Detesto filmes que me fazem chorar. Mas sou viciado neles

Detesto filmes que me fazem chorar. Mas sou viciado neles

Passados mais de 30 anos, contrariando as recomendações dos especialistas em Covid-19, em quarentena, em saúde mental e outros babados pandêmicos nunca antes imaginados, para que as pessoas evitassem os porres homéricos, os regimes alimentares famélicos e os filmes tristes — ou seja, cutucar onça com vara curta —, acabei revendo “Cinema Paradiso”, de Giuseppe Tornatore.

Um brinde a Neruda

Um brinde a Neruda

Como as frondosas árvores de Temuco, teus fonemas geraram sementes; e essas sementes persistirão, aguerridas, nas rugas do tempo, e germinarão nos sulcos adubados da terra. Assim, uma vez mais, poderão testemunhar: o Canto Geral renascerá, diariamente, pois dele não pode prescindir a marcha pela liberdade.