Livros

10 livros para inspirar o final de ano

10 livros para inspirar o final de ano

O “filósofo” Millôr Fernandes escreveu que livro não enguiça. Tem razão. E dura mais do que automóveis, roupas, sapatos. Livros, como diamantes, são eternos. No período de Natal e Ano Novo, vale, e muito, presentear (com) livros. Nesta lista, idiossincrática como qualquer outra, menciono livros recém lançados, como “O Pintassilgo”, de Donna Tartt; e “A Balada de Adam Henry”, de Ian McEwan; e outros que foram editados no Brasil há alguns anos, mas que ganharam uma nova edição ou nova tradução, como “Homem invisível”, de Ralph Ellison; e “Odisseia, de Homero”.

O melhor livro do ano

O melhor livro do ano

O cartapácio “O Pintassilgo” (Companhia das Letras, 719 páginas, tradução de Sara Grünhagen), da escritora americana Donna Tartt, desconcerta a crítica, mesmo um especialista como James Wood, da “New Yorker”, que não soube apreciá-lo. Os motivos? Aponto um: o romance é uma catedral do século 19 com frequentadores (com hábitos) do século 21. Há um cruzamento hábil, com movimentos rápidos e lentos — simulando um jogo ardiloso, nem sempre visível numa leitura apressada —, da prosa mais convencional do século 19, mais lenta e discursiva, com a prosa experimental do século 20, mais rápida e contida.

10 livros mais citados no Facebook

10 livros mais citados no Facebook

Durante todo o ano de 2014 surgiram enquetes no Facebook pedindo para que as pessoas listassem seus livros preferidos — e sugerissem que os amigos fizessem o mesmo. Na última quinzena do mês de agosto, a equipe do Facebook Data Science monitorou todas as postagens que citassem os termos “10 livros” ou “dez livros”. Aproximadamente 130 mil enquetes foram compiladas. Estados Unidos, Reino Unido e Índia lideraram o ranking de participações. A idade média dos participantes foi de 37 anos. O número de mulheres que responderam a enquete foi três vezes superior ao número de homens. No resultado, clássicos como “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen, e “O Apanhador no Campo de Centeio”, de J.D. Salinger, se misturam a ‘Blockbusters’ como “O Sol é Para Todos”, de Harper Lee, e “Jogos Vorazes”, de Suzanne Collins.

Manias ou métodos de trabalho de 10 escritores clássicos

Manias ou métodos de trabalho de 10 escritores clássicos

No livro “Rituales Cotidianos — Como Trabajan los Artistas” (Turner, 264 páginas), Mason Currey registra as manias ou hábitos de trabalho de mais de 160 criadores célebres. O jornal “ABC”, de Madri, arrola, no texto “Las manías de los grandes escritores”, o que chama de “manias” de dez prosadores. O livro, inédito no Brasil, explica como os escritores, de James Joyce a Philip Roth, escreveram suas obras-primas.

22 livros que são diamantes para o cérebro

22 livros que são diamantes para o cérebro

Livros, bons livros, são verdadeiros diamantes para o cérebro ou, se se quiser, para a alma. Aliás, até maus livros, se bem lidos, se tornam pelo menos uma vistosa bijuteria. Nesta lista, idiossincrática como qualquer outra, menciono livros que, em geral, foram editados no Brasil há alguns anos. Mas poucos estão fora de catálogo. Os que estão podem ser encontrados em sebos — caso da obra-prima “Paradiso”, romance do Lezama Lima. Quando Fidel Castro for um rodapé na história de Cuba, daqui a 55 anos, Lezama Lima permanecerá sendo lido.

300 livros sobre arte para download gratuito

300 livros sobre arte para download gratuito

A Getty Publicações, programa da J. Paul Getty Trusts —instituição cultural e filantrópica norte-americana que reúne organizações como o J. Paul Getty Museum, o Getty Research Institute e o Getty Conservation Institute, disponibilizou uma biblioteca virtual com parte de seu catálogo em comemoração aos 45 anos de atividade editorial. São aproximadamente 300 livros para download gratuito. As obras disponibilizadas são títulos premiados, publicados entre 1968 e 2013, e que podem ser pesquisadas por temas, títulos, autores ou palavra chave.

40 frases impagáveis do Barão de Itararé

40 frases impagáveis do Barão de Itararé

Criador do jornal “A Manha”, o Barão ridicularizava ricos, classe média e pobres. Não perdoava ninguém, sobretudo políticos, donos de jornal e intelectuais. Ele não era barão, é claro. Mas deu-se o título de nobre e nobre se tornou. O primeiro nobre do humor no Brasil. Debochava de tudo e de todos e costumava dizer que, “quando pobre come frango, um dos dois está doente”. Ele é um dos inventores do contra-politicamente correto.