Autor: Lara Brenner

Amiga-irmã, amigo de infância, amigo distante, amigo grudento. São eles que remendam o ânimo

Amiga-irmã, amigo de infância, amigo distante, amigo grudento. São eles que remendam o ânimo

Amigo é essa coisa curiosa, que está com você apenas porque quer. Com o tempo, tornam-se mais raros, mas aqueles remanescentes se fortificam na permanência. Amizade é dar a mão e oferecer o braço antes que você saiba que precisa dele. É ser a corda que aparece como um milagre no fundo do poço; o beijo carinhoso no meio dos cabelos que se embranquecem a cada dia; o dedo que desvia o percurso da lágrima; o colo que sempre está ali, mesmo quando não está.

2918
A maior prisão que alguém pode viver é o medo do que os outros pensam

A maior prisão que alguém pode viver é o medo do que os outros pensam

Se alguém rejeita uma opinião, por exemplo, não significa que esteja rejeitando a pessoa inteira. Se, em alguma festa, ninguém aborda minha amiga, talvez signifique apenas falta de sintonia, ou que todos ali estão comprometidos, ou que simplesmente não estão a fim. Se, porém, a rejeição for da pessoa por inteiro, vale questionar por que e até que ponto aquela negação tem, de fato, alguma relevância.

14006
O culto ao corpo e o atrofiamento dos cérebros bombados

O culto ao corpo e o atrofiamento dos cérebros bombados

Dando-se uma volta de três minutos no banheiro de alguma das (milhares de) academias por aí, tudo o que se ouve são projetos. O negócio parece escola de engenharia, até que se entenda a intenção por trás das falas: projeto-verão, projeto-Cancun, projeto-noiva, projeto-carnaval… É tanto projeto que Niemeyer morreria — de novo — de inveja. Uma voltinha nos aparelhos e já se pode produzir um artigo científico sobre termogênicos, esteroides, repositores energéticos, proteínas, vitaminas, pró-hormonais e hormônios.

18576
A arte de ser ácido sulfúrico em meio a tantos docinhos

A arte de ser ácido sulfúrico em meio a tantos docinhos

A verdade é que tenho pecado bastante no quesito docinho. Em meio a tanta gente fofa e despida de maus olhados, embebida de energia positiva e corações no lugar dos olhos, por vezes chuto o balde e me embriago mesmo é de ácido sulfúrico. Não é por mal, veja bem, a marca da bebida é vagabunda, qualquer coisa de segunda linha. Não chacoteio problemas existenciais nem nada de grande monta. As significativas manifestações da psique me fogem do parco alcance.

3652
Não é o que você diz. É a forma como diz que estraga tudo

Não é o que você diz. É a forma como diz que estraga tudo

Você certamente já vivenciou isso. Cheio de boas intenções, tentou passar o um recado, dizer algo coerente que ajudasse alguém a se melhorar, mas acabou se embananando todo, perguntando-se repetidamente por que decidiu abrir a boca. Por exemplo, com o tempo, descobre-se que é importante escolher o ângulo pelo qual se passa a mensagem, sem que isso afete sua essência.

5746
A vida é uma sequência de tapas na cara

A vida é uma sequência de tapas na cara

Tapas na cara são excelentes para eliminar certezas. O indivíduo está lá, todo convicto de sua estrada, gestando em si um bocado de verdades… Começa a se achar interessante; tocar um projetinho tímido; colocar um pé atrás do outro, numa frágil linha reta… Incauto! O cenário da segurança é o preferido da hospedeira. É porrada para todo lado.

8163
Sem reciprocidade, todo relacionamento vive à beira de um abismo

Sem reciprocidade, todo relacionamento vive à beira de um abismo

O amor, não há dúvida, é um combustível e tanto para a imaginação. Mas sonhar por sonhar é executável sozinho. É possível realizar mil feitos sem que haja alguém ao lado e, feliz, dividir a vitória com ninguém além de si. O problema é que não se pode sonhar pelo outro; não se podem responder cartas que o outro recebeu e sequer abriu; não se podem conjugar plurais por quem só pensa singular. Que me perdoem os jovens Verthers, mas amor platônico é um suplício.

20120