Autor: Larissa Bittar

Contagem regressiva para começar tudo outra vez

Contagem regressiva para começar tudo outra vez

Vai começar de novo. Põe a lentilha no arroz, joga o caroço da uva pra trás, pula sete ondas e pede bênção a Iemanjá. Arruma o armário, limpa a estante, organiza os arquivos do computador. Corta o cabelo, hidrata a pele. Compra vestido branco, lingerie vermelha, sapato amarelo e garante logo os três elementos para uma vida plena. Troca o lençol e a foto de perfil do Facebook. Faz revisão do carro, costura a saia rasgada, termina o livro largado no meio.

663
Pode tirar o carrossel da chuva. A vida é montanha-russa

Pode tirar o carrossel da chuva. A vida é montanha-russa

Tudo certo e na mais perfeita paz. Cabelo domado, contas em dia e coração com afeto. Os amigos estão perto, o trabalho vai bem e o Wi-Fi não caiu. Fez sol e a roupa secou. No ônibus, geralmente lotado, há dois lugares vagos — um é seu e o outro do rapaz bonito que te olha com ternura. Em casa, mais tarde, a omelete que usualmente resulta em gororoba intragável sai perfeita. No whatsapp mensagem do novo amor, no e-mail confirmação da companhia de viagens sobre as férias no Caribe. Pela janela centenas de estrelas pintam de dourado a noite que encerra um daqueles dias que trazem a certeza de que a vida vale a pena.

2266
Que me perdoem os shakes de proteína, mas churro de doce de leite é fundamental

Que me perdoem os shakes de proteína, mas churro de doce de leite é fundamental

Quão politicamente incorreto é defender hambúrgueres e maldizer a rúcula em tempos de sedentarismo e doenças decorrentes da ingestão de besteiras a bel-prazer? Então priorize a saúde. Mexa o corpo. Evite enlatados, conservantes, corantes. Coma alface. E fibras. Beba água. Use filtro solar (ops, essa é outra história). Mas permita-se compensar o suor das aulas de jump com taças de vinho. Não há mal no torresmo de fim de semana. Se sentir algo diferente no peito, os invejosos dirão que é o miocárdio mandando um sinal. Explique que é só alegria.

7009
O maravilhoso privilégio de morar perto da praia e ter o mar como aliado

O maravilhoso privilégio de morar perto da praia e ter o mar como aliado

Um telefonema a quem se ama, ouvir uma boa música, comer algo gostoso, ler um ótimo livro, fazer exercícios físicos… são inúmeras as formas de sentir-se bem e reequilibrar dias engolidos por atribuições tantas vezes pesadas. Nada supera, porém, a eficácia de um mergulho no mar na capacidade de revitalizar o corpo e a mente. Os que possuem o privilégio de colocar os pés na areia após o fim do expediente conhecem a mágica que paira sobre cidades de praia.

1908
A vida é sopro sorrateiro que anuncia implacavelmente como somos frágeis

A vida é sopro sorrateiro que anuncia implacavelmente como somos frágeis

De repente o fôlego acaba. Na pane elétrica do avião de última geração, na estrada pouco iluminada, no tumor repentino, na bala perdida. Acaba para os que ostentam músculos e corações fortes e para os que agonizam seus corpos magros sobre macas improvisadas. Para os que rezam e os que não creem, para os que doam alimentos a comunidades pobres e os que desviam dinheiro de merenda, para os que saíram de casa em busca de troféus e os que foram comprar pão. Acaba para os que gostam de viver e para os que consideram a jornada um martírio. De repente a luz se apaga sem cerimônia, negando a cortesia de anunciar-se previamente para que você possa beijar quem ama, cuidar das plantas e rever orgulhos.

É preciso coragem para ser autêntico. Mas só assim evitamos a mediocridade de uma vida guiada pela opinião alheia

É preciso coragem para ser autêntico. Mas só assim evitamos a mediocridade de uma vida guiada pela opinião alheia

Tantos saltos e paetês, e ela ali de rasteirinha, jeans e camiseta branca estampada com a face do John Lennon. O pé não doía, a consciência também não. Era a vantagem de ser a expressão límpida de si mesma, era o bônus por reproduzir na roupa, no jeito e na forma a autêntica versão de suas escolhas. Haveria olhares tortos e murmúrios de recriminação. Mas o incômodo de ser tachada de peixe fora d’água era engolido pela enxurrada de liberdade que lava a alma dos que preferem a contramão da obviedade.

11133
O que o Parkinson e a força de minha avó me ensinaram sobre a vida

O que o Parkinson e a força de minha avó me ensinaram sobre a vida

Há duas maneiras de se encarar o fim. Uma é morrendo. A outra é recusando a primeira. Minha avó escolheu a recusa e tem bancado a escolha. Há 20 anos minha família se viu obrigada a conviver com a palavra “degeneração”. A nós, no entanto, foi destinada a parcela menos severa do problema. Minha avó foi forçada a aceitar a convivência de fato dolorosa. E aceitou. Não se trata de resignação. Esse termo não combina com quem resolveu lutar todos os dias pela vida, como se esta ainda fosse uma opção divertida. Mas até em gente assim, que consegue animar a mente enquanto o corpo dá adeus, o Parkinson é avassalador.

1512