Autor: Euler de França Belém

Uma Livraria em Berlim, de Françoise Frenkel, um pequeno diamante para o cérebro

Uma Livraria em Berlim, de Françoise Frenkel, um pequeno diamante para o cérebro

É uma história de Patrick Modiano mas não escrita por Patrick Modiano. Mas o prefácio é do escritor francês. O livro “Uma Livraria em Berlim” (há edições em francês, inglês e saiu uma edição na Espanha pela Editora Seix Barral), de Françoise Frenkel, é tido com um pequeno diamante para o cérebro, inclusive por Patrick Modiano, o notável Nobel de Literatura.

1991
Shirley Hazzard sugere, em romance notável, que acaso decide a vida das pessoas

Shirley Hazzard sugere, em romance notável, que acaso decide a vida das pessoas

Escrever bem é uma obrigação de todo escritor. Mas o segredo de Shirley Hazzard não é apenas escrever bem, ser artífice de frases perfeitas, ser capaz de escrever uma história não (exatamente) linear, mas, ainda assim, com começo, meio e fim. Seu segredo é a mestria como relata as histórias, como as conecta, mas deixando espaços vazios, porque a vida, como assinala, não é exata, não é planejável nos mínimos detalhes.

Brasileira bancou primeiro livro de George Orwell e foi sua amante

Brasileira bancou primeiro livro de George Orwell e foi sua amante

Biografia escrita por Jeffrey Meyers revela que uma gaúcha, filha de ingleses, foi amante, mecenas, conselheira e agente literária do autor dos romances distópicos “1984” e “A Revolução dos Bichos”. Jeffrey Meyers registra que “Mabel Robinson Fierz foi a figura feminina mais importante das três que Blair encontrou em Southwold. Havia nascido em 1890, os pais eram ingleses, no Rio Grande do Sul, Brasil. Sabia português e falava inglês com certo sotaque, havia recebido aulas particulares em casa e chegou à Inglaterra em 1908, quando tinha 17 anos”.

6690
10 filmes em que os atores realmente fizeram sexo explícito

10 filmes em que os atores realmente fizeram sexo explícito

Tema tabu, o sexo é uma obsessão que intriga homens e mulheres. As pessoas têm imensa curiosidade sobre a sexualidade alheia, como se fosse um espelho da sua. “Sabemos que é um dos momentos mais íntimos em que só os envolvidos são testemunhas das emoções do outro e isso o torna um objeto de grande curiosidade.” “No cinema também é um tema recorrente. Sem importar o gênero, o tema ou até a classificação do filme, em quase todas as cenas nas quais se mostra de forma mais ou menos explícita”, o sexo “causa polêmica e indignação entre os mais conservadores”.

2326
Livro comprova a ligação de Pablo Escobar com governo cubano de Fidel e Raúl Castro

Livro comprova a ligação de Pablo Escobar com governo cubano de Fidel e Raúl Castro

Pablo Escobar mandou matar candidato a presidente, Luis Carlos Galán, juízes, empresários, jornalistas, rivais e ex-aliados. Sequestrou políticos e empresários. Inundou o mundo com a cocaína produzida na Colôm­bia e, mesmo todos sabendo que era traficante, chegou a ser parlamentar. Mudou leis, travou a aprovação de um projeto de lei que propunha a extradição de traficantes de drogas para os Estados Unidos. Comprava políticos, policiais, empresários, artistas famosos, jogadores de futebol. Era temido e admirado. Participou de um carnaval no Rio de Janeiro, saiu com mulatas e tinha predileção por mulheres virgens.

O pacto de Cuba com traficantes de cocaína

O pacto de Cuba com traficantes de cocaína

Para entender por qual razão Fidel e Raúl Castro embarcaram no comércio de cocaína com Pablo Escobar, do Cartel de Medellín, é preciso buscar as raízes do problema — que estão expostas com competência pelo historiador britânico Richard Gott em “Cuba — Uma Nova História”, no capítulo “Cuba fica só — 1985-2003”. Em março de 1985, Mikhail Gorbachev assume o comando da União Soviética e tenta reformar o sistema socialista. A semicolônia cubana, como a chama Gott, ficou, inicialmente, desconfiada dos propósitos da glasnost (abertura política e cultural) e da perestroika (reestruturação econômica do sistema).

2987
Livro revela que Vladmir Putin mata quem o denuncia

Livro revela que Vladmir Putin mata quem o denuncia

No país de Aleksandr Púchkin e Liev Tolstói, nos tempos de Stálin, matava-se até quem escrevia contos, como Isaac Bábel, e quem escrevia poemas, como Óssip Mandelstam. O stalinismo criou instrumentos para filtrar e fisgar quaisquer tipos de oposição. Sabe-se que Putin não é dado a leituras e, por certo, não sabe distinguir Turguêniev de Tchekhov. Mas, como Stálin, trata seus adversários, ou aqueles que avalia como adversários, como se fossem inimigos. Ao tratá-los assim, vale qualquer coisa para combatê-los. Pode mandar matá-los, como fez com o ex-espião do KGB Alexan­der Litvinenko (seu crime: ter se aliado a Boris Be­rezovsky) e, possivelmente, a jornalista Anna Politkovskaya (seu crime: denunciar os horrores russos na Chechênia).