Autor: Edival Lourenço

10 atitudes típicas de um viciado em livros

10 atitudes típicas de um viciado em livros

Quanto mais se fala no fim do livro físico, mais aumenta o número de aficionados por livros. A dependência literária chega a ponto de causar síndrome de abstinência e leva o compulsivo a tomar atitudes estranhas, só para criar oportunidades de ficar mais tempo junto a seu objeto de desejos. Em tom de brincadeira, mas baseado em situações reais, foram alinhadas dez atitudes típicas de pessoas realmente viciadas em livros. Se você se enquadrar em seis itens ou mais, já é um caso grave da síndrome e precisa se internar numa clínica detox para bibliomaníacos.

99 coisas para fazer antes de morrer

99 coisas para fazer antes de morrer

A vida requer contrastes. Entre claro e escuro, calor e frio, bonança e ralação, velocidade e inércia, alegria e sofrimento. De preferência sem ingestão de Prozac, para que possa ser sentida em toda a sua plenitude. A vida sem esse jogo apodrece feito água parada. Sobre isso escreveu o poeta Francisco Otaviano: “Quem passou pela vida em branca nuvem. E em plácido repouso adormeceu. Quem não sentiu o frio da desgraça. Quem passou pela vida e não sofreu. Foi espectro de homem, não foi homem. Só passou pela vida, não viveu”. E mesmo sabendo que palavras não dizem muito — que atitudes dizem mais —, sugerimos uma lista de 99 pequenos e grandes gestos que, obviamente não irá mudar a vida de ninguém, mas poderá nos mostrar que a vida é curta para não ser pequena.

Dance dance dance com o beat japonês

Dance dance dance com o beat japonês

Haruki Murakami é um escritor modernista. Ele buscar retratar o mundo japonês contemporâneo, num confronto ainda que um pouco velado entre o zen-budismo, (ideologia tradicional influente na formação da sociedade) e o capitalismo japonês, com seu consumo sem limites. Para isso ele se vale da cultura pop. Pop no sentido deleuziano, em que elementos da cultura popular de massa, (no caso, os rocks e as baladas que tocam no rádio e filmes de segunda linha, por exemplo), são buscados para se levantar questões mais profundas.

26 livros que mudaram minha vida e podem mudar a sua

26 livros que mudaram minha vida e podem mudar a sua

A presente lista, como as listas de um modo geral, tem algo de arbitrário e aleatório. Mas na medida do possível procurei citar aqueles livros que mais fortemente me marcaram em algum momento e por isso mesmo são minhas influências mais recorrentes. É claro que influências não ocorrem apenas por admiração, mas também e, sobretudo, por antipatia. Ative-me apenas a livros de ficção em prosa. Não citei livros igualmente importantes nas áreas de poesia, filosofia, história, ensaio, crítica literária, divulgação científica. Muitos outros livros de ficção me marcaram também, como “Memorial do Convento”, de José Saramago e “Histórias Extraordinárias”, de Allan Poe, que, por questão de limites, ficaram de fora.

A literatura é o único instrumento realmente capaz de mudar o homem

A literatura é o único instrumento realmente capaz de mudar o homem

Antes que falemos de Literatura, há um fator precedente que é oportuno mencionar, especialmente por ocasião do Dia Internacional do Livro. A Literatura, antes mesmo das inscrições rupestres, já existia em sua forma oral. É fácil imaginar o Homo sapiens, ainda na era das cavernas, no fim do dia, ao redor do fogo, narrando suas façanhas de caçador. Certamente aquele que tivesse a melhor estratégia narrativa acabava por angariar vantagens competitivas naquela civilização incipiente. Poderia exercer algum posto de liderança e comando, reivindicar os melhores glebas de caça, reservar para si as mulheres mais saudáveis e gerar as proles mais bem sucedidas. É razoável supor que pela prevalência do mais apto, somos descendentes de uma linhagem de trogloditas contadores de histórias.

Deus não existe!…

Deus não existe!…

Admitindo que Deus esteve por trás do big-bang que supostamente deu origem ao mundo, com sua alquimia explosiva, Ele esperou com paciência por mais de 14 bilhões de anos para inserir o homem em sua arena. Se fôssemos tão importantes como supomos ser, talvez Deus tivesse nos preparado mesmo antes da construção do cenário e nos conservado no formol divino e nos inserido em cena desde o primeiro ato. Já o Homo sapiens, ao contrário de Deus, é um bicho extremamente ansioso. Queremos alcançar resultados, atingir objetivos desde as primeiras ações.

105 coisas para fazer em 2015

105 coisas para fazer em 2015

Ano novo chegando. Tempo de mudanças. Não necessariamente de mudanças físicas. Mas, sobretudo de mudanças de atitude, que possam refletir em mudanças físicas. Ou não. Viver, na realidade, é mudar o tempo todo. O princípio da evolução darwiniana: a sobrevivência do mais apto. Do mais adaptável. Terão melhores chances obviamente aqueles mais rápidos no gatilho, que percebam as mudança ambientais e a elas se adaptam, se mimetizam, como os camaleões. Às vezes a adaptação requer enfrentamento. O que significa não adaptar-se ao ambiente. Mas adaptar o ambiente a si. São os empreendedores, os pioneiros, os gênios dignos do nome. De qualquer forma, a mudança do calendário é um tempo propício, simbólico para empreender mudanças. Portanto, mãos à obra.