A tristeza dói. Ser feliz dói mais ainda

A tristeza dói. Ser feliz dói mais ainda

Viver dói. E não estamos pensando somente nas dores de dente e nem nas cólicas renais que nos desafiam a sorrir. Muito menos na artrose que nos retardam a caminhada. É que sabemos o que está escondido atrás das fotos sorridentes nas redes sociais, das dificuldades de lidar com sonhos frustrados e do silêncio pesado de uma noite mal dormida. Sim, é isso que dói.

Carta aberta aos canalhas

Carta aberta aos canalhas

Aquela história de se julgarem a cereja do bolo, a última Coca-Cola do deserto, a bala de prata do tambor, e coisa e tal, tudo isso é balela. Não subestimem tanto assim o restante do planeta. Podem acreditar: quando revirarem as suas tripas durante uma autópsia — enquanto comentam os peitos novos da papiloscopista ou os resultados da última rodada da Champions League de futebol — não vai dar pra saber que seres humanos incríveis vocês eram, se amavam demais, se odiavam de menos, se tratavam a solidão da maneira mais delicada possível.

O amor é para os atrevidos. Deixe de coisa e vá buscar o seu

O amor é para os atrevidos. Deixe de coisa e vá buscar o seu

Então fica assim. Para o bem de todos os amantes, para a saúde de todo ser amado, quem quiser um amor verdadeiro vai ter de ir buscar. Esse negócio de esperar no sofá, a TV ligada, o olhar perdido, a vida em estado de suspensão por longos fios de baba enquanto a pessoa perfeita não vem, tudo isso fica revogado até segunda ordem. Desista que do céu não vai

Cada velho que morre é uma biblioteca que se incendeia

Cada velho que morre é uma biblioteca que se incendeia

Acendi o cigarro de um bebum e fui pensar naquele provérbio supostamente africano. Nem sempre era assim. Conhecia certos velhotes que, mesmo bem medidos e apurados, não dariam mais que um montinho de folhas secas, de esterco de frango, de absorventes ensanguentados a arderem em chamas no quintal. Homens são incendiários. Tem gente que toca fogo em tudo, vocês sabem. Eu não. Eu preferia inflamar as discussões.

Somos contraditórios. Não aceitamos que nos prendam, mas não admitimos que nos soltem

Somos contraditórios. Não aceitamos que nos prendam, mas não admitimos que nos soltem

Somos a certeza do que não queremos, a dúvida pelo caminho a seguir, o talvez que pende entre o sim e o não, mudando de acordo com o vento. Somos a conformidade dos dias cinzas, o corpo acolhido na cama, o cansaço tardio do tempo em que a vida cabia numa mochila. Somos uma mala remendada e bagunçada, remexida, precavida. Somos a leveza esquecida, a impulsividade amarrada, a risada contida, a paixão amornada.