Autor: Euler de França Belém

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

Umberto Eco (1932-2016) disse que as redes sociais possibilitaram o surgimento — e quiçá uma hegemonia — de uma “legião de imbecis”. Antes, concentrados em bares, tomando vinho ou cerveja, “falavam sem prejudicar a coletividade. Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

A história de três escritoras judias assassinadas pelo nazismo

A história de três escritoras judias assassinadas pelo nazismo

“Neste gênero triste, que não deveria ter existido — a literatura do Holocausto —, prevalecem os grandes nomes, de homens, que se repetem de modo automático: Primo Levi, Elis Wiesel, Paul Celan e Imre Kertész… O único nome de mulher é o de Hannah Arendt, mas ela não passou pela perseguição cotidiana nem pelos campos de concentração — é uma pensadora”, sublinha a autora. A pesquisa é “uma homenagem a todas essas mulheres intelectuais de um grandíssimo nível”.

A fantástica história da Livraria Cultura

A fantástica história da Livraria Cultura

Pode-se dizer que um livro é um objeto delicioso? Creio que sim. É o caso de “O Livreiro” (Planeta, 218 páginas), de Pedro Herz, o empresário que dirige a Livraria Cultura — talvez a melhor do Brasil. Trata-se de um pequeno tesouro. Pedro Herz, de 77 anos, conta como surgiu a livraria, que tem 70 anos, e como está se processando a sua modernização. A rede conta com 17 lojas, 1,5 mil funcionários, 5 milhões de clientes e 9 milhões de produtos.

Jurado de morte, Roberto Saviano lança novo livro e afirma que Itália é um país cruel

Jurado de morte, Roberto Saviano lança novo livro e afirma que Itália é um país cruel

Na Itália é assim: parte dos principais mafiosos está presa, parte está livre — com negócios ilegais, como o tráfico de drogas e extorsão, e legais, como investimentos financeiros e imobiliários-construção civil — e Roberto Saviano, de 38 anos, é uma espécie de homem que vive livre e, ao mesmo tempo, é prisioneiro. A Camorra, a máfia de Nápoles, o condenou à morte. O escritor e jornalista é protegido, dia e noite, por sete carabinieri (policiais).

Hannah Arendt: a filósofa como poeta

Hannah Arendt: a filósofa como poeta

A faceta da judia Hannah Arendt filósofa quase militante — dotada de uma coragem intelectual excepcional, mesmo quando enfrentava o reducionismo e o vitimismo do establishment judaico — é por demais conhecida. Nascida em 1906 e falecida em 1975, é frequentemente citada em livros e reportagens e artigos de jornais de todo o mundo tal a vitalidade de suas ideias. Afirma-se que algumas de suas ideias são insight não desenvolvidos — e seu livro clássico, “Origens do Totalitarismo”, mereceu críticas de vários autores, como os judeus Bruno Bettelheim, psicanalista, e Raul Hilberg, historiador. Nos últimos tempos, nos quais dinheiro compra até amor verdadeiro, tem sido mencionada, com constância excessiva, por sua paixão pelo filósofo Martin Heidegger.

25 livros que são diamantes para o cérebro de crianças e adolescentes

25 livros que são diamantes para o cérebro de crianças e adolescentes

Bons livros para crianças e adolescentes — a chamada literatura infanto-juvenil — são eternos e, mais, podem ser lidos por adultos com igual prazer. Muitos livros, mesmo de qualidade mediana, se tornaram clássicos. As obras de Monteiro Lobato, Alexandre Dumas, Irmãos Grimm, Ruth Rocha, Lygia Bojunga, Ana Maria Machado, H. C. Andersen não morrem jamais. São para sempre. “Meninos da Rua Paulo”, de Ferenc Mólnar, para ficar num exemplo, é um clássico universal e atemporal.

Sartre: o messias da filosofia

Sartre: o messias da filosofia

O francês Jean-Paul Sartre (1905-1980), o gnomo obsceno, talvez tenha sido o filósofo mais comentado e, até, lido do século 20. O que você vai ler neste texto é tão duro que dou duas dicas: há uma ampla biografia, “Sartre”, de Annie Cohen-Solal, que tem uma interpretação menos ácida e mais equilibrada do companheiro de Simone de Beauvoir, e há “Passado Imperfeito — Um Olhar Crítico Sobre a Intelectualidade Francesa no Pós-Guerra”, do historiador britânico Tony Judt.