse estado de inquietação. Mas, então, percebo que nunca mais fui a mesma desde que passei a trilhar o meu caminho com as vírgulas e as palavras. E sei, também, que ainda estou engatinhando nessa jornada por entre versos e parágrafos, e sinto que é uma ida sem volta, porque eu não consigo mais parar.

Podemos estar separados por distâncias, mas estamos juntos pelos mesmos sonhos

Podemos estar separados por distâncias, mas estamos juntos pelos mesmos sonhos

Sentada na janela do trem, vi ovelhas num vale de infinito verde, cujo horizonte era delimitado pelo crepúsculo anunciando a noite calma, seus últimos raios de luz iluminando o céu em azul, púrpura, laranja e amarelo. A paisagem bucólica se misturava às casas escocesas feitas de pedras sólidas dos séculos passados. Enquanto as cenas através da janela iam ficando para trás, junto com os meus bons e ruins dias já vividos, eu mirei a esperança na próxima estação, porque ela sempre espera a coragem de quem se encontra na solidão para seguir adiante.