Autor: Eberth Vêncio

Cuidado ao sair de casa! É natal

Cuidado ao sair de casa! É natal

Eu tava dirigindo pela cidade, digerindo postas de melancolia, quando entrou o homem do rádio e disse “Quisera a vida fosse só viola, sem violência”. Bingo! Eu concordei com ele na horinha. “É natal — ele falou — mesmo assim, apesar do enxame de sorrisos apalermados por onde quer que se ande, urge alertá-los, caros ouvintes, que muitos homens não se sentem menos perversos nessa época do ano. Com sede de maldade, eles não cedem às cócegas da truculência, nem que a rena tussa”.

Motivos pra não me mudar do Brasil

Motivos pra não me mudar do Brasil

As aves. As aves que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá. Ora, não me lancem artilharia pesada. Guardem suas pedras para quebrar as asas da imaginação, que esse mundo não passa mesmo disso: pura ilusão. “É plágio”, vão me acusar. Putz! Não estou plagiando Goncalves Dias, estou citando Goncalves Dias. E por falar na luz do dia, as nossas noites são muito mais lindas que as noites deles. Quem nunca mirou o céu estrelado do centro-oeste brasileiro sem se descobrir pequeno, sem se sentir insignificante, um perdedor, não sabe o que está ganhando.

Paul McCartney fala com exclusividade a Revista Bula

Paul McCartney fala com exclusividade a Revista Bula

Deu nos jornais que Paul McCartney trouxe chuva ao Brasil. Eu nem precisava ler, pois presenciei parte da coisa bem de perto. Paul derramou lágrimas do céu e chuva dos olhos dos fãs. Na sua passagem por Cariacica, Brasília e São Paulo, ele deu banho de vitalidade e carisma. Salvou o meu ano e, ainda por cima, está me ensinando a relevar a humanidade. Quando vejo Paul McCartney metendo bronca no palco, brilhando como um daqueles rojões que sempre espocam durante a performance ao vivo de “Live and let die”, chego a pensar que o ser humano talvez tenha remédio. “The love you take is equal to the love you make”. É isso aí.

Poesia não enche barriga

Poesia não enche barriga

“Uma mulher que palita os dentes num restaurante não possui a menor credibilidade, muito menos merece um soneto” — pensou cheio de inconformismo, enquanto derramava café expresso no túnel esofágico. Chamou o gerente, reclamou do preço da chuleta, do atendimento do garçom, do calor que fazia ali dentro, da morena que arrancara nacos de carne presos entre os molares, do intestino solto do recepcionista, de qualquer coisa que justificasse o não pagamento da gorjeta pelos serviços prestados.

Lista dos sonhos que nunca envelhecem

Lista dos sonhos que nunca envelhecem

Fazer um recall da Big Bang. Disputar o céu com os pássaros usando apenas as minhas asas de cobra. Morrer pela boca num beijo bem velhinho dormindo num dia de domingo e despertar no paraíso com a cabeça repousada no colo da vovó com Deus uma mulher (que surpresa incrível!) a coar o café. Enterrar pessoas só de brincadeirinha única e exclusivamente na areia. Construir castelos na praia sem ter medo da maré.

Guia rápido para tomar o poder e manter as amizades

Guia rápido para tomar o poder e manter as amizades

“Perdi um amigo”, ele disse. Não que o dito cujo tivesse se lascado e morrido. Não era nada isso. Não que ele estivesse nalgum paradeiro desconhecido, errando de maneira insana, a esmo, sem eira nem beira. Também não. Ele apenas supunha que alguém descartaria a sua amizade. Era isso. Ele não quis desdenhar da situação, dizer que não estava nem aí pra paçoca. Pois pertencia àquele tipo de gente cujos amigos podiam ser contados nos dedos que ainda assim sobrariam falanges. Daí o desassossego sincero, condoído, que sentia por causa do entrevero. “Nos dias de hoje, perder um amigo não é brinquedo, não é coisa que se comemore”— concluiu, mais frustrado que uma freira morta ao bater na porta do céu e descobrir que, na verdade, ele nunca existira.

Só leia isso se não tiver mais nada pra fazer

Só leia isso se não tiver mais nada pra fazer

Não me queiram mal, não me desentendam, não vão pensar que eu pirei. É que, realmente, hoje estou feliz. E com felicidade se brinca. Sinto-me tão alegre que poderia até lhes escrever um texto fofo e otimista, desses que falam do amor vencendo no final. Afinal, o que seria do mundo se não houvesse o contrapeso de uma rima à altura da dor?