Legião de A a Z: 103 músicas comentadas, da pior à melhor

Legião de A a Z: 103 músicas comentadas, da pior à melhor

Todo fã de rock brasileiro já considerou, ao menos um dia, a Legião Urbana como a melhor banda de todos os tempos. Note bem que “rock” é uma coisa, e “rock brasileiro” é outra bem diferente. A banda liderada por Renato Russo resume, em suas contradições, tropeços e vitórias, tudo de bom e de ruim que o rock feito por aqui tem a apresentar. A Legião elevou o nível da poesia roqueira nacional. Conseguiu popularizar referências sofisticadas e apresentou ao mundo o talento inegável de Russo, frontman como pouquíssimos. Por outro lado, com frequência era capenga musicalmente. Após ser alçado à posição de poeta laureado, Russo conseguiu convencer os fãs de que qualquer bobagem que escrevesse seria instantaneamente genial. Acima de tudo, a influência da Legião  —  de sua seriedade “profunda” e seu engajamento político meio pueril  —  tornou todo o rock brasileiro posterior um pouco mais chato e pretensioso.

Todo fã de rock brasileiro já considerou, um dia, a Legião Urbana como a melhor banda de todos os tempos. Mas isso passa. Eu também atravessei essa fase. Inegavelmente importante nos meus primeiros anos de formação musical, acompanhei toda a carreira do grupo, da ascensão ao fim melancólico com a morte do vocalista em 1996. Deixei de ouvir seus discos à medida em que ia descobrindo que havia outros rocks além do brasileiro, e mais: outros tipos de música além do rock. Hoje, com a imparcialidade que só o tempo traz, sinto-me capaz de analisar de forma objetiva quais são as melhores e quais são as piores canções gravadas pela Legião, uma ideia que tive ao ler esse belo ranking com todas as músicas dos Beatles. Ora, se os Beatles, que são os Beatles, podem ser julgados dessa forma, por que não a Legião? E por que não por mim, que conheço bem (bem demais, até) a obra toda do grupo?

O ranking a seguir considera as 103 músicas que a Legião lançou em seus discos oficiais. Todas as versões julgadas são as originais de estúdio, a não ser quando a música só teve registro gravado ao vivo. Os covers que a banda gravou foram julgados em pé de igualdade com as canções autorais. Nenhuma das encarnações da banda pós-Russo foi considerada. Obviamente, o posicionamento dado a cada música e as opiniões que as acompanham são 100% pessoais e não pretendem ser, de modo algum, um ranking definitivo e “oficial”. Para elaborar a lista e os comentários, voltei a ouvir todos os discos da banda, coisa que não fazia há muitos, muitos anos. O resultado?

É importante destacar que a Playlist do Spotify apresenta pequenas variações em relação às músicas comentadas, com versões atualizadas das composições originais. Apesar disso, ela ainda mantém um panorama fiel da obra do Legião Urbana.

Marco Antonio Barbosa é jornalista, edita o Telhado de Vidro e o projeto musical Borealis. Twitter: @BartBarbosa