É no copo meio cheio que encontramos força e sentido. Priorizar o lamento é torturar a si mesmo

É no copo meio cheio que encontramos força e sentido. Priorizar o lamento é torturar a si mesmo

Sempre tive um pouco de resistência aos que acordam cantando e gargalham sem motivo. Olhava com desconfiança para aquela criatura que parecia brotar de um musical da Disney em plena segunda-feira de trânsito pesado e boletos atrasados. Apostava comigo mesma que mais cedo ou mais tarde os passarinhos verdes haveriam de ceder espaço ao Demônio da Tasmânia que mora em cada um de nós e a hashtag “gratidão” daria lugar a indiretas amargas no Facebook. Até que entendi que, com exceção de alguns poucos que forjam positividade para alimentar vaidades, há um número enorme de pessoas ensinando genuinamente as vantagens de enxergar o mundo com olhos mais otimistas.

2088
A obsessão por celebridades é um soco no estômago de nossa autoestima

A obsessão por celebridades é um soco no estômago de nossa autoestima

Curiosidade por quem está no topo não é privilégio deste século. A vida da corte e da nobreza, bem como de certos intelectuais renomados, sempre foi cercada de bochichos e cochichos. Desde sempre, as pessoas curtem o escapismo das fofocas e unem-se em torno de um mesmo ídolo, respirando juntas o aliviado ar de quem sai de suas vidas normais e vive algo que pareça extraordinário. Formar satélites em torno de coisas em comum dá certo senso de identidade, de existência. Alimenta uma imposição psicológica.

1179
As 10 melhores canções dos Beatles

As 10 melhores canções dos Beatles

Aproveitando tamanha ignorância quanto aos desígnios dessa vida, a Revista Bula pediu aos leitores que apontassem quais seriam as dez melhores músicas dos Beatles. Listamos abaixo as preferidas e já estamos com o lombo preparado, devidamente azeitado, para receber as lambadas dos descontentes. Como sói ocorre a qualquer lista, a polêmica está no ar.

47603
Grande campanha pela vida: cada um cuida da sua

Grande campanha pela vida: cada um cuida da sua

Ninguém quer admitir fraqueza, demonstrar pobreza, nem assumir a normalidade. As pessoas precisam sentir que são extraordinárias, e, para isso, preferem mostrar a feiura do outro do que ressaltar a própria beleza. Como o macaco, que esconde o rabo, e ri do rabo do outro. Apagar as luzes é mais fácil do que fazer brilhar a própria luz. As pessoas estão cada dia mais competitivas, concorrendo incessantemente umas com as outras, disputando postos ilusórios e fugazes de quem é o mais bonito, o mais inteligente, rico, influente.

3265
99 doses de Nietzsche

99 doses de Nietzsche

Publicado no Brasil pela editora Sextante, “Nietzsche para Estressados” é um pequeno manual que reúne 99 máximas do gênio alemão e sua aplicação a várias situações do dia a dia. No livro, cada capítulo é iniciado por um aforismo de Nietzsche, seguido de uma interpretação atual, feita por Allan Percy, autor da compilação. Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em 1844, na cidade alemã de Röcken. Escreveu centenas textos críticos sobre religião, moral, cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia e aforismo. Seu legado filosófico até hoje não perdeu o poder de inspirar.

45631
Se você está perto dos 40, talvez esse texto seja pra você

Se você está perto dos 40, talvez esse texto seja pra você

Faz tempo que tenho preferido os jantares com amigos às baladas. Concluí que já não suporto mais o barulho incessante. Não tenho mais paciência para cantada barata. Gosto de gente que gosta de conversar. Também gosto de acordar cedo nos finais de semana. Acostumei-me às cervejas artesanais e aos vinhos, pois em vez de encher a cara, aprendi que bom mesmo é apreciar o momento, sem afetações ou exageros.

3662
Quando você cresce, seu coração morre

Quando você cresce, seu coração morre

Eu quase fui o primeiro da sala. Em matéria de vida, continuo na dependência. Só sei que nada sei, sei que já ouviram isso antes. Eu quase me tornei um jogador de futebol. A bola simplesmente discordava disso, estranhava as minhas pernas, ribombava nas canelas. Um perna-de-pau a menos a pisotear a grama. Eu quase ganhei um monte de grana. Só que eu não apostava em loterias. Nunca pensei em me tornar um milionário. Juro. Eu achava os burgueses da escola uns chatos. E como cheiravam à loção de lavanda. Brancos, lisinhos, bem penteados, nauseantes.