Autor: Fal Azevedo

Breve diário do desencanto 3

Breve diário do desencanto 3

Adoramos suspirar — quando vivemos em uma cidade grande, enorme, gigantesca, abissal — e falar sobre a impessoalidade de viver em um lugar assim, da solidão dos centros urbanos, de como somos anônimos e blá blá blá, mas não é verdade. A verdade é que mesmo os lugares mais assustadores e cinzentos são feitos de pessoas. Tem sempre gente ali. Boa e ruim. Engraçada, sacal, babaca. Pessoas com coisas para ensinar e mostrar e dizer, ainda que não com palavras. E antes que isto descambe para autoajuda de quinta categoria, permita que eu me adiante e conte que, apesar de morar em São Paulo, não vivo, mesmo, em São Paulo. Vivo em um bairro.

Breve diário do desencanto 2

Breve diário do desencanto 2

O que faço não é importante. E não, isso não é um falso ataque de modéstia também falsa. É um fato. E bem difícil de admitir, então preste atenção: o que faço não é importante. Não tem nenhuma importância, nenhuma relevância. É comum e sou mais ou menos no que faço. Sobrevivo e isso é tudo. De qualquer forma, não vou ficar falando um tempão do que faço. Pelo menos não agora. Não, não agora. Você só precisa saber que trabalho em casa. Tenho prazos a cumprir, luto com a impressora, falo sozinha com o teclado que subitamente morre e me desespero quando a luz acaba e tenho trabalho a entregar. Você já viu esse filme mil vezes, morremos todos no final.

Breve diário do desencanto

Breve diário do desencanto

Os vizinhos moderninhos estão dando uma festa. Mais uma festa interminável e barulhenta na véspera de um dia de trabalho. Sei bem que chamá-los de moderninhos revela minha idade, mas, convenhamos, o que não revela? No tempo em que minha avó era uma jovem senhora, quando queria reclamar de vizinhos moderninhos e barulhentos, ela chamava as crianças de hippies. Minha mãe chamaria estes putos de punks. Não sei se chamo de indies, de hipsters, de… sei lá.

654