Autor: André J. Gomes

E se o amor pegar você, a culpa é sua

E se o amor pegar você, a culpa é sua

Cuidado. Quando você menos espera, ele vem e acerta você em cheio. Acontece do nada, sem aviso, a cada um de nós. De repente, uma avalanche desaba sobre a sua cabeça. É bom você se preparar. Depois, quando acontecer, não reclame. Sim, porque se o amor pegar você de jeito, a culpa será toda sua. Uma hora vem alguém e entra. Agora mesmo, em algum lugar insuspeitado há pessoas organizando passeatas, manifestações, protestos para bagunçar a ordem sisuda das coisas e esparramar amor pelas ruas.

Carta para alguém que espera

Carta para alguém que espera

Hoje voltou o frio. Veio como havia muito não vinha. Gelou o ar, esfriou o sofá da sala, resgatou meias, casacos e dores do fundo de uma gaveta que emperra como não quisesse abrir. Chegou sabe-se lá de onde, do pacífico, dos polos congelados, do sul do país. Não importa. Aqui faz frio. Em seu sopro fresco e úmido, esse frio há de aquecer os ímpetos de alguém. Há de animar as almas boas que se reúnem no calor de suas mesas, em volta de suas histórias contadas na fumaça perfumada das panelas bafejando decência. A mim, o frio me reencontra desprevenido e ridículo.

Amor de verdade também acaba

Amor de verdade também acaba

Se preocupe não, moça. Não é você. Sou eu. Não tenho jeito pra esse negócio de amor. Acho lindo, acho lindo nas canções que você e eu amamos juntos. Mas na verdade, assim, no tempo duro de um dia depois do outro, o amor toca desafinado para mim, obrigatório, repetido, música com refrão meloso. Não é você, moça. Sou eu. É que eu não tenho muito que dar. Não rendo, não sei telefonar à noite, não sustento conversas sem assunto, diálogos sem tema. Não é você, linda, doce, cheia de graça. Sou eu. Vazio, triste, estranho.

Receita para salvar o mundo sem perder o dia

Receita para salvar o mundo sem perder o dia

De repente, a moça que caminha rumo a seu dia de trabalho empaca na calçada, entre os milhares de pedestres que vão e vêm apressados. Ela para como a comida que entala na garganta, como a pedra que estanca no curso do riacho, riscando desenhos na água em seu fluxo suave, e decide salvar o mundo. Enquanto as ondas de pessoas passam com pressa, ela para e olha. Postada sobre suas intenções, ela olha as pessoas.

Da arte de não querer ouvir o que já sabemos

Da arte de não querer ouvir o que já sabemos

Primeiro aconteceu no congestionamento de uma cidade grande, com aquele sujeito pequeno que decidiu fazer uma faxina no interior de seu carro enquanto o trânsito não andava. Indiferente como os ponteiros de um relógio que atropelam a vida em total desaviso, juntou o entulho que ali havia, restos de comida, maços vazios de cigarro, latas de cerveja amassadas, e atirou tudo à rua pela janela, sob meia dúzia de olhares apáticos vindos de um ou outro veículo entre as centenas que ali jaziam por todos os lados.

Ponto de encontro dos corações desencontrados

Ponto de encontro dos corações desencontrados

Despertos que vagam no seio da noite, quatro ou cinco ou seis bilhões ou mais, é tempo de estarmos juntos. Notívagos, estressados que não adormecem, sensíveis que despertam ao menor barulho no interior de suas cabeças, almas boas oprimidas pela marcha barulhenta do ódio gratuito e diário, sob as botas pesadas da inveja e o calcanhar rachado da burrice, já passa da hora de nos unirmos.

Ganhar a vida é aprender a perder

Ganhar a vida é aprender a perder

Desde seus primeiros brinquedos desaparecidos na terra do quintal e as figurinhas engolidas pelos vãos do sofá, ele relembra suas perdas da vida inteira. Pensa em cada lugar esquecido, revisita planos abandonados, acena para amores passados, desculpa-se com amigos preteridos. E outra vez se dá conta de que, muito mais do que seus ganhos poucos, um homem se constrói a partir de suas tantas perdas.

A chuva que varre os velhos ódios e a vida que brota em cada um de nós

A chuva que varre os velhos ódios e a vida que brota em cada um de nós

E no fim do trigésimo terceiro dia de calor desumano, uma chuva impetuosa varreu as ruas e as praças e os telhados das casas na terra abatida pela seca, a burrice e a falta de amor. Lá de cima, um batalhão de nuvens robustas disparava toneladas de água fria sobre a vida inflamada aqui embaixo, levantando do solo outras nuvens grossas de vapor e alívio em franca liberdade de volta ao céu.

E de tanto sermos diferentes, no fim somos todos iguais

E de tanto sermos diferentes, no fim somos todos iguais

Paulo é um adolescente descobrindo a vida e o valor da amizade. Na companhia de seus amigos, deixou de ser um menino inseguro e cabisbaixo. Sai em grupo à noite com a turma e nunca mais levou um desaforo para casa. Ele conta cheio de emoção no colégio sobre o dia em que socou a cara de outro menino até derrubá-lo e pisar na cara dele contra a calçada. E está pensando se conta a seu pai que saiu com os outros meninos de carro à noite para atirar ovos nas prostitutas. O Facebook de Paulo tem 1.994 amigos, e ele acaba de confirmar presença em um protesto contra a violência.

A saudade mais honesta é a do que nunca existiu de verdade

A saudade mais honesta é a do que nunca existiu de verdade

Acontece com todo mundo. Você está lá, como toda gente se equilibrando entre sua pequena multidão de afazeres, levada pelo fluxo impiedoso de seus eventos diários, na correnteza involuntária de um dia depois do outro, e sobre sua testa chuvisca um sentimento inesperado. Sem susto, você o reconhece de pronto. Ele é um velho e íntimo sentimento familiar. É a saudade do que você nunca viveu.