É hora de tirar os sentimentos das prateleiras

É hora de tirar os sentimentos das prateleiras

Imagine-se em um supermercado absolutamente vazio, porém com as prateleiras abarrotadas de produtos de diversas categorias. Nesta cena, apenas você desfila pelos corredores, deixando no ar a reverberação dos seus sapatos de couro. Aquele ruído, dentre tantos outros, que gostamos de ouvir num filme, enquanto devoramos pipocas no cinema. Já pensou nisso? Exercite suas fantasias então. Pense agora num filme sem barulhos, trilhas sonoras e outros fascinantes malabarismos das mixagens de áudio. Você estará assistindo a uma história agonizante, quase morta, que não nos toca, nem emociona de modo algum.

Guia rápido para tomar o poder e manter as amizades

Guia rápido para tomar o poder e manter as amizades

“Perdi um amigo”, ele disse. Não que o dito cujo tivesse se lascado e morrido. Não era nada isso. Não que ele estivesse nalgum paradeiro desconhecido, errando de maneira insana, a esmo, sem eira nem beira. Também não. Ele apenas supunha que alguém descartaria a sua amizade. Era isso. Ele não quis desdenhar da situação, dizer que não estava nem aí pra paçoca. Pois pertencia àquele tipo de gente cujos amigos podiam ser contados nos dedos que ainda assim sobrariam falanges. Daí o desassossego sincero, condoído, que sentia por causa do entrevero. “Nos dias de hoje, perder um amigo não é brinquedo, não é coisa que se comemore”— concluiu, mais frustrado que uma freira morta ao bater na porta do céu e descobrir que, na verdade, ele nunca existira.

Despedir-se é morrer um pouco. Vamos viver!

Despedir-se é morrer um pouco. Vamos viver!

Olha, alguém me disse que você vai embora. Que vai mudar de cidade, de país, de planeta e vem se despedir. Senti um gelo na barriga. Uma vontade de sair correndo, sabe? Um ímpeto de desaparecer e voltar depois, mais tarde, quando você já tiver partido. Não por nada. É que eu não gosto de despedidas. Não gosto, não. Não gosto mesmo desse negócio. Resisto a tudo. Jiló, muriçoca, bife duro, ar-condicionado quebrado, vizinho barulhento, internet lenta. Tudo! Menos despedida. Quem é que gosta? É, tem sempre um e outro que não se importam. Eu, não. Eu fujo, corro, me escondo. Assumo minha total e absoluta covardia. Eu sou um covarde de despedidas.

Não importa se acabou. Amar é recomeçar

Não importa se acabou. Amar é recomeçar

Uma vez meu pai trouxe pra casa uma bacia cheia de cajus amarelos e vermelhos que foram colhidos na chácara de um amigo. O aroma doce daquelas frutas e o brilho de seus pedúnculos carnudos de cores vivas me fizeram imaginar, nos meus oito anos de idade, como seria a árvore que dava algo tão bonito daquele jeito. Aquela curiosidade infantil fez meu pai nos levar ao jardim em frente da nossa casa e, juntos, nós cavamos com nossas mãos grandes e pequenas um buraco onde colocamos uma semente de caju amarelo e outra de caju vermelho.

Atenção: vendo coração por preço de banana

Atenção: vendo coração por preço de banana

O que mais se vê por aí são amores sem amor, como aqueles de posse, donos um do outro tipo sequestrador e vítima, amordaçada e obediente. Um manda, o outro acata. São “felizes” assim nessa relação de sequestro, mesmo com a certeza de que esse contentamento tem prazo de validade. Existe também o amor de expectativa, onde uma vez superada, voa como mariposa pairando de flor em flor. Em outra categoria estão os amores pífios e baratos. Dão feito chuchu na serra, e de tão ordinários, não chagam a valer nem 1,99. Sobrevivem por interesse, sem paixão, alguns se mantêm vivos apenas por gratidão.

Ato de apoio a uma ampla, geral e irrestrita intervenção amorosa

Ato de apoio a uma ampla, geral e irrestrita intervenção amorosa

Alto lá! Mas que fechar o congresso, o quê? Que história é essa de uso da força? De onde vem essa maldosa fantasia de acender o fogo das tropas e clamar poder aos batalhões? Parem com isso! Nossa necessidade é outra. Nós precisamos é de uma urgente, total e irrestrita intervenção amorosa! Cessem o fogo das farpas! É tempo de descansar os pés dessa marcha violenta rumo a nada! Afinal, o que estamos fazendo senão lutando contra nós mesmos?

Vem, vamos voar daqui. Lá do alto dá pra ver como somos pequenos

Vem, vamos voar daqui. Lá do alto dá pra ver como somos pequenos

Ah… pessoa amiga, essa vida tem de tudo. Tem risos e choros, brigas e tréguas, achados e perdidos, secos e molhados. Tem quem ganha e tem quem perde, quem encontra e desencontra. Tem tanto medo provocando nossas coragens! Tanta dúvida, tanto “só Deus sabe”, tanto Amém para pouca reza. E entre tudo isso estamos nós, caminhando nossos altos e baixos, na vida que tem mesmo de tudo um pouco. Mas é certo que, de quando em vez, esse pouco vira muito ou, no mínimo, mais do que a gente aguenta.