Autor: Carlos Castelo

A melhor viagem é ficar em casa

A melhor viagem é ficar em casa

Acabaram-se as dúvidas: a religião não é mais o ópio do povo, é o turismo. Se assim for, sou ateu. Viajei muito até os 40 e poucos anos e agora, como ironizava o Millôr, espero que Veneza venha até a minha pessoa e não eu até Veneza. Essa preguiça crônica por deslocamentos, sem dúvida, deu-se por causa de minha última investida a Portugal.

Precisamos falar sobre matriarcado

Precisamos falar sobre matriarcado

Antes da minha primeira gestação eu trabalhava numa editora. Fiz Letras e Pedagogia na USP e me especializei em tradução do francês para o português. Adorava o trabalho de selecionar originais, revisar, editar. Só que, quando acabou a minha licença-paternidade, a Neusa bateu pé. Veio me dizer que assumia as contas todas, que me queria dono de casa. O argumento dela é que um pai precisa lamber as crias.

Nem figura de linguagem tem mais vergonha na cara

Nem figura de linguagem tem mais vergonha na cara

Estavam Catacrese e Anáfora conversando nas linhas de um texto que certo cronista escrevia à moda antiga, num bloco de notas usando lápis número dois. Anáfora chegou perto da Catacrese. Tanto para falar mais intimamente, como para deixar espaço para o grafite do cronista que corria pela mesma linha em que as duas se equilibravam.