Crônicas

A minha primeira vez: na íntegra e sem cortes

A minha primeira vez: na íntegra e sem cortes

Eu sei que as demandas da hora andam periclitantes, mesmo assim vou contar, na íntegra e sem cortes, a minha primeira vez pra vocês. Eu sei, por exemplo, que muitos estão preocupadíssimos consigo mesmo — para variar — em virtude da recente disparada do dólar. Alguns porque viajariam em compras maníacas para Miami; outros, em lua de mel para Cancun. Os primeiros — quem sabe — terão que se contentar com as liquidações de ponta de estoque das lojinhas na 25 de março em São Paulo. Aos segundos — esta hipótese até que não soa tão broxante assim — talvez reste apenas trocar juras de amor numa pousadinha barata na montanha.

Tem gente que nem se enxerga. É o seu caso?

Tem gente que nem se enxerga. É o seu caso?

Há monólogos, solilóquios. Pessoas monocórdicas que, sem se darem conta, gastam sua existência batendo sempre a mesma tecla. Aí vem alguém e diz: água mole em pedra dura tanto bate até que fura, replicando mais um bordão popular. Mas e a teimosia, a renitência, os cabeças-de-mula: aonde se encaixam nesta situação? É difícil ter ouvidos para ouvir, olhos para enxergar e observar nuances relacionais. Bocas sábias que só se pronunciem e divulguem o que realmente importa.

Estão lixando a nossa alma enquanto a gente se diverte

Estão lixando a nossa alma enquanto a gente se diverte

A tentação do consumo, esse desejo que nos faz consumir não para viver, mas viver para consumir; a razão que nos leva a comprar uma roupa não para nos agasalhar, mas para humilhar o próximo que não pode ter uma roupa de grife, nos corrói as fibras do coração e boa parte de nossa alegria de viver sem malícia. Não somos nós que escolhemos as marcas; mas as marcas que nos escolhem. E ainda achamos bonito que isso seja chamado de “liberdade de escolha”.

66 tipos de medos dentre os 666 que invadem nossa vida

66 tipos de medos dentre os 666 que invadem nossa vida

Medo de ser fiel demais. Medo de dizer eu te amo. De gritar eu te odeio. Medo de virar pobre mesmo e ficar também pobre de espírito. Medo de ficar rico demais e se perder no meio da ganância. Medo de ser seguido por muita gente no Twitter ou Facebook que fica de olho em tudo o que você faz, a cada minuto do seu dia. Medo de parecer jovem demais pra idade que tem. De parecer velho decrépito, 10 anos mais idoso do que se é.

Desgraça pouca é bobagem

Desgraça pouca é bobagem

A violência é um despertáculo ao qual não nos acostumamos, senão nos ambientes de guerra, onde o vale-tudo da carnificina se dá em zonas neutras, abençoadas pela justiça humana, onde se pode trucidar o inimigo, e ainda por cima, ganhar uma medalha, uma condecoração por ato de bravura e, com muita sorte, até uma estátua num jardim, a servir de latrina para os passarinhos.

Quem foi que disse que o silêncio não mata

Quem foi que disse que o silêncio não mata

Já parou pra ouvir? Volta e meia, o silêncio tenta nos dizer tantas coisas, sussurrar segredos lá dentro dos nossos ouvidos, mas estamos ocupados demais para prestar atenção. Ou então tagarelando, jogando conversa fora, linguarudos toda a vida. Só um zíper pra fechar nossa boca maldita. Que, aliás, nem sempre funciona. Há silêncios de todos os jeitos, tonalidades, inflexões, cores e propósitos. Silêncios poéticos. Teatrais. Os discretos discursos da alma.

É proibido ser feliz sozinho

É proibido ser feliz sozinho

Aviso: é proibido fazer trocadilhos nesta área. Mais que impossível, é proibido ser feliz sozinho. É proibido sentir ódio de frente ao mar. Já melancolia, paixão e saudade: pode. A regra é clara: é proibido aos goleiros ateus operarem milagres. É proibida a criação de novas duplas sertanejas em cativeiro. É proibido abortar um poema em germinação. Já chega de tanta prosa e literatura de autoajuda. É proibido calar-se frente a tanta iniquidade.